Sexta-feira, 28 de Abril de 2017

Repetição (2011)

 

 

Não se lembram, e recomeçam,

repetem a repetição que se repete,

por tempos infinitos se renovam,

e são mais inteligentes e pensadores,

muito mais educados no conhecimento,

que em verdadeira educação,

muitas falhas apresentam.

Mas como autómatos automáticos,

sem o conhecimento dos humanos,

assim repetem o que se repete repetidamente,

e não entendem nem percebem,

que o erro que repisam à exaustão,

irá levá-los ao abismo de uma sociedade,

que de tanto sentir a repetição,

acaba por se repetir também.

São guerras e revoluções, são defesas e ataques,

que um homem não é de ferro e também se cansa,

e se pensa, não é autómato e reage,

e a tanta repetição, acaba por se repetir.


publicado por canetadapoesia às 00:30
link do post | comentar | favorito

Esperanças (2011)

 

 

Para a frente o poente,

que o que ficou atrás,

lá muito longe na caminhada,

foi um nascente de esperanças.


publicado por canetadapoesia às 00:27
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 26 de Abril de 2017

O que vos diga? (2013)

 

 

Bem olho à volta,

bem gostava de vos dizer,

bem queria orientar-vos,

mas não consigo.

É que noto que não há diferenças,

são todos iguais,

todos vendem um peixe que já fede,

e mesmo assim insistem,

tentam enganar-nos,

levar-nos à certa.

Comigo não contem,

não lhes darei esse prazer,

muito menos lhes darei o voto,

antes rasgá-lo, estropiá-lo, anulá-lo,

mas o voto? O que conta?

Esse não, não o darei,

porque não o merecem.

O que vos diga? Nem sei.


publicado por canetadapoesia às 18:24
link do post | comentar | favorito (1)
Terça-feira, 25 de Abril de 2017

De mão dada (2013)

 

 

Deambulas pela multidão,

alegre e sorridente,

com a esperança no olhar

de quem espera o futuro

que em Abril renasceu,

do horizonte que desfrutas,

em teu olhar vislumbro

a incerteza do porvir,

que um passado escreveu.

E sonhas, sorris à esperança

que não pode soçobrar

às portas do castelo

que com amor construíste.


publicado por canetadapoesia às 22:50
link do post | comentar | favorito

Sorriso vermelho (2013)

 

 

No teu sorriso vi o mundo,

pintalgado do vermelho,

que no cravo o teu sangue pintou,

na alma descobri-te,

com o sonho que Abril plantou,

e no corpo senti-te,

o sinete que o tempo em ti fixou.

São sonhos, são futuros,

são cravos vermelhos,

que teimam em não murchar.


publicado por canetadapoesia às 01:33
link do post | comentar | favorito

Era Abril e sonhava-se  (2013)

 

 

Era Abril e os cravos vermelhos,

era primavera e não só na natureza,

era esperança que depressa esmoreceu,

era a liberdade que acabamos por perder,

era o sonho que foi morrendo ao longo da caminhada.

Porque hoje a prisão é o dinheiro,

porque hoje o sonho é um pesadelo,

porque hoje também é primavera na natureza,

porque hoje estão murchos os cravos da nossa primavera.


publicado por canetadapoesia às 01:31
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 24 de Abril de 2017

Em simultâneo (2011)

 

 

E se eu gosto de comer,

sentir o sabor de cada porçãozinha,

que cuidadosamente coloco na boca,

a textura, a maciez, o sabor a terra ou a mar.

Está picante? Então é bom, faz bem ao coração,

dizem as línguas que soltas pelo vinho,

me aconselham comummente a usá-lo,

esquecendo que desde pequenino o faço com prazer,

agora ainda lhe acrescento a pimenta,

que é uma homenagem aos navegadores,

que em tempos que já lá vão,

na memória do esquecimento mergulhados,

passaram as passinhas do Algarve para no-la trazerem,

e eu, guloso e prazenteiro, aplico-a em doses generosas.

Mas a comida só sabe realmente bem,

quando em boa companhia,

fazendo escorrer em simultâneo,

o néctar que alegra a gula,

e a palavra que engrandece a alma.


publicado por canetadapoesia às 00:11
link do post | comentar | favorito
Domingo, 23 de Abril de 2017

Pobreza (2011)

 

 

Agiganta-se neste frágil País uma pobreza,

que ao envolver este povo se torna abjecta,

porque não cai do céu,

porque é originada pela mão do homem,

mais grave que tudo isso,

porque vem de quem por ele deveria lutar,

mas optando pelo mais fácil,

retira vida aos seus e condena-os à fome,

e a morte que deles se avizinha,

só tem um nome, pobreza,

pobreza de espíritos que não sabem governar,

uma Nação que merecia mais.


publicado por canetadapoesia às 21:00
link do post | comentar | favorito
Sábado, 22 de Abril de 2017

Num lugar especial (2011)

 

 

Ali estava, num lugar especial,

sentado de frente para o mar,

na varanda de sua casa,

sua, porque a construiu ele,

com restos de outras casas,

com bocados de outras vidas,

mas esta era a sua e virada para o mar.

 

Acordava com o sol a entrar-lhe pela janela,

deitava-se com a luz que o luar,

sempre prazenteiro e sem receber nada em troca,

lhe depositava no que ele chamava os seus aposentos.

 

Não fora aquela inclinação agreste,

aquela estreita faixa de terra tão mal escorada,

que de varanda lhe servia

e seria perfeita,

mesmo sem água corrente,

mesmo sem electricidade,

ainda assim era a sua casa.

 

E um dia chegaram uns senhores,

que não podia ser, que era impróprio,

ter uma casa na encosta,

virada ao mar e com uma vista destas,

nem sequer estava legalizada,

não pagava impostos nem água, nem luz.

 

Foi despejado, arrasada a casa.

No seu lugar, já com outras mordomias,

nasceu um condomínio privado,

onde pagavam tudo o que se exigia

nas sociedades modernas e bem-comportadas,

e ele trabalhou na sua construção.

 

Mesmo ali, onde era a sua casa,

virada ao mar, sem luz, sem água.

 

Ao fim do dia regressava à nova casa,

no vão de um viaduto,

por onde passavam diariamente,

todos os que iriam viver no nove condomínio.


publicado por canetadapoesia às 01:06
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 21 de Abril de 2017

Por esta passagem estreita (2011)

 

 

Entre o ser e o ter vai alguma distância,

e sou, mas não tenho,

e caminho nesta vereda verde,

que me leva a uma estreita passagem,

tão curta que a tenho de cruzar de lado.

Vai-se apertando,

fazendo sentir na carne a sua estreiteza,

tolhendo futuros risonhos,

glorificando amanhãs incertos,

reduzindo-nos ao pó que nos há-de,

com ventos favoráveis,

espalhar nessa passagem mais lata do universo.


publicado por canetadapoesia às 15:07
link do post | comentar | favorito

Mais sobre mim

Pesquisar

 

Abril 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9

17
20

27
29

30


Posts recentes

Repetição (2011)

Esperanças (2011)

O que vos diga? (2013)

De mão dada (2013)

Sorriso vermelho (2013)

Era Abril e sonhava-se  (...

Em simultâneo (2011)

Pobreza (2011)

Num lugar especial (2011)

Por esta passagem estreit...

Arquivos

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Links

blogs SAPO

subscrever feeds