Domingo, 31 de Maio de 2015

Silêncio da alma (2010)



Nos salões o silêncio,

a calma que sobrevive,

às tempestades do exterior.

No ar um som curto,

abafado e rouco,

pelos sentidos escutado,

de jazz instrumental.

Na alma solta pela nostalgia,

do dia chuvoso e cinzento,

o momento do prazer,

da escuta do inescutável,

aquilo que só os apurados sentidos,

buscadores das coisas,

que os silêncios possibilitam,

a palavra solta-se em escrita,

e preenche o silêncio da alma atenta.


publicado por canetadapoesia às 00:33
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 29 de Maio de 2015

Picando do alto (2010)



De longe reparo no teu voo,

em círculos vais voando, voando,

e de cada volta do voo,

mais te aproximas do objectivo.



Subitamente, numa última volta,

ganhas altura e sem perder o alvo,

mergulhas a velocidade alta,

num bater de barbatana, a presa a salvo.


publicado por canetadapoesia às 13:07
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Quinta-feira, 28 de Maio de 2015

E que silêncio (2010)



Vejo-me embrenhado nesta multidão,

ululante, contestatária, berradora,

e no entanto não os ouço,

estou fechado para o ruído que me envolve,

em profunda solidão em meio à multidão.



Procuro povoar a minha a solidão,

cercando-me desta imensidão de gente,

e no silêncio que me imponho,

isolo-me no meio desta multidão.


publicado por canetadapoesia às 00:41
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 26 de Maio de 2015

Vizinhos (2015-05-26)



Este é outro dos dias,

daqueles que cantam em grandiosas

manifestações de um regozijo,

temporário, passageiro e, quiçá, volátil o suficiente,

para logo, no dia seguinte, se esquecerem.

Vizinhos somos todos,

mais ou menos vizinhos,

uns de mais perto, outros mais longínquos,

mas todos vizinhos de alguma forma.

Porque não vizinhos de País?

Se entre ambos só existe a imaginária linha,

traçada por batalhas ancestrais pela posse da terra,

ou mesmo, pelos legisladores actuais que,

num simples mapa, traçam o futuro de vizinhos,

por uma lógica de possessão e domínio,

traíndo tantas boas vizinhanças, que se reproduzem,

tantas vezes, em profundos laços familiares.

Vizinhos e familiares traçados pela vida,

pela coexistência da proximidade,

não pelo traço imaginário em qualquer mapa do mundo,

mas pelo traço sagrado do mapa da vida.


publicado por canetadapoesia às 23:14
link do post | comentar | favorito

Bater de asas (2015-02-17)



Como num bater de asas,

evaporei-me no ar,

deixei para trás tudo o que,

com o passar do tempo,

me vinha azedando a psique.

Num vislumbre e último olhar,

virei a cabeça já mais leve,

passeando-a pelo espaço,

alguns rostos admirados,

com a destreza da saída,

outros, aliviados de sorriso maldoso.

Em mim a saudade que já não o era,

pela liberdade adquirida e,

no sonho não sonhado de que,

ali, não havia amigos,

só passageiros do mesmo comboio,

que um dia seguiriam as minhas pisadas.


publicado por canetadapoesia às 17:11
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 25 de Maio de 2015

Procurei em vão (2015-05-25)



No mundo onde vivi, procurei um espaço,

onde o meu corpo encaixasse, onde me sentisse parte,

onde me envolvesse com alma e, pensando bem,

acho que nunca o consegui encontrar.



Este não é o meu mundo, tão perfeito como o imaginei,

dessa solidão tão minha, do silêncio que em meus lábios,

balbuciando diziam, vai, vai, segue o teu caminho,

mas não era este, demasiado ruidoso, demasiado maldoso,

o meu caminho não era este, era feito de silêncios,

estava cheio de observações, e o que via não me agradava.



Não era esse o meu caminho e por isso vagueei pelas ruas da vida,

tropecei e fui empurrado, espezinhado tantas vezes,

mas convicto continuo a pensar que esse não era o meu caminho,

e no silêncio de minha alma, caminho contra o vento.


publicado por canetadapoesia às 23:32
link do post | comentar | favorito
Domingo, 24 de Maio de 2015

Já nem sei (2013)



Já nem sei,

se é a isto que chamam democracia,

o governo do povo,

ou pelo menos eleito pelo povo,

pergunto-me então,

porque não governam a seu favor?

Por que o fazem sempre contra ele?

Que esperam que este povo faça?

Já nem sei,

mas sei e quase aposto,

a taça já está mais de meio cheia,

pode entornar a qualquer momento.


publicado por canetadapoesia às 23:41
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 21 de Maio de 2015

Soltam-se os poemas (2014-11-27)

 

 

Sente-se por trás da vidraça,

esse silêncio que da rua não é perturbado,

cria-se a atmosfera suficiente,

a que é necessária para das letras fazer escrita,

no aglomerar destes pensamentos silenciosos,

soltam-se os poemas,

espalham-se pelo ar que me rodeia,

enchem-me a alma,

da essência que me traz vida,

e o espasmo aleatório com que me envolvem,

na criação das ideias passadas ao papel,

espantam-me,

porque me deixo ir,

porque me deixo envolver,

porque a escrita me está intrínseca,

e a poesia é o ar que respiro.


publicado por canetadapoesia às 01:07
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 20 de Maio de 2015

Era gaivota (2015-03-03)



Voava e volteava pelos ares,

porque era gaivota e

do mar, próxima estava.

Subia e descia, voava solta,

e em elegantes passos de dança,

refazia-se em rodopios.

Parou por momentos no ar,

suspensa de uma ausência

de flutuação inexistente,

desafiou o olhar e perdeu-o

na faixa da visão aguçada,

encontrou o lugar,

num curto bater de asas,

voou livremente até ao cimo do candeeiro

de onde conseguia distinguir os contornos da costa,

e confabulando consigo mesma,

silenciosa no seu grasnar,

estou em casa, o mar está perto.


publicado por canetadapoesia às 16:02
link do post | comentar | favorito

Perguntar ao silêncio (2010)



Rodeado de silêncio,

olhava as estrelas e via o universo,

lá tão longe e mesmo assim se questionava,

sobre a origem da vida,

sobre o propósito de viver,

e amiúde, estas questões o preocupavam,

queria respostas, queria saber,

era então que se debruçava sobre si mesmo,

fazendo as perguntas que procuravam resposta,

para dentro de si, bem no seu interior,

perguntava então ao silêncio que o envolvia,

e das respostas que obtinha,

só havia um caminho a percorrer,

continuar a observar as estrelas,

perscrutar o universo,

continuar a procurar.


publicado por canetadapoesia às 00:38
link do post | comentar | favorito

Mais sobre mim


Ver perfil

Seguir perfil

. 14 seguidores

Pesquisar

 

Agosto 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9

17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Posts recentes

O que assusta (2010)

Poesia sem dono (2010)

Pequenas coisas (2010)

Sucesso (2010)

Menino (2010)

Imagem (2010)

Pingos (2010)

Prazo de estadia (2010)

Pardais de Lisboa (2010)

De frente (2010)

Arquivos

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Links

SAPO Blogs

subscrever feeds