Terça-feira, 21 de Março de 2017

Poesia sem dono (2010)

 

 

A poesia não tem dono, é livre, é vadia,

anda por aí para quem a queira apreciar.

Há quem a escreva numa métrica certinha,

alinhada por sílabas e rimas perfeitas.

Mas a poesia pode ser diferente,

pode sair do peito que se enche de vida,

da alma que se inspira no olhar,

do sentimento que brota de uma lágrima.

A poesia é minha, é tua, é nossa,

é do mundo que nos envolve,

que nos revolve e nos atira

aos trambolhões pelas veredas da vida.


publicado por canetadapoesia às 00:19
link do post | comentar | favorito

Mais sobre mim

Pesquisar

 

Abril 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9

17
20

27
29

30


Posts recentes

Repetição (2011)

Esperanças (2011)

O que vos diga? (2013)

De mão dada (2013)

Sorriso vermelho (2013)

Era Abril e sonhava-se  (...

Em simultâneo (2011)

Pobreza (2011)

Num lugar especial (2011)

Por esta passagem estreit...

Arquivos

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Links

blogs SAPO

subscrever feeds