Sexta-feira, 28 de Fevereiro de 2014

Deixei-me ir

 

Queria escrever poesia e nada saia,

debrucei-me sobre o papel à minha frente,

tentei soltar palavras que se escondiam,

bem no fundo de minha alma,

mas não saiam, não queriam soltar-se.

Sobre a folha imaculada depus a caneta,

recostei-me na cadeira e olhei-os afastado,

só vi a brancura do papel, a negridão da caneta.

Desisti, não ia escrever nada, porque nada saia,

e quando me dedicava a tudo guardar,

num repente, inesperadamente,

surgindo na ponta de meus lábios,

eis que uma palavra, uma palavrinha só,

despoletou o enguiço e deslizou,

de dentro de mim para cima do papel.

Fluíram as palavras, nasceu o poema e escrevi,

até me doerem os dedos, sem parar, sem quase pensar,

deixei-me ir ao sabor de tantas letras, de palavras,

que quando se juntavam me encantavam.

Deixei-me ir ao encontro do poema.


publicado por canetadapoesia às 21:08
link do post | comentar | favorito

Algazarra

 

Quando os copos se levantam,

e as cabeças se inclinam,

para nos lábios os receberem,

sobressaem os olhos,

brilhantes, sorridentes e,

satisfeitos pela companhia.

A algazarra dispara,

em alegres e divertidas conversas,

em recordações inesquecíveis,

em pura alegria,

que do reencontro se faz vida.

Vidas que a vida acumula,

e o tempo adoça com ternura.


publicado por canetadapoesia às 15:55
link do post | comentar | favorito

Olhares dispersos

 

Com olhos marcados pelo tempo,

curvados já pelo peso da vida,

e ainda assim rejuvenescidos,

pela amizade e camaradagem,

de tantos anos em comum.

Nem tudo foi fácil,

e rosas havia, com espinhos também,

mas no espaço que medeia,

o início e o meio da existência,

não há lugar a remorsos,

não há espaço para rancores,

e os olhares que se trocam,

são manifestações de carinho.

Olhares que a saudade vincula,

a corações despertos pelo encontro, que,

mensalmente os volta a juntar e,

renova a esperança do encontro que se segue.

Olhares marcados, sorrisos rasgados.


publicado por canetadapoesia às 15:46
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 27 de Fevereiro de 2014

Passei por aqui

 

Não esperava encontrar-te,

passei por aqui ao acaso,

dou de caras contigo e gostei,

sabes como gosto de te ver,

mesmo sendo raras as vezes,

nunca deixas de me fazer sorrir o olhar.

Acho que isto é o destino,

dizem que é ele que escolhe os momentos,

e que bem que ele os sabe escolher,

pois este, por inesperado que é,

mais satisfação me dá, porque gosto de te ver,

e eu que, sem saber e querer,

passei por aqui para te ver.


publicado por canetadapoesia às 23:42
link do post | comentar | favorito

Já nem me apetece

 

Tenho fome, quero comer,

qualquer coisinha,

desde que tape este buraco,

mas quando olho a comida,

mesmo lembrando-me dos que nem a olham,

já nem me apetece, perco o apetite,

e no entanto tenho fome,

mas nem consigo comer,

inerte, é o meu estado,

ando por aqui,

e nem sei por onde.

Qual zumbi, sem orientação,

vou pairando sob estes escombros,

que já dificilmente se sustêm.


publicado por canetadapoesia às 10:26
link do post | comentar | favorito

O que vos diga?

 

Bem olho à volta,

bem gostava de vos dizer,

bem queria orientar-vos,

mas não consigo.

É que noto que não há diferenças,

são todos iguais,

todos vendem um peixe que já fede,

e mesmo assim insistem,

tentam enganar-nos,

levar-nos à certa.

Comigo não contem,

não lhes darei esse prazer,

muito menos lhes darei o voto,

antes rasgá-lo, estropiá-lo, anulá-lo,

mas o voto? O que conta?

Esse não, não o darei,

porque não o merecem.

O que vos diga? Nem sei.


publicado por canetadapoesia às 00:20
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 26 de Fevereiro de 2014

O meu mundo

 

É tão restrito o meu mundo,

tão pequeno quanto eu sou,

e tão largo de dimensões, tão vasto de horizontes,

que por vezes me sinto a pensar,

que afinal me restrinjo a mim próprio,

na capacidade de verificar essa mesma restrição.

É tão restrito o meu mundo,

e afinal tão vasto que não consigo,

por mim só, alcançá-lo todo.


publicado por canetadapoesia às 22:20
link do post | comentar | favorito

Olha o sol!

 

Apareceu atrás da noite fria,

despontou num horizonte já quase esquecido,

abriu o dia luminoso,

aqueceu a terra que pisamos,

secou as poças da tempestade,

o sol ergueu-se lá no alto,

bem visível para que todos, em uníssono,

sentissem a sua presença,

e brilhou com uma luz natural e tão intensa que,

com a rapidez de uma velocidade incrível,

nos fez esquecer os dias de trevas,

de chuva e temporal.

Brilhou e encantou,

criando esperança em dias melhores.


publicado por canetadapoesia às 15:15
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 25 de Fevereiro de 2014

O poeta é louco

 

É louco o poeta, mas faz poesia,

das coisas mais dispares,

dos motivos mais estranhos,

da alegria ou da tristeza,

de momentos vividos,

ou mesmo dos que se imaginam.

Mas poesia? Poesia é isso tudo,

vem com a loucura do poeta,

e não é boa nem má, é poesia.

Mas que o poeta é louco, não tenho dúvidas,

senão como imaginaria tanta poesia,

no meio de tanta desgraça, de tristezas infindas?

É louco é, mas sofre de uma loucura sã.


publicado por canetadapoesia às 23:59
link do post | comentar | favorito

Amar o mar

 

Vogo agora sobre as águas calmas,

de um oceano ameno que,

há bem pouco se alterava,

formando vagas de tamanho assustador.

Tão depressa via o mundo do cimo das suas cristas,

como de imediato me sentia naufragado,

pela imensidão tormentosa da cava.

E no entanto, apesar dos perigos,

o amor por ele é incondicional, atrai-nos,

como uma mulher por quem nos apaixonamos,

encanta-nos e até nos trai,

mas quem resiste a um grande amor?

Eu não, mesmo quando,

quase debaixo de água,

me sinto inebriado pelo amor que lhe tenho,

apesar da minha pequenez,

face às suas demonstrações de cólera.


publicado por canetadapoesia às 12:55
link do post | comentar | favorito

Mais sobre mim


Ver perfil

Seguir perfil

. 14 seguidores

Pesquisar

 

Outubro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
12


20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Posts recentes

A bola (2011)

Gosto (2011)

Da matéria ao espírito (2...

Navegando (2011)

Pedalando (2011)

Diferenças ou talvez não ...

Na rua me encontro (2011)

Blue eyes (2011)

A sombra (2011)

Virar do avesso (2011)

Arquivos

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Links

SAPO Blogs

subscrever feeds