Quarta-feira, 28 de Agosto de 2013

Sereno

 

Vai chegando o lusco-fusco,

a noite aproxima-se e o sol,

já menos inebriante,

vai-se aconchegando também.

Um sereno entardecer.

Á minha volta o som difuso,

campestre e audível na sua diversidade,

um universo quase paralelo,

ao que estamos habituados,

sereno, calmo e relaxante.


publicado por canetadapoesia às 23:38
link do post | comentar | favorito

O sino

 

No ponto mais elevado da aldeia,

a construção mais alta das que a rodeiam,

a torre da igreja,

e no cimo o sino,

que toca, repica e marca as horas.

Chama os crentes, avisa-os, informa-os.

Toca e retoca, repica de dia,

silencia-se à noite,

para retomar os seus sons,

mal a noite abre os olhos,

e a madrugada anuncia o novo dia.

Toca e repica,

o sino da aldeia, que pelos seus sons,

se transforma no jornal informativo.

Toca e repica.


publicado por canetadapoesia às 22:50
link do post | comentar | favorito

Humanidade

 

Para onde vais humanidade?

Se abandonas a pureza das pequenas vilas,

das aldeias ancestrais,

para nos desertos citadinos,

ocos e vazios te concentrares,

na expectativa de quimeras douradas,

que jamais se realizarão.


publicado por canetadapoesia às 22:20
link do post | comentar | favorito

No campo

 

Dos vários sons que lhe enchiam a cabeça,

neste deserto de verde composto,

o das cigarras, ao anoitecer,

e dos pássaros, ao entardecer,

eram os autênticos protótipos,

do paraíso em que se sentia.


publicado por canetadapoesia às 20:01
link do post | comentar | favorito

Maia

 

Pelo porto passei,

pela Maia andei,

pelos seus passeios cuidados,

vi jardins, verdes, de uma relva tratada,

por ali andavam comboios, o metro assim se chama.

E no belo aeroporto,

de uma moderna escultura,

me refresquei do ardente calor,

que o sol teimava em me enviar.


publicado por canetadapoesia às 20:00
link do post | comentar | favorito

E no entanto...

 

Sem querer ou imaginar, vens-me à adormecida memória.

Em sonhos, soltos e espaçados,

adormecido na noite silenciosa,

em absoluto descanso mental,

desperto em outra dimensão,

apesar de tudo estou vivo.

Tento que o presente seja o toque de ordem,

prevaleça sobre o passado,

que de alguma forma já é distante,

mas não o controlo.

E no entanto...

Ali está na noite escura e silenciosa,

mordendo os lábios, olhando-me provocadora,

excitando-me a líbido, destroçando o meu descanso.

Como uma realidade, assim vivo o sonho, me desfaço,

e me convences e torturas, com as tuas mãos quentes,

a língua irrequieta e o corpo insaciável.

Rendido a teus encantos me deixo soçobrar,

e o silêncio da noite se transforma em grito de amor e prazer.


publicado por canetadapoesia às 00:18
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 27 de Agosto de 2013

Amigos de longe ou de perto

 

Do sorriso nas faces abertas,

ressaltava o carinho,

de almas descobertas,

que se puseram ao caminho.

 

De alguma forma o soube,

alguém disso me inteirou,

e com carinho me coube,

o que do seu acto me honrou.

 

Uma amizade discreta,

dizem-na digital,

pois para mim é concreta,

que outra não vejo como tal.

 

De longe chegaram,

sem especial intenção,

logo me saudaram,

com grande satisfação.

 

 

Com sua presença me honraram,

na poesia que ora lancei,

com carinho me encheram,

o agradecimento que lhes deixei.

 

A amizade é assim, sem segunda intenção,

sem temor mas com amor,

muitas vezes até sem grande razão,

e sempre um hino de louvor.

 

A todos agradeço,

e aos que de longe vieram,

com muito mais apreço,

que o que me dedicaram.

 

E por isso lhes afirmo,

que como sou, fui e serei,

minha amizade lhes confirmo,

pois no coração sempre a trarei.


publicado por canetadapoesia às 23:53
link do post | comentar | favorito

Bailarina exótica

 

Era agradável à vista,

as suas curvas despertavam a líbido,

e serenos pensamentos eróticos nos atravessam os neuróneos.

A par da borbulhagem que mostrava,

espumando e vertendo líquido em múltiplos orgasmos,

sempre que era agitada.

Prometia um desfecho extraordinário.

Assim aconteceu,

depois da terceira “caipirinha” já bailava,

rebolando-se excitante, no curvilíneo erótico do seu corpo.

E sobre o tampo daquela mesa,

a garrafa de “Coca-Cola” era uma bailarina exótica,

espumante e transbordante, erótica e excitante.


publicado por canetadapoesia às 23:23
link do post | comentar | favorito

Sem velas

 

De mastro erguido,

sem velas nem outras propulsões,

que não as que de meu corpo emergiam,

naveguei e manobrei um barco imaginário,

sulquei mares e ondas,

calmas e mansas,

apreciando o embalo de oceanos em repouso,

alterosas e em fúria,

quando de ti se projectava a tempestade.

Naufraguei, exausto, em teus braços,

refiz-me sobre teus seios,

e voltei a navegar teu oceano.


publicado por canetadapoesia às 22:37
link do post | comentar | favorito

Melro

 

Vês ali naquele ramo?

O melro saltita,

volta-se e torna a saltitar,

sem medo, sem receio.

Não há aqui predadores,

Nada que o assuste.

Encontrou o seu éden.


publicado por canetadapoesia às 21:27
link do post | comentar | favorito

Mais sobre mim


Ver perfil

Seguir perfil

. 22 seguidores

Pesquisar

 

Janeiro 2021

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9



24
25
26
27
28
29
30

31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Posts recentes

Engano

O refrão (2013)

Por sulcos desejados (201...

Algazarra (2013)

Olhares dispersos

Deixei-me ir (2013)

Passei por aqui (2013)

Ser prudente

Já nem me apetece

O que vos diga? (2013)

Arquivos

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Links

SAPO Blogs

subscrever feeds