Quarta-feira, 31 de Dezembro de 2014

No último dia do ano (2014-12-31)

 

Deixei que as horas passassem,

devagar,

era assim que queria ver o dia expirar,

o último dia do ano.

Vi o sol que o aquecia e,

no seu deambular sobre esta terra,

ia descendo dos céus, até se fazer noite,

vou senti-lo como o último dia do ano.

Porque este foi um mau ano para todos nós,

porque exigiu mais do que o humano ser,

na sua pequenez deste universo,

pode suportar sem que, em desespero,

lhe caiam as lágrimas dos olhos.

Espero pois que o ano que aí vem,

seja mais fértil, em carinho e amor,

em solidariedade e sentido humano,

espero que seja um bom ano para todos.


publicado por canetadapoesia às 15:24
link do post | comentar | favorito

A pele (2011)

 

Não me venhas de novo despida,

aparece que te espero sempre,

mas trás vestida,

por cima dessa carne vermelha,

a pele que te consagra como humana.

Sedosa, macia, escorregadia por vezes,

mas sempre o melhor vestuário,

preparada pelo mais alto costureiro,

sem igual, sem rival,

a pele que te cobre,

que deixa à mostra o suficiente,

o que queres deixar, nada mais,

para diluíres em ti a férrea vontade dos homens.


publicado por canetadapoesia às 13:17
link do post | comentar | favorito

És bonita (2011)

 

É verdade que és bonita.

E não penses que o digo por dizer,

a verdade é que és mulher, e assim sendo és bonita,

porque toda a mulher é bonita,

seja em que idade for, seja qual for a sua beleza.

És bonita, porque és mulher.

Por o seres, tens em ti todo o erotismo do mundo,

porque o teu corpo não se compara a mais nada,

atrai, excita e ama como nenhum outro.

És bonita, és mulher,

e sempre me atrairás, porque és bonita e excitante.


publicado por canetadapoesia às 00:19
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 30 de Dezembro de 2014

Sem velas (2011)

 

De mastro erguido,

sem velas nem outras propulsões,

que não as que de meu corpo emergiam,

naveguei e manobrei um barco imaginário,

sulquei mares e ondas,

calmas e mansas,

apreciando o embalo de oceanos em repouso,

alterosas e em fúria,

quando de ti se projectava a tempestade.

Naufraguei, exausto, em teus braços,

refiz-me sobre teus seios,

e voltei a navegar teu oceano.


publicado por canetadapoesia às 23:06
link do post | comentar | favorito

Silencioso (2011)

 

E se te custa muito,

não digas nada,

não faças nada,

deixa-me só,

silencioso como sempre.

Olhando o céu azul,

assistindo ao pôr do sol.

Só e silencioso,

como sempre.


publicado por canetadapoesia às 22:58
link do post | comentar | favorito

Desencontro (2011)

 

Se vais por aí,

tomas o caminho contrário,

pois eu vou por aqui.

Deste modo,

jamais nos encontraremos.


publicado por canetadapoesia às 21:09
link do post | comentar | favorito

Sob o seu manto (2011)

 

Sentei-me simplesmente!

Sem nada fazer, sem nada alterar.

Simplesmente sentado.

Nesse sentar sem pretensões,

levantei a cabeça ao céu,

o que vi foi atordoante.

Naquela noite escura,

por ausência de iluminações,

porque de campo se tratava,

o céu apresentava-se esplendoroso.

milhões de pontos brilhantes,

cintilantes uns, fixos outros,

mas milhões de iluminações no escuro do céu,

que brindavam a nossa presença sob o seu manto.


publicado por canetadapoesia às 18:51
link do post | comentar | favorito

Frémito (2011)

 

Senti teus membros atravessados por um frémito,

de sensações estranhas, ou talvez não,

encolheste-te e enroscaste-te quase como um novelo.

Olhei-te nos olhos,

estavam húmidos e, de cada um, caía uma lágrima,

e nem choravas.

Sentias o frémito do prazer que se instalou em teu corpo,

corria-lo com as tuas próprias mãos,

do pescoço aos seios,

e pressionaste-os com ambas as mãos,

quase os tapando de minha vista despudorada.

Desceste ao ventre,

e entre a volúpia do prazer,

sentiste-te, sentiste-me, sentimo-nos.

Um beijo, demorado nos uniu,

dois corpos em frémitos se soltaram.


publicado por canetadapoesia às 00:17
link do post | comentar | favorito

Se ao menos fossem... (2011)

 

Se esta gente gostasse,

se tivessem alguma afinidade,

se olhassem o mundo com os humanos olhos,

que lhes nasceram na cara para ver,

tudo seria diferente.

 

De certo,

muito menores seriam as amarguras,

de quem das mãos faz meio de vida,

de quem vive do seu árduo trabalho,

das canseiras de uma vida.

 

Há!

Que mundo maravilhoso teríamos,

se ao menos fossem poetas.


publicado por canetadapoesia às 00:13
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 29 de Dezembro de 2014

Do meu olhar (2011)

 

Do meu olhar saem tempestades,

trovões, faíscas,

ventanias sem fim,

marés alteradas,

ondas assustadoras.

Mas neste olhar também crescem,

águas mansas,

suaves brisas,

um brilho intenso de carinho e amor.

Estes são os olhos que se cerram de ira,

e os mesmos que se abrem de espanto,

carinho, amor e tolerância para com o nosso mundo.


publicado por canetadapoesia às 22:08
link do post | comentar | favorito

Mais sobre mim


Ver perfil

Seguir perfil

. 14 seguidores

Pesquisar

 

Outubro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
12


20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Posts recentes

A bola (2011)

Gosto (2011)

Da matéria ao espírito (2...

Navegando (2011)

Pedalando (2011)

Diferenças ou talvez não ...

Na rua me encontro (2011)

Blue eyes (2011)

A sombra (2011)

Virar do avesso (2011)

Arquivos

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Links

SAPO Blogs

subscrever feeds