Terça-feira, 30 de Setembro de 2014

Retracção (2014-09-30)

 

Fechava-se frequentemente,

duvidando das suas capacidades,

não sabia, não tinha a certeza.

Retraia-se sempre que a incerteza se instalava,

mais ainda quando a certeza lhe desaparecia do cérebro.

No seu lugar o vácuo,

um buraco que de tão fundo,

de negro se pintava.


publicado por canetadapoesia às 23:18
link do post | comentar | favorito

Dormir mal (2014-09-30)

 

Volta para aqui,

volta para ali,

e o sono sem aparecer.

Preocupações com a vida,

tiram o sono a qualquer um.

A exaustão acaba por vencer,

e as pálpebras fecham-se,

inexoravelmente,

sobre as preocupações da vida.

O que for soará,

fica como último pensamento,

e amanhã, quem sabe,

outro dia brilhará.


publicado por canetadapoesia às 23:14
link do post | comentar | favorito

Agrupamento (2014-09-30)

 

Juntaram-se em grupos,

estudaram o tema,

discutiram entre si,

apresentaram-no à turma.

Envergonhados uns,

discretos outros,

mais eufóricos os restantes,

lá foram falando.

Debitaram ideias,

explanaram conclusões,

no fim,

um dia de aula integral,

com alguma aprendizagem,

para além da teoria.


publicado por canetadapoesia às 21:26
link do post | comentar | favorito

Um abraço apertado (2014-09-29)

 

Lá estava, não me esqueci,

hoje foi dia de te ir buscar,

hoje foi dia de me ajoelhar,

sabes?

Não me ajoelho para toda a gente,

raramente o faço,

mas hoje,

hoje até me arrastaria se fosse preciso e se daí,

conseguisse o que sempre espero,

um abraço, apertadinho,

bem junto ao coração como só tu me sabes dar.

Hoje foi o dia do abraço,

pelo menos para mim.


publicado por canetadapoesia às 00:00
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 29 de Setembro de 2014

Estou para aqui (2012)

 

Olhando o céu que,

num repente, se acinzentou,

cansado de tanto azul,

deixou cair umas lágrimas,

que molharam a terra,

e delas brotou vida.

Mesmo sendo salgadas,

ainda que em pequenas quantidades,

nunca deixam de criar.

Criam ambientes, desalentos,

criam atmosferas, humores e tristezas.

Mas quando secam,

deixam no chão a força da sua criação e,

do castanho da terra, emanam os verdes da eternidade.

E agora, sim,

depois de se fecharem,

de chorarem sobre o mundo,

criam de novo.

Alegria, esperança, quem sabe um  mundo novo.


publicado por canetadapoesia às 23:35
link do post | comentar | favorito
Domingo, 28 de Setembro de 2014

Perdão (2012)

 

Um não bastou,

zangaste-te.

Se o olhar ferisse,

tinha sido de imediato trespassado.

Baixei os olhos, a cabeça acompanhou-os.

Mascarei a face,

com um olhar triste e desolado.

Retornaste a mim o teu olhar,

fitaste-me e mudaste o teu semblante.

Aproximaste-te, acariciaste a minha mão.

De sorrisos vestido aproximámos as cabeças e,

na minha face,

sobre a barba que te picava os lábios,

depositaste um beijo.

Estava perdoado.


publicado por canetadapoesia às 22:56
link do post | comentar | favorito

Universo (2010)

 

Do universo só conheço os planetas e as estrelas.

Procurando dentre todas a que mais brilha,

amiúde me revejo, em noites muito escuras ou enluaradas,

calcorreando os caminhos da procura.

Sempre em vão esta busca.

Já que a mais brilhante,

a que me ofusca com o seu clarão,

de todas as estrelas a mais apetecida,

se encontra aqui bem perto do coração.

Um dia hei-de mostrar-lhe as estrelas do universo.


publicado por canetadapoesia às 22:48
link do post | comentar | favorito

Quisera eu (2010)

 

Quisera eu Senhor,

levar aos céus,

todo o ardor que,

aqui na terra,

me queima as vontades


publicado por canetadapoesia às 21:06
link do post | comentar | favorito

Personalidade (2014-09-27)

 

Como o habitual,

mal sentiu o cheiro a hospital,

estacou, remeteu-se ao recuo,

nada o faria entrar, excepto,

um dono tão teimoso como ele.

Puxar a trela, falar com ele,

nada, não entrava e pronto.

Desesperado com tanta recusa,

sem outro meio de convencimento,

restou a solução de recurso,

vai daí, que se faz tarde,

pega-se no “elefante” ao colo,

arrastando-me até ao interior,

sob o peso que carrego.

Finalmente instalado,

dá-se início à consulta canina.


publicado por canetadapoesia às 17:47
link do post | comentar | favorito

O poeta fingidor (2014-09-27)

 

Se, utilizando a licença poética,

o poeta se expande nas palavras,

sai para o exterior do contexto da folha de papel,

utiliza até,

linguagens que fogem à norma ortográfica,

então o poeta,

como disse “o poeta dos poetas”, Fernando Pessoa,

“ o poeta é um fingidor”.

Finge, funda palavras, recria ambientes, cria a esperança,

e temos o poeta que, no avolumar do seu fingimento,

arrasta consigo a esperança,

de que o mundo se arraste com ela.


publicado por canetadapoesia às 00:00
link do post | comentar | favorito

Mais sobre mim


Ver perfil

Seguir perfil

. 14 seguidores

Pesquisar

 

Maio 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Posts recentes

A palavra (2010)

Chorou o céu (2015-01-16)

O silêncio da noite (2010...

Pois é… (2013)

Tu minha mãe

Quatro paredes e uma nesg...

Em cheio (2015-01-24)

Silêncio de ouro (2010)

No silêncio da noite (201...

Esplanada (2012)

Arquivos

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Links

SAPO Blogs

subscrever feeds