Sexta-feira, 31 de Janeiro de 2014

Retórica

 

Quando pretendes dizer-me exactamente o contrário,

de tudo o que aos olhos me saltam,

isso é retórica,

quando tentas fazer valer a tua verdade,

contra toda a evidência,

isso é retórica,

quando me queres convencer,

que tens a razão em tudo o que dizes,

isso é retórica,

e eu nada vejo com o que tu argumentas,

e bem tento entender as tuas razões,

mas está a tornar-se muito difícil,

é que a tua retórica não passa disso,

retórica.


publicado por canetadapoesia às 23:39
link do post | comentar | favorito

Opiniões diferentes

 

Diz-me porquê?

Se tens uma opinião que eu defendo como um direito,

porque não hás-de aceitar que tenha uma também?

Diferente, eu sei, mas é esta riqueza,

que nos transforma em seres pensantes,

com olhares diversos sobre o mesmo objecto,

com experiências distintas,

com vidas divergentes,

mas com o direito a exprimir cada um o seu.

Porque no dia em que acontecer,

que uma opinião se sobreponha a outra,

que tenha mais valor uma que outra,

ou que tenhamos todos a mesma,

então sim, temos a certeza que esse dia,

marcará inexoravelmente o retrocesso,

de mais de quarenta anos de que queremos fugir,

pelo menos os que ainda têm memória,

ou que dela façam uso para reescrever o futuro.


publicado por canetadapoesia às 21:16
link do post | comentar | favorito

Pelo olhar

 

Não sei se estou aqui olhando o que não quero,

sei que procuro um olhar,

e se nessa procura o encontrar,

sei que não foi em vão o meu,

porque nesse momento em que as pálpebras,

ofuscadas se fecharem e abrirem,

foi encontrado o propósito da vida,

e nesse momento o amor fala mais alto.


publicado por canetadapoesia às 15:52
link do post | comentar | favorito

Angústias

 

Partilho das angústias,

de tantos que as sentem na pele,

de outros tantos que as receiam,

e vejo o mundo que à minha volta,

se transforma numa coisa inexplicável.

E o homem que deveria ser um ser racional,

movido pela paixão das causas que engrandecem o mundo,

recolhe-se ao rincão da nulidade traição,

e procura em cada momento sobrepor-se,

a todos os que o rodeiam sem a malícia do mal,

que se desenvolve em mentes retorcidas,

gabadas de universidades cursadas,

mas esquecida das correntes que à vida dão vida.


publicado por canetadapoesia às 13:22
link do post | comentar | favorito

Vogando sobre as nuvens

 

Sinto que viajo no tempo,

vogando sobre nuvens,

ora escuras e carregadas,

ora claras e calmas,

sou isso mesmo que me sinto,

um viajante de um tempo que não controlo,

um viajante sem passaporte,

que circula nesta atmosfera,

onde há tanto tráfego,

e eu já não pertenço a este sururu,

que me quebra a alma de penas por cumprir,

que me devasta o coração sem rumo.


publicado por canetadapoesia às 00:34
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 30 de Janeiro de 2014

Cansaço

 

Estou cansado, muito cansado,

de ver esta premente necessidade,

de colocar uma geração contra outra.

Estou cansado, muito cansado,

de ver justificar as faltas da próxima,

com as venturas da actual.

Estou cansado, muito cansado,

de ver que a origem deste choque,

que de gerações se quer criar,

tem origem onde não devia ser possível que acontecesse,

o governo de uma Nação que se queria culta e desenvolvida.

Estou cansado, muito cansado,

Porque sei que no que me toca,

no que ao meu alcance sempre esteve,

fiz os possíveis para que a próxima geração,

fosse e tivesse ainda melhor do que a anterior,

porque tenho filhos, porque respeito outros filhos.

Estou cansado, muito cansado,

porque afinal não contava com o imponderável,

uma classe política iníqua,

uma governação irresponsável,

um Estado aprisionado pelos grupos de interesse,

que afinal são os únicos responsáveis deste estado de coisas.

Estou cansado, muito cansado,

de ser o suporte de mais um dislate governativo,

de ser um bode expiatório da incapacidade política,

de quem há demasiado tempo vive principescamente,

à custa daqueles que agora quer condenar como responsáveis.

Estou cansado, estou mesmo cansado.


publicado por canetadapoesia às 23:09
link do post | comentar | favorito

Embalo-te

 

Quando te aconchego a estes braços,

cingindo-te ao peito apertado em soluços por soltar,

oiço junto ao meu, teu pequeno coração,

tiquetaque, tiquetaque, tiquetaque.

Dos meus olhos enevoados,

retiro o prazer de te olhar,

tu deitas-me a língua de fora e,

ao mesmo tempo,

iluminas-me com teu sorriso,

desfaleço de sensações que explicar não consigo,

e embalo-te nestes braços onde te acolho.


publicado por canetadapoesia às 10:16
link do post | comentar | favorito

Tágide

 

Sentado, olhando o rio,

A cidade cá em baixo,

Iluminada por um sol grandioso.

Linda esta cidade.

Se não fora os homens que a habitam,

Estaríamos certamente num paraíso terrestre.

A mais bela cidade de todas as cidades.

A minha cidade de Lisboa.

 

(Do livro "Tágide" - Lua de Marfim - 2013)


publicado por canetadapoesia às 00:39
link do post | comentar | favorito

Pequeno pavio

 

Senti o ruído da cabeça do fósforo,

raspou ao de leve na superfície áspera da caixa,

acendeu-se à velocidade da luz e dela fez iluminação,

aproximei-o com cautela da vela, virgem ainda,

que o aguardava, na serena pacatez da cera que a compunha,

ao seu pequeno pavio encostei a minha chama intensa,

acendi-o iluminou-se, contorceu-se um pouco,

mas a vibrante chama com que me mimoseou,

iluminou minha noite e estonteou-me a memória,

já não me lembrava como as velas acendiam,

como se contorciam os seus pavios,

mal o fogo intenso se lhes chegasse e as iluminasse,

mesmo que isso significasse queimar-lhes o pequeno pavio.


publicado por canetadapoesia às 00:09
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 29 de Janeiro de 2014

Querer

 

Quero tanto quanto queres tu também,

e se o meu querer é mais vistoso,

é porque no teu se esconde o decoro,

de um querer que vem com reticências.

O tempo que em ti ecoa,

esconde a essência do humano querer,

e o teu é como o meu,

urgente, sem demoras, sem restrições,

um querer de querer feito,

e eu quero-te e tu queres-me.


publicado por canetadapoesia às 00:10
link do post | comentar | favorito

Mais sobre mim


Ver perfil

Seguir perfil

. 15 seguidores

Pesquisar

 

Novembro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
13
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Posts recentes

Prazeres da carne (2011)

Hoje (2011)

Ausência (2011)

O infinito olhar (2011)

Guardador de sonhos (2011...

Aparências (2011)

A esquina mais próxima (2...

Havia árvores (2011)

A concha (2011)

Voracidade (2011)

Arquivos

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Links

SAPO Blogs

subscrever feeds