Quinta-feira, 30 de Abril de 2015

Entre o fogo (2014)



De entre as chamas que o fogo,

espalha pelo ar frio da noite,

vislumbram-se fervilhantes,

as vidas perdidas pelas ruas da cidade,

e em cada beco, em cada esquina,

uma alma tardia no despontar da dignidade,

desfaz-se em estilhaços de sonho,

que a Nação desperdiça.

Estão perdidos na nuvem,

que um desgaste desumano levantou,

e o vento que continua a soprar em sentido contrário,

não permite que se sintam parte da sociedade,

que apesar de tudo não os protege.

Por entre as chamas deste fogo se aquecem,

procurando o calor que lhes é negado,

mas esta é a sua cidade, este é o seu País.


publicado por canetadapoesia às 18:48
link do post | comentar | favorito

Prateleiras imagináveis (2014)



Amontoam-se ou simplesmente se juntam,

nas prateleiras da vida se vão arrumando,

e por ali se vão arrastando,

sem que o seu horizonte possa albergar,

uma qualquer visão paradisíaca.

Prateleiras imaginárias,

que guardam vidas,

almas viajantes das estradas do universo,

que as aglomeram em meros momentos,

de vidas sem tempo, sem futuro,

vidas emprateleiradas em vida.


publicado por canetadapoesia às 00:10
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 29 de Abril de 2015

Jogo de luzes (2014)



Reflecte-se na luz sobre a sombra,

que de negro pinta a rua,

e por ela se filtram os momentos.

Nas sombras projectadas,

desfasem-se os sonhos,

em luz e contra luz,

em sombra sobre a luz,

em luz apagando a sombra,

a sombra desvanecendo.

Um jogo de luz e sombra,

uma vida de sonhos,

com fugazes lampejos de luz.


publicado por canetadapoesia às 23:19
link do post | comentar | favorito

Ao longe (2012)



Se te vejo ao longe e não te fujo,

se me aproximo e te sorrio,

se me sorris também,

é certo e seguro que,

um abraço se seguirá,

apertadinho, delicioso e sentido,

quem sabe onde nos levará?


publicado por canetadapoesia às 00:11
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 28 de Abril de 2015

Amanheceu (2013)



Mal o dia se anunciava

já o chilrear se fazia ouvir,

um imenso coro primaveril

de sons diversos.

Do seu conjunto ruidoso,

a certeza de um dia cheio de sol.

E assim,

acordado com a música da natureza,

manhã cedo me dispus a enfrentar o mundo.


publicado por canetadapoesia às 15:27
link do post | comentar | favorito

O homem dos balões (2014)



Estava ali parado, soprando,

de cada bochecha cheia e esvaziada,

saía um balão inflado.

Eram tantos e de tantas cores,

que as crianças faziam fila,

não para os comprar,

mas para apreciarem tão vasto colorido.

Chegavam, aproximavam-se e apreciavam,

com os olhinhos brilhantes,

do desejo pelo brinquedo colorido e,

seguiam com o sonho no olhar.

Uma ficou, não arredou pé,

viu, gostou e ali se embeveceu,

das cores que o arco íris deixou em bolas de ar,

sempre que o vento lhes batia e se movimentavam,

nas mãos da experiência feita vida,

do homem que vendia sonhos às crianças,

seguia-os com o olhar tristes de quem gostava de ter um.

Apercebendo-se daquela presença,

atenta mas nada sorridente daquele rosto de tristeza,

de quem gostava, queria, mas não podia,

de quem comovia o coração mais empedernido,

separou um balão do laço que os unia,

o mais vistoso, o mais colorido, o mais inflado,

entregou-lho na mão e, de imediato,

incendiou o mundo com o sorriso mais maravilhoso,

o sorriso da criança onde criou a esperança e o sonho,

e de caminho, melhorou todo o universo que os rodeava.

Ali no sorriso de uma criança, estava a esperança do mundo.


publicado por canetadapoesia às 00:13
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 27 de Abril de 2015

Olhos vendados (2010)



Venda nos olhos,

sensações à flor dos dedos.

Desmanchar.

Vinte segundos para montar.

Preparação psicológica,

preparação para a acção.

Olhos vendados.

Olhos sempre vendados.


publicado por canetadapoesia às 18:45
link do post | comentar | favorito

Dias disto e daquilo (2011)



Ele há dias para tudo,

agora também o do beijo,

será que tem de haver um dia

para isto e para aquilo?

Só termos trezentos e sessenta e cinco por ano,

já não chegam.

Que bom seria utilizarmos todos os dias do ano,

para as comemorações marcadas

só uma vez por ano.

Seríamos mais felizes,

mais humanos,

e muito mais solidários.


publicado por canetadapoesia às 15:35
link do post | comentar | favorito

Todos os dias (2013)



Todos os dias são dias,

uns melhores que outros,

uns mais agradáveis até.

Mas todos os dias são dias,

porque em cada novo dia,

uma nova alvorada de esperança,

uma nova perspectiva da vida,

um novo olhar sobre o mundo.


publicado por canetadapoesia às 01:35
link do post | comentar | favorito

Vestida de carne (2015-04-23)

 

 

Venho vestida da carne que te fará renascer.

Das vestes mundanas só trago o indispensável,

aquilo que sobre teu colo cobrirá nosso delírio.

Nos inúmeros prazeres que nossos corpos anseiam,

provarás da carne minha que te deseja,

e resplandece em estertores imensos,

logo que te sente entre ela, mordiscando-a.

E sou, e és, e somos, carne com carne,

prazer dos prazeres, almas soltas neste jardim

que nos envolve e nos protege,

mas que desperta destes sentidos

que nossos corpos não dispensam.


publicado por canetadapoesia às 01:28
link do post | comentar | favorito

Mais sobre mim


Ver perfil

Seguir perfil

. 14 seguidores

Pesquisar

 

Outubro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
12


20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Posts recentes

A bola (2011)

Gosto (2011)

Da matéria ao espírito (2...

Navegando (2011)

Pedalando (2011)

Diferenças ou talvez não ...

Na rua me encontro (2011)

Blue eyes (2011)

A sombra (2011)

Virar do avesso (2011)

Arquivos

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Links

SAPO Blogs

subscrever feeds