Terça-feira, 23 de Abril de 2019

Silêncio (2010)

 

 

Nunca o silêncio foi tão profundo,

tão escuro e simultaneamente,

tão brilhante como aqui, agora.

Sem as luzes de uma ribalta de vaidades,

impeditiva do emergir da noite,

escura como breu,

silenciosa na sua negritude,

assustadora na sua profundidade,

mas deliciosa no deslumbramento,

que a abóbada celeste nos oferece.


publicado por canetadapoesia às 23:06
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 22 de Abril de 2019

É assim Lisboa (2012)

 

 

Pela rua Serpa pinto acima,

com paragem no Museu de Arte Contemporânea,

para um concerto com a fadista Aldina Duarte,

mais acima, cerca de meio quarteirão,

outro concerto nos surpreende, desta feita,

pelo estrondo do som que emana da varanda do TNSC,

nada mais que o coro entoando uma ária de “El toreador”.

Soberbo no fim de tarde de verão,

toda a área do Chiado o ouvia e na rua era de facto espantoso,

e o sol a pôr-se no horizonte.

Fabuloso.

É assim Lisboa.

De outras eras, de eras actuais, sempre Lisboa,

que canta e encanta quem por ela se souber apaixonar.


publicado por canetadapoesia às 23:31
link do post | comentar | favorito
Domingo, 21 de Abril de 2019

Exuberante II (2012)

 

 

Ela exuberante no discorrer da palavra.

Ele exuberante no silêncio em que as envolve.

Ambos sintonizados,

os dois comunicando,

com palavras, sem palavras.

Bastando uma simples troca de olhares.


publicado por canetadapoesia às 23:30
link do post | comentar | favorito

Da minha janela (2010)

 

 

Via a tua, da minha janela,

nas noites mais escuras,

em que a lua envergonhada,

se escondia por trás das nuvens,

conseguia até distinguir uma luzinha.

Não, nunca vi mais que isso,

uma luzinha na escuridão,

mas era a tua janela e disso não tinha dúvidas,

bastava-me sabê-lo, não queria mais.

Da tua janela e da luzinha visível,

soltavam-se sonhos e imaginações,

e na noite escura, mesmo sem lua,

se iluminavam e resplandeciam os desejos.

Cavalgando imaginações e pensamentos,

acontecia o amor sem luar.


publicado por canetadapoesia às 00:02
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 19 de Abril de 2019

Louco (2010)

 

 

Sou louco?

Pois sim,

penso ao contrário dos outros,

largo a riqueza pelos momentos de prazer,

da companhia, da conversa,

mas sou louco de amor,

e quando amo,

a loucura acompanha-me,

e as riquezas do mundo,

estão no momento em que,

enlaçados pela partilha e desejo,

nada mais encontramos à nossa volta.


publicado por canetadapoesia às 23:22
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 18 de Abril de 2019

E no entanto... (2013)

 

 

Sem querer ou imaginar,

vens-me à adormecida memória.

Em sonhos, soltos e espaçados,

adormecido na noite silenciosa,

em absoluto descanso mental,

desperto em outra dimensão,

apesar de tudo estou vivo.

Tento que o presente seja o toque de ordem,

prevaleça sobre o passado,

que de alguma forma já é distante,

mas não o controlo.

E no entanto...

Ali estás na noite escura e silenciosa,

mordendo os lábios, olhando-me provocadora,

excitando-me a libido, destroçando o meu descanso.

Como uma realidade, assim vivo o sonho, me desfaço,

e me convences e torturas, com as tuas mãos quentes,

a língua irrequieta e o corpo insaciável.

Rendido a teus encantos me deixo soçobrar,

e o silêncio da noite se transforma em grito de amor e prazer.


publicado por canetadapoesia às 23:21
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 17 de Abril de 2019

Isto de que falo (2010)

 

 

E se de uma paixão,

nascer um coração,

que palpita em tropelia,

que sente e se preocupa,

que chora e se entristece,

que ri e se alegra,

não estranhes,

isto de que falo não é nada de admirar,

isto de que falo é amor.


publicado por canetadapoesia às 23:22
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 16 de Abril de 2019

O choque (2010)

 

 

Quando em mim deixaste o teu beijo,

e finalmente o meu corpo cedeu,

algo aconteceu no universo.

Dos milhões de seres ali espalhados,

duas estrelas se apartaram,

e ao juntarem-se produziram o choque,

que gerou o mais belo momento da vida,

a união física de que o amor se alimenta.


publicado por canetadapoesia às 23:49
link do post | comentar | favorito

Porque te olho

 

 

Se não te vejo, porque te olho?

Olho-te para não te ver,

olho-te porque te quero ver,

olho-te para além do infinito.

E esse meu olhar não te enxerga,

porque estás muito mais perto de mim,

que qualquer outro infinito.


publicado por canetadapoesia às 21:19
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 15 de Abril de 2019

Do amor (2010)

 

 

Do teu ventre,

guardei o prazer,

dos frutos o amor.


publicado por canetadapoesia às 21:43
link do post | comentar | favorito

Mais sobre mim


Ver perfil

Seguir perfil

. 14 seguidores

Pesquisar

 

Abril 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
11
12

14
20

24
25
26
27

28
29
30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Posts recentes

Silêncio (2010)

É assim Lisboa (2012)

Exuberante II (2012)

Da minha janela (2010)

Louco (2010)

E no entanto... (2013)

Isto de que falo (2010)

O choque (2010)

Porque te olho

Do amor (2010)

Arquivos

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Links

SAPO Blogs

subscrever feeds