Segunda-feira, 30 de Junho de 2014

Língua

 

As capacidades que ela tem são inúmeras,

nem eu as consigo enumerar,

pois esta língua consegue superar-se e,

melhor ainda, supera-me a mim próprio.

É vê-la, a distender-se, a enrolar-se,

em sucessivas acrobacias,

saindo boca fora ou encolhendo-se,

aquietando-se ou buscando recônditos inesperados.

Estica-se e prolonga-se para alcances quase inatingíveis,

enrosca-se e enrola-se ao redor de qualquer doçura,

em profundidade até me surpreende,

penetra fundo, alonga-se e lambuza-se,

não há cremosidade que lhe escape,

e como ela gosta!

Adora envolver-se, penetrar e lamber,

mantendo as pupilas gustativas,

em permanente e deliciosa actividade.

Haverá quem não goste?

Há vários tipos, é certo,

mas quando são cremosas e estão quentinhas,

vê-se o creme a derreter e,

não há língua que resista e vai-se a ele,

em profundas lambidelas, besunta-se, degusta,

sente o agridoce que se lhe derrete na boca,

ainda lambe os beiços com tal delícia,

nada como uma bola de Berlim, cremosa e quentinha.


publicado por canetadapoesia às 23:54
link do post | comentar | favorito

Pé na areia

 

Dia de praia,

pé na areia,

a caminho da água,

ali tão perto,

tão quente e apelativa,

sem restrições,

mergulhar-lhe nas entranhas,

fundo, sentindo o âmago,

de tão profunda introdução,

em tão cálido local.


publicado por canetadapoesia às 21:11
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 27 de Junho de 2014

Exuberante

 

Podia admirar-se o conjunto,

era agradável à vista,

dir-se-ia mesmo que

era exuberante,

na postura, na forma das formas,

na estrutura que as suportava,

em cada balanço,

um passo à frente ou um passo atrás,

sentia-se que tudo poderia desabar.

Na verdade, era só uma primeira impressão,

porque quando os olhos se depositavam,

naquele ser exuberante,

e lhe percorriam a estrutura,

em busca de falha,

que propiciasse a queda,

logo se esbugalhavam de admiração,

porque ali, nada caía, nada tombava,

tudo estava no seu lugar,

fixamente agarrado à estrutura exuberante.


publicado por canetadapoesia às 00:12
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 26 de Junho de 2014

Em forma de coração

 

Em forma de coração

fazes boquinha,

rola-te uma lágrima na face,

com a facilidade da gota de água,

choras e estranhas,

o ser barbudo que,

enternecido te afaga,

e sorris,

com as carícias com que te brindo.

Uma Princesa,

pequenina ainda,

mas tão amorosa.


publicado por canetadapoesia às 23:48
link do post | comentar | favorito

Aquece

 

Que te aquece o corpo não duvido,

está forte, intenso e muito quente,

mas o que não sabes nem imaginas,

é que enquanto o teu corpo aquece,

a minha alma resplandece.


publicado por canetadapoesia às 23:17
link do post | comentar | favorito

Fixas-te em mim

 

Olhas-me intensamente,

de cada vez que em ti pego,

e desses olhos negros,

sai a chama de um olhar,

que me deslumbra.

Esbracejas no ar,

e tudo queres agarrar num repente,

os óculos ou mesmo a barba,

fechas a mãozinha,

como uma tenaz de força e destreza,

puxas e arrancas,

como a mão de um tractorista,

e no entanto,

tão pequenina que és,

e fitas-me,

com esse negro e intenso olhar.


publicado por canetadapoesia às 21:48
link do post | comentar | favorito

Preocupação

 

O que me preocupa,

sobretudo,

é ver a madrugada acordar,

sem que eu,

tenha aquietado a noite.


publicado por canetadapoesia às 01:01
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 25 de Junho de 2014

Hoje não

 

Que não posso,

não estou concentrado,

e nesta minha desvinculação,

com a realidade que me queres dar,

estou longe, muito longe,

por isso,

hoje não, que não estou em condições,

de responder cabalmente,

às exigências que de mim esperas,

e eu, que não quero hoje,

porque não quero desapontar-te,

fico-me pelo olhar,

e vejo-te como se o quisesse hoje,

mas não pode ser,

porque hoje,

não quero desapontar-te.


publicado por canetadapoesia às 00:43
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 24 de Junho de 2014

Saudade

 

Estou longe, mas tão perto,

longe da vista, perto do coração,

essa palavra tão nossa,

que abunda na alma e na imaginação,

presente em todos os momentos,

pesa mais que nunca.

Saudade!

Saudades das origens, das gentes,

de uma terra a que chamamos nossa,

e que gostaríamos de ter, agora,

aqui mesmo ao lado do coração.


publicado por canetadapoesia às 19:42
link do post | comentar | favorito

Pôr do sol em Zadar

 

Em Zadar, no ponto mais proeminente,

sentado, esperava o momento para descobrir e,

nele depositar um olhar de surpresa e admiração,

pela multiplicidade das cores,

com que o adormecer do astro rei,

me brindaria o prazer de o olhar.

O mais belo pôr de sol do mundo, diziam,

testemunhei a beleza do seu deitar,

suave mas constante, indizível,

uma panóplia de cores,

vermelhas, laranjas e até brancas sobre azul,

uma maravilha da natureza com que a alma se encanta e,

entre as centenas de pessoas presentes,

um “bruá” final, coroou o apagar dos raios luminosos que, lá longe,

bem ao fundo do mar e onde a vista mal alcança,

acabavam de se tapar com o manto de arminho,

que a noite do Adriático sobre eles lançou.

O poder, a magia e beleza da natureza,

ali, à vista dos olhos ávidos do mundo.


publicado por canetadapoesia às 00:16
link do post | comentar | favorito

Mais sobre mim


Ver perfil

Seguir perfil

. 14 seguidores

Pesquisar

 

Maio 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Posts recentes

A palavra (2010)

Chorou o céu (2015-01-16)

O silêncio da noite (2010...

Pois é… (2013)

Tu minha mãe

Quatro paredes e uma nesg...

Em cheio (2015-01-24)

Silêncio de ouro (2010)

No silêncio da noite (201...

Esplanada (2012)

Arquivos

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Links

SAPO Blogs

subscrever feeds