Quinta-feira, 24 de Setembro de 2020

Vampiragem (2013)

 

 

Chamaste-me e eu aproximei-me,

sem receios, sem medos,

afinal habituamo-nos.

Escolheste o braço

onde a veia era mais saliente,

espetaste lenta e pausadamente a agulha,

senti-a entrar na pele, perfurar a veia,

dos vários depósitos retirei a única conclusão,

de que afinal o líquido que retiraste,

era vermelho, escuro, grosso, pastoso,

mas vermelho, nunca foi e nunca será azul,

o meu sangue é vermelho e assim continuará.


publicado por canetadapoesia às 22:18
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 23 de Setembro de 2020

Inquieto (2013)

 

 

É tarde, quero dormir,

a noite segue o seu caminho,

procuro segui-la e quero dormir,

mas não consigo.

A mesma noite que me propõe o sono reparador,

retira-me a capacidade de descansar,

levanto-me de tempos a tempos,

para tentar dormir de seguida,

ainda que seja de pé, mas nada.

A noite não é minha amiga,

castiga-me por ser tardio no dormir,

e quando o tento, acorda-me.

É tarde, quero dormir,

olho as estrelas, desenho a lua num céu escurecido,

mas nem elas me ajudam, não consigo,

mas vou tentar de novo.


publicado por canetadapoesia às 20:45
link do post | comentar | favorito (1)
Terça-feira, 22 de Setembro de 2020

Na corte (2013)

 

 

Vivias na sumptuosa corte,

escolheste o rei coroado,

não te admires, portanto,

se o escravo te esqueceu.


publicado por canetadapoesia às 20:58
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 21 de Setembro de 2020

Conversas cruzadas (2013)

 

 

Pela esplanada repleta,

caracoleando ao sol de quase inverno,

cruzam-se conversas,

trocam-se impressões,

põe-se em dia a conversa,

que os dias de chuva atrasam.

Conversas cruzadas

enchem-nos os ouvidos,

esvaziam-nos o cérebro,

do seu conteúdo nada nos fica

no olhar ausente que as ignora.


publicado por canetadapoesia às 23:04
link do post | comentar | favorito (1)
Domingo, 20 de Setembro de 2020

Para uma sandes (2013)

 

 

“Uma moedinha”,

ouço repicar a meus ouvidos,

“para uma sandes”,

diz a voz do outro lado da cabeça.

Levanto os olhos,

através dos andrajosos vestires,

reconheço a necessidade,

não sei se é para a sandes,

não me interessa para que fim,

sei que não posso resistir,

a tão intenso olhar.

Do bolso a retiro,

na sua mão a deposito,

com receio que se perca,

de imediato cerra o punho.

“Para uma sandes”, ou o que melhor servir,

na certeza que foi do fundo de um coração

amargurado com este mundo ingrato.


publicado por canetadapoesia às 22:15
link do post | comentar | favorito
Sábado, 19 de Setembro de 2020

De saia (2013)

 

 

Invulgar nos dias que correm,

passas de saia vestida,

preta e cingida ao corpo,

colada às curvas que Deus te deu,

elegante como qualquer mulher,

que de saia vestida,

empolga a vista de apreciador distraído,

mas atento, a uma cintura vincada,

pelo porte de mulher, que sabe que o é,

que sabe sê-lo e não receia mostrá-lo.

De saia é diferente.


publicado por canetadapoesia às 23:47
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 18 de Setembro de 2020

O que o corpo pede (2013)

 

 

Contrafeito tenho de ceder,

pois o corpo pede

o que a alma não quer.

O cansaço deste corpo

que me exige descanso

contradiz o que o espírito deseja,

a adrenalina da escrita.

Desço à escuridão da noite,

cerro os olhos e sonho.

Sonho com novas madrugadas,

sonho com novos sonhos.


publicado por canetadapoesia às 23:43
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 17 de Setembro de 2020

“Luuanda” (2013)

 

 

Para lá da saudade existe uma terra

que deixou marcas de felicidade,

um país que me viu crescer,

uma cidade inesquecível,

uma nação que hei-de recordar

por todos os dias em que ainda viva.

Mas é também uma saudade

que se faz esquecimento

por tudo o que de lá perdi.

Não, não perdi bens materiais,

que não tinha, nem deles precisava.

Perdi algo muito mais valioso,

perdi amigos,

perdi muitos amigos da minha infância.

E quando se perdem os amigos,

o lugar já não tem a mesma importância.

Resta-me a saudade do esquecimento,

mantenho a saudade da lembrança.


publicado por canetadapoesia às 21:14
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 16 de Setembro de 2020

Mar encapelado (2013)

 

 

Como um mar encapelado,

assim venho sentindo a vida.

Umas vezes na cava da onda,

de onde nada se enxerga.

Outras na mais alta crista,

de onde se vislumbra o mundo.


publicado por canetadapoesia às 23:16
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Terça-feira, 15 de Setembro de 2020

Noite dentro (2013)

 

 

Passavam as horas,

a noite adensava o seu negrume.

Na rua, as luzes dos candeeiros bailavam

numa dança que o vento proporcionava.

A chuva miudinha vinha bater na janela,

e o calor da cama reclamava o corpo.

Ele não se entregava

ao prazer de uma noite sossegada,

primeiro, tinha de ir à janela,

mesmo chovendo e ventando.

Nunca seria uma boa noite,

se não visse primeiro a lua e as estrelas.

Deitou-se e repousou pelo resto da noite.


publicado por canetadapoesia às 22:38
link do post | comentar | favorito

Mais sobre mim


Ver perfil

Seguir perfil

. 21 seguidores

Pesquisar

 

Setembro 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9


25
26

27
28
29
30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Posts recentes

Vampiragem (2013)

Inquieto (2013)

Na corte (2013)

Conversas cruzadas (2013)

Para uma sandes (2013)

De saia (2013)

O que o corpo pede (2013)

“Luuanda” (2013)

Mar encapelado (2013)

Noite dentro (2013)

Arquivos

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Links

SAPO Blogs

subscrever feeds