Sábado, 31 de Maio de 2014

Aos magotes

 

Chegavam em grupos, aos magotes,

asas abertas à liberdade que a idade lhes permitia,

e a saudade ausente lhes assegurava,

como tributo à amizade celebrada.

Falavam entre si, entre todos,

conhecidos, amigos ou simplesmente presentes,

gratos pelo ajuntar dos anos passados,

num momento único, o encontro anual.

Um encontro da saudade com a amizade,

do carinho da distância, com o mais puro prazer,

de uma presença que se sente,

palpável e calorosa na aproximação.

Os decibéis a aumentar, e os corpos a pedir,

balanço e embalo envolvente e um abraço quente,

dos trópicos feitos Europa, e nele se deixam ir,

em sorrisos mil vezes calorosos.


publicado por canetadapoesia às 23:57
link do post | comentar | favorito

Pairam

 

Sob este céu azul e límpido,

pairam nuvens que se adensam,

anunciaram-se de um branco,

cujos imaculados princípios,

se foram esbatendo,

em bátegas da imensidão oceânica.

Escurecendo no dia a dia,

da impostura manchada da perfídia ignóbil,

das traições diáfanas em salões de mármore dançante.

“Anegram-se” na constância do “inrespeito” da vida humana,

que da dignidade vai perdendo a noção que já nem a atormenta.

Já se ouvem os estalinhos,

que de tão longe serem,

parecem um bater de palmas,

mas nem o rufar dos tambores,

desperta a amnésia dos tempos,

em que da lembrança fica a negritude,

dos dias e das noites sem outra cor que o avermelhado,

dos clarões ruidosos da intolerância.


publicado por canetadapoesia às 01:00
link do post | comentar | favorito

Ontem gostei

 

Sim, foi diferente,

ontem gostei mesmo,

pegar em ti, ainda uma pluma,

e sentir em mim o teu sorriso,

nas macaquices até te perdias,

em risos abertos e sucessivos.

És mesmo uma simpatia.

O que tu gostas de uma boa brincadeira,

atirar-te ao ar, apanhar-te na descida,

sentires a vertigem do vazio,

enviares-me o teu sorriso,

meio receoso, mas contente,

com esta nova sensação.

Por tudo isso te digo,

minha linda Princesinha,

que te adoro e te voto um amor,

que é imensurável.


publicado por canetadapoesia às 00:29
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 30 de Maio de 2014

Horizonte

 

Apesar do cinzento do dia,

lá fora,

o que eu via pela janela,

era o voo desgarrado,

de uma gaivota solitária.

Por trás,

num horizonte indistinto,

brilhava um sol aqui desconhecido.


publicado por canetadapoesia às 22:21
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 29 de Maio de 2014

Foi de súbito

 

Passou de raspão e bem próximo,

do corpo que tão pujantes narinas suporta.

Abriram-se quase de par em par,

aspiraram, olfactaram, sentiram,

como se lhes tivessem entrado,

por aqueles orifícios sensuais.

Foi uma coisa rápida,

passou só de raspão,

foi de súbito e de surpresa,

mas sentiu tudo,

o perfume, o calor do corpo,

toda aquela sensualidade,

não suportou, inebriou-se.


publicado por canetadapoesia às 23:37
link do post | comentar | favorito

Ler devagar

 

Ao fundo, um pequeno bar,

servem-se bebidas de várias espécies,

até lá se chegar, caminhamos entre estantes,

ladeados por palavras mil,

livros e mais livros,

corredores deles, lado a lado ou empilhados,

em colunas que se amparam umas às outras,

em precários equilíbrios.

Para o alto, não se via o céu,

mas na imensurável altura das paredes,

viam-se mais livros, só livros,

do térreo chão, ao alto do tecto que nos tapava o azul.

Letras e palavras amontoadas,

embaladas e encapadas, a baço ou brilhante,

mas ricamente compostas, num mundo de livros,

onde até se podia ler devagar.


publicado por canetadapoesia às 23:13
link do post | comentar | favorito

Prateleiras imagináveis

 

Amontoam-se ou simplesmente se juntam,

nas prateleiras da vida se vão arrumando,

e por ali se vão arrastando,

sem que o seu horizonte possa albergar,

uma qualquer visão paradisíaca.

Prateleiras imaginárias,

que guardam vidas,

almas viajantes das estradas do universo,

que as aglomeram em meros momentos,

de vidas sem tempo, sem futuro,

vidas emprateleiradas em vida.


publicado por canetadapoesia às 12:51
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 28 de Maio de 2014

Mudei o dia, mantive a paixão

 

Continuo em estado de ansiedade,

sempre que se aproxima o dia,

quando a hora se começa a transformar,

e em minutos se começa a contar o tempo,

disparam as batidas, o coração acelera.

Vou imaginando o encontro,

desenho no ar o abraço, o salto,

e em pleno vazio sinto que,

pequenas e delicadas mãos,

me puxam a camisa por trás.

É ela, assim que me vê,

mesmo sem por ela dar, atira-se,

pendura-se e em emoções já incontidas,

só me sai, só digo,

minha Princesa.


publicado por canetadapoesia às 00:13
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 27 de Maio de 2014

E por aí?

 

Por aqui, vai-se andando,

que é como quem diz,

não se aquece nem se arrefece.

É um mais ou menos,

quase irrevogável,

mas nunca concretizado.

Isto vai andando, como de costume,

na estonteante velocidade do caracol,

tão motivados e animados,

como a vertiginosa queda do PIB,

ou, talvez mesmo,

a supersónica subida da dívida.

E por aí? Como vão as coisas?


publicado por canetadapoesia às 22:45
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 26 de Maio de 2014

Arrumadinhos

 

A um canto do vão de escada,

na entrada de uma garagem,

lá estavam, arrumadinhos e em monte,

de diversas formas, tamanhos e cores,

os cartões que servem uma vida,

despojada de tudo o mais,

que a outras vidas serviu.

Já tiveram outra serventia,

foram utilizados para outros fins,

com objectivos, talvez, materiais e agora,

na fase final do seu ciclo de vida,

servem outras e humanas vidas.

Os cartões!

Que se espalham pela cidade,

nas esquinas e vãos de prédios,

habitados por quem não os utiliza,

e deles se desfaz em favor de vidas dispersas.

Cartões que se avolumam nas esquinas da vida,

e enchem as ruas desta cidade.


publicado por canetadapoesia às 23:42
link do post | comentar | favorito

Mais sobre mim


Ver perfil

Seguir perfil

. 14 seguidores

Pesquisar

 

Setembro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
13

18
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Posts recentes

Nada sei de poesia (2011)

Espuma (2011)

Estradas (2019-08-01)

Paisagem Irlandesa (2019-...

Sim, eu sei… (2019-09-16)

Quando olho para trás (20...

A casa (2019-07-20)

Por estes amores (2019-07...

Se não te respondo… (2019...

Coisa boa, esta Lisboa (2...

Arquivos

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Links

SAPO Blogs

subscrever feeds