Segunda-feira, 29 de Junho de 2015

Em vagas (2014)



Uns atrás dos outros,

seguem os caminhos,

que diariamente percorrem,

em vagas, umas atrás das outras.

Descem escadas, esbaforidos,

na esperança de uns segundos fazerem a diferença,

e correm cais fora,

na procura da enchente,

que os há de empurrar,

para o primeiro comboio,

que já não suporta mais espaço.

E no segundo, ou no terceiro,

talvez se respire,

talvez haja espaço,

talvez se consiga,

talvez…


publicado por canetadapoesia às 22:12
link do post | comentar | favorito
Domingo, 28 de Junho de 2015

Entardecer (2014)



Ajuntavam-se, assim se poderia dizer,

daquele movimento quase pendular,

que levava a que se dirigissem,

àquela praça repleta de história Romana,

eram colunas, capitólios, frontispícios,

eu sei lá, ali viveram romanos e até esfinges havia,

para contar suas aventuras.

Diocleciano, assim se chamava,

o único imperador romano que por artes da sua inteligência,

e algumas magias do destino,

conseguiu chegar à velhice,

retirando-se da cena política, faleceu de morte natural.

O único imperador romano, que o bicho homem não conseguiu liquidar.

A história tem destas coisas, interessantes quanto bastam,

para sabermos de onde viemos e conhecermos o caminho trilhado,

para assim podermos pensar um futuro.

Afinal a procissão que tanta gente levava à praça,

não era mais que o chamariz da música,

que uns cantores debitavam, na sonoridade do lusco-fusco,

com toda a gente à volta da praça,

sentados, em pé ou deitados, escutando êxitos dos anos “60”,

cobertos pelo luar da noite cálida.

Diocleciano estaria, certamente, sentado numa das nuvens brancas,

que repousavam naquele céu, sobre nós,

e estou certo, sorridente e satisfeito.


publicado por canetadapoesia às 21:59
link do post | comentar | favorito
Sábado, 27 de Junho de 2015

Reacção (2014)



Silenciosa, sem alarde,

a reacção aparece como resposta,

a tudo que afecta negativamente,

as gentes e as coisas,

naturalmente, aparece,

mesmo que demore,

mesmo que não se perceba,

e assim, inesperada,

estupidifica a gente incrédula,

no olhar com que a assiste.

Silenciosa, mas irreprimível,

acaba sempre por aparecer,

e quando menos se espera.


publicado por canetadapoesia às 21:53
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 26 de Junho de 2015

Se reflicto (2014)



Canso-me quando me ponho a pensar,

se me determino a fazê-lo,

questiono-me depois, para quê?

Acaso vale a pena insistir,

nestas coisas da reflexão?

Pensar para que nada do que cogito,

possa ser posto em prática ou sequer aproveitado,

perder tempo em deambulações,

de uma cabeça que não pára,

e pensa, e reflecte, e volta a pensar.

Na prática, estamos habituados já,

há longo tempo, em que pensem por nós,

por esse defeito de preguiça,

somos castigados e sabemos como,

somos governados por minorias que,

cada vez mais são as menores minorias,

que nada representam ou quase nada, nada significam,

a não ser, serem uma minoria entre a maioria,

e impõem a sua vontade à maioria.


publicado por canetadapoesia às 22:09
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 25 de Junho de 2015

Pelo corredor (2014)



Apressada, seguias pelo corredor,

de uma ponta a outra,

de um a outro ponto,

onde atarefada preparavas,

a ligeira refeição com que,

o teu belo sorriso nos afagaria o coração,

e com um esforço suplementar,

aconchegavas-nos o estômago.

E corrias na ânsia dos ponteiros que um imaginário relógio,

te ritmava os gestos e movimentos,

sorrindo, sorrindo entre nós,

que te recebíamos com o carinho,

que uma alma generosa, aberta e sorridente,

proporcionava a quem dela recebia,

um sorriso nos céus,

pelo corredor da nossa universalidade.


publicado por canetadapoesia às 23:15
link do post | comentar | favorito

Na minha alma (2014)



No teu mar me reflecti e,

no fundo da tua água cristalina,

olhando-me nos olhos que devolvias,

descobri a massa de que sou feito,

nada de especial, nada de diferente,

de outros seres que também vivem,

debaixo deste céu que nos contempla,

somente carne e músculos,

com uns ossos à mistura.

Sensações diversas me percorrem o corpo,

desde o olfacto à visão,

em todas reconheço algo especial,

mas na única em mais me revejo,

não encontro rival e,

é nela que me reflicto,

no teu mar, do teu mar,

sempre presente na minha alma.


publicado por canetadapoesia às 14:09
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 24 de Junho de 2015

Chamada ao vento (2015-06-22)



Sinto-o em mim,

afaga-me o rosto,

envolve-me o corpo,

num frémito me percorre,

e chamo ao vento.

Sem outra resposta que um silvo

sibilante na sua passagem por mim.

Já não espero que me respondas,

nem sei se o queres ou podes fazer,

mas eu contínuo esperançoso,

e chamo ao vento, já mais baixinho,

para que não se perca

nesta voragem que é a tua correria.

Ínsito e repito sem resultado,

Não me ouves, não me sentes,

E chamo ao vento, continuamente,

sem que ele me traga novas,

sem que ele te traga para mim.


publicado por canetadapoesia às 23:15
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 23 de Junho de 2015

Estrondo (2015-05-14)



De entre o ensurdecedor silêncio,

sobressaíu o estrondo,

tão rápido como a luz,

espalhou-se pela amplitude

que a enorme cozinha permitia.

Não era tempo de guerra,

pelo menos zona afectada,

que ela, a guerra, andava por todo o lado,

mas aqui, ainda residia o oásis.

Aos seus experientes ouvidos,

soou-lhe como rebentamento ofensivo,

os músculos retesaram-se,

encolheu-se um pouco,

rolou os olhos pelo local,

nada a assinalar,

nem bomba nem IN.

Sossegou o coração em sobressalto,

relaxou os músculos e reergueu-se,

não era nada do que conhecia,

estava em segurança.

Tudo não passou do encontro,

de uma chávena de café com o chão.


publicado por canetadapoesia às 23:53
link do post | comentar | favorito

Uma sombra ao sol (2015-06-19)



Impiedoso, assim se apresentava,

este sol que nos aquece e de quem

nos enamoramos quando falta e,

nos dias cinzentos nos cala a alma.

Mas assim, a pique, torra-nos o corpo

na breve urgência da procura

de uma sombra retemperadora,

amena e descarada na sua frescura,

abrigamo-nos dos seus calores,

evitamos os seus incandescentes raios,

retemperamos o corpo com a procura satisfeita.

Nesta tarde, quente, me sossego,

sentado, esperando que alguém,

um leitor ou candidato a tal,

se resolva aproximar, apreciar,

porque não, também, escolher entre tantos,

o livro que tenho à frente e quero apresentar,

~que escrevi e na alma desenhei,

um romance, nesta Lisboa ocorrido,

de amor, de paixão e da tristeza que,

destas ruas pejadas de gente,

não se veja o fim da miséria humana

de quem tem por tecto o céu

e que nas noites frias de inverno,

se cobre e resguarda com o fascínio da lua.


publicado por canetadapoesia às 15:41
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 22 de Junho de 2015

Por uma causa (2014)



Se é ou não justa a causa,

importante ou menos importante,

que interessa isso? É uma causa!

Como todas as causas,

merecem o respeito que a todas devemos,

merecem a gratidão de quem as abraça,

merecem a defesa que todas merecem,

porque quem abraça uma causa,

aconchega-se a um objectivo,

procurando alcançar um fim,

atingir um, nem que seja,

inimaginável alvo.

Abraçar uma causa,

criar uma afeição,

sentir uma problemática,

gratificar um coração.


publicado por canetadapoesia às 21:42
link do post | comentar | favorito

Mais sobre mim


Ver perfil

Seguir perfil

. 15 seguidores

Pesquisar

 

Dezembro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Posts recentes

O vento (2011)

Encontro de titãs (2011)

Queria e não queria (2011...

Náufraga (2011)

Dias de doidice (2011)

A alvura de uma folha de ...

Corre-me nas veias (2011)

Olhos cansados (2011)

Houve um tempo de pecado ...

Frio, calor (2011)

Arquivos

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Links

SAPO Blogs

subscrever feeds