Domingo, 7 de Março de 2021

Desvirginada pelo tempo (2013)

 

 

E há quem desdiga

desta terra cuja desdita

a ela se agarra como lapa em rocha.

Eu vos digo que é linda.

Quando a olho recortada pela costa abaixo,

cheia de curvas e recônditos escondidos,

feita de montanhas, planícies e cavernas,

todas visitáveis, com deleite, com prazer sensual,

por onde escorregamos e mergulhamos

em néctares límpidos e frescos,

em busca do verdadeiro suco da vida.

Esta terra, que é mulher, que não é nova,

que tem a experiência que o tempo acumula

nas suas curvas e recônditos sensuais,

que foi desvirginada pelo tempo,

mas que devolve ao olhar

o brilho incomparável do desejo inconfessado

do corpo da mulher que o tempo refinou.


publicado por canetadapoesia às 21:11
link do post | comentar | favorito
Sábado, 6 de Março de 2021

Estórias que se contam (2013)

 

 

A cada um a sua,

contada, recontada vezes sem conta,

estórias que o tempo acama,

em lentas marés de calmaria,

que os homens passam de boca em boca,

com os pormenores que o tempo,

teimoso, tenta apagar.

Estórias que o vento nos traz,

pela boca de quem as viveu,

e que o tempo esbate na memória dos homens.

Estórias que se contam.


publicado por canetadapoesia às 21:58
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 5 de Março de 2021

Metralhadora (2013)

 

 

Sempre que a via, emocionava-me,

era uma máquina infernal,

disparava em todos os sentidos

e a mortandade era geral.

Bastava para tanto que se carregasse num botão,

como agora se diz, porque na época o nome era outro,

chamava-se-lhe simplesmente tecla,

e dessas teclas se disparavam as mais diversas munições.

Quando se sentava defronte dela já estava preparado

para dar início à guerra, fratricida, total, se necessário fosse,

punha-se a pressioná-las de tal forma, que nada ficava ao acaso,

chegava mesmo a ser violento com elas

na ânsia de atingir os seus alvos.

Uma máquina de escrever, portátil, pois então,

já havia destas coisas,

do seu metralhar de um compasso assustador, firme,

saíam textos de quem sabia escrever, em português, já se vê,

sem acordos ortográficos, que isso são modernices,

para nos fazer esquecer as belezas desta língua universal,

de tal forma certeiros, tão acutilantes que foi, finalmente,

decretado o seu fim, exterminada sem dó nem piedade,

substituída pela ortografia das novas linguagens digitais.

Uma máquina terrível, mais mortífera que qualquer outra,

que de guerra se denomina e apresenta,

mas indissociável da evolução humana,

uma arma de arremesso de quem sabia escrever e pensar,

temida por todos os arautos da incongruência,

os pavoneadores da palavra fácil e mentirosa.

Era aquilo que diferenciava o ser humano pensante,

do que seria o animal cavernoso da obscuridade,

uma arma mortal para quem usava do ardil,

para adormecer as mentes que se recusavam a ceder,

por isso tinha um nome adequado à sua função,

por isso era terrível e se chamava simplesmente,

Máquina de Escrever.

E que bem escrevia, como nos enchia o coração,

quando ouvíamos o seu matraquear

e a alma completava a satisfação, repleta de prazer.

Uma Máquina de Escrever.


publicado por canetadapoesia às 22:47
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 4 de Março de 2021

De visita a Pessoa (2013)

 

 

Fui entrando naquela que é a sua casa,

procurando por ele, devia estar por ali,

mas encontrei Caeiro,

mais à frente dei de caras com Reis,

sem desistir continuei à procura,

encontrei Campos,

mas de pessoa nem sombra.

E finalmente,

ao encontrar Search num dos cantos da livraria,

descobri que ele estava mesmo à minha vista,

diante dos meus olhos sem que eu o vislumbrasse,

pois Pessoa eram todos eles e mais alguns,

de que nem sequer falei,

nem mencionei.

Mas ali estava ele em todas as suas personagens,

mais maravilhoso que nunca,

um Pessoa desconhecido e cheio de conhecimento,

um doutor das letras que só esteve seis meses na Universidade.

E, no entanto,

o maior poeta português do século XX,

Fernando Pessoa de seu nome,

em pessoa, ou antes, em pessoas,

recebendo-me em sua casa.


publicado por canetadapoesia às 22:19
link do post | comentar | favorito (1)
Quarta-feira, 3 de Março de 2021

À parede (2013)

 

 

A rua deserta, fria e solitária

da noite longa que atravessas,

a parede como suporte,

e o cigarro que vai aquecendo

o corpo já quente que aguarda

um outro corpo, frio e solitário também,

que procura o calor desse teu corpo que ofereces.

Entregas-te a troco de algo, a troco de nada,

entregas-te a troco de quê?

A troco da satisfação da necessidade,

que encontra a necessidade de satisfação

de um corpo frio no teu corpo quente.


publicado por canetadapoesia às 22:55
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 2 de Março de 2021

Amendoados

 

 

Com esses olhos grandes,

de amêndoa alargados,

cabelos de fogo avermelhados,

mãos finas e dedos compridos,

cruzados frente ao rosto expressivo de quem pensa,

e a boca, de lábios carnudos, sensuais,

desejosos de outros iguais,

estereótipo do sorriso franco,

aberto e alargado dos desejos que vão criando,

e nos dentes, ainda, sobressaindo a cada sorriso,

um fio prateado de aparelho dentário.

A ninfeta diáfana da mulher de sensualidade futura.


publicado por canetadapoesia às 21:54
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 1 de Março de 2021

Transparências

 

 

Através de ti olho este mundo

que me rodeia e arrasta,

que serpenteia entre o gosto e o desgosto,

e saltita, vai não vai, saltita,

cambiando de cor e amor.

E tu, gota de chuva,

que cais sobre meus olhos,

mesmo assim vejo,

pela tua transparência e luminosidade,

reconheço o mundo que gostaria fosse diferente,

cambiando, sim, sempre,

mas para um mundo melhor.


publicado por canetadapoesia às 21:48
link do post | comentar | favorito (1)
Domingo, 28 de Fevereiro de 2021

Já não há montras livres

 

 

Em cada uma um corpo, inerte a esta hora da noite,

em cada uma um recanto, onde se abrigam,

e em todas elas uma luz que lhes ilumina a noite,

uma protecção frágil que os abriga,

sem que seja uma segurança de abrigo.

É só um resguardo da noite embrulhada nas estrelas que,

do alto do seu distanciamento,

tudo vêem, tudo apreciam, de nada gostam,

mas iluminam os corpos tristes que na sua protecção se abrigam.

E não há mais montras vagas, todas estão ocupadas,

e nós estamos também, ocupados, cabisbaixos,

nada vemos do que se passa ao nosso redor,

mesmo quando por azar, roçamos tão de perto

que não só lhes sentimos a respiração,

como testemunhamos a sua profunda miséria.

Estamos tão preocupados em sobreviver

que não reparamos que outros já se preocuparam também.

E por isso, tantas montras ocupadas,

tão poucas vagas entre elas.


publicado por canetadapoesia às 22:53
link do post | comentar | favorito (1)
Sábado, 27 de Fevereiro de 2021

Passam por mim (2013)

 

 

Passam lestos por mim

a caminho de não sei onde,

correm a vida nos pés que se arrastam

sem apreciarem a paisagem.

 

Passam lentos por mim,

mãos descontraídas,

devagar, sem destino,

que a vida fez-se para se apreciar,

olham, suspendem a passada

e num voltar de cabeça,

abarcam todo um mundo que os rodeia.

 

Passam lestos ou passam lentos,

mas passam por mim, no Rossio.


publicado por canetadapoesia às 23:50
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 26 de Fevereiro de 2021

Nuvens

 

 

Esbranquiçavam-se ao longe,

clareava o dia e os raios solares,

fortes, possantes e quentes,

sentiam-se impotentes,

eram demasiadas nuvens,

apesar das tentativas,

não conseguiam mais que

clarear o dia e esbranquiçar as nuvens.

Caía sobre nós o cinzento-celeste,

e com ele a tristeza da falta do rei sol.


publicado por canetadapoesia às 21:45
link do post | comentar | favorito

Mais sobre mim


Ver perfil

Seguir perfil

. 22 seguidores

Pesquisar

 

Março 2021

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Posts recentes

Desvirginada pelo tempo (...

Estórias que se contam (2...

Metralhadora (2013)

De visita a Pessoa (2013)

À parede (2013)

Amendoados

Transparências

Já não há montras livres

Passam por mim (2013)

Nuvens

Arquivos

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Links

SAPO Blogs

subscrever feeds

Em destaque no SAPO Blogs
pub