Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Caneta Da Poesia

Caneta Da Poesia

02
Dez13

Noite iluminada


canetadapoesia

 

Havia fogo,

e o artifício com que foi criado,

iluminando a noite escura do inverno,

sem luz artificial por momentos,

antes que os pirilampos da árvore natalícia se acendessem,

rasgou os céus desta cidade,

ecoou nos ouvidos dos que esperavam,

iluminou feericamente a praça.

Cabeças ao alto,

olhares postos nas multicolores rebentações,

e a amargura dos momentos difíceis,

parou por escassos minutos,

coloriu-se de bombinhas de festa,

iluminou os corações e engrandeceu a alma.

02
Dez13

Renascer do dia


canetadapoesia

 

Cabelos soltos ao vento,

de uma cavalgada,

que a noite,

calma e silenciosa permite.

Os sentidos despertos pelo desejo,

o coração à desfilada,

nos corpos em frémitos incandescentes,

uma só vontade,

e o dia renasce pleno de sorrisos.

02
Dez13

Frio


canetadapoesia

 

Está frio,

esta noite está frio,

sinto-me enregelar,

e nada do que me lembre,

me consegue aquecer.

Está frio,

sinto-o nos ossos,

sinto-o na pele.

Está frio,

e preciso de ti,

para com o teu corpo,

me envolveres nas ondas do calor,

que só dois corpos juntos produzem.

02
Dez13

Passar pela vida


canetadapoesia

 

Porque passamos pela vida sem a ver?

Eu sei, sei que por vezes,

é agreste, complicada,

chega mesmo a ser imprópria para viver,

mas a vida não são só desgraças.

Na vida porque passamos,

quase sem a ver, sem a sentir,

também temos coisas lindas,

momentos deliciosos de serem vividos.

São os momentos de carinho e amor,

que nos leva a encará-la,

com o sentir da alma, apesar de tudo.

01
Dez13

Inaugurei o Natal


canetadapoesia

 

Porque a cidade é minha,

e eu aprendi a gostar dela,

não a largo, não a abandono.

Andei de uma ponta a outra, andei disse eu,

que de automóvel não se conhece a cidade,

que de tão idosa já se pode considerar eterna.

Fui ao Terreiro do Paço,

passei pelo caldeirão de culturas do Rossio,

Cais de Sodré como ponto obrigatório,

e pela rua do Alecrim subi ao Chiado.

Deambulei pela cultura de África,

ali mesmo, na zona mais chique da cidade,

e se tocavam, de tal forma que este corpo insubmisso,

logo se pôs a balançar, pelos tempos da saudade.

Não me contive e continuei pela velha Trindade,

nem parei para uma imperial e uns pastelinhos de carne,

e na caminhada de ver as luzes do Natal inaugurado,

corri o Príncipe Real, olhei de soslaio o Pavilhão Chinês,

local de peregrinação copista,

desemboquei no Largo do Rato,

terminei o passeio e, acima de tudo,

inaugurei o Natal na capital.

Pág. 8/8

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

Caneta da Escrita

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub