Segunda-feira, 29 de Fevereiro de 2016

Brumas do tempo (2016-02-29)

 

 

Porque assim me demorei na contemplação da vida

foi ela passando de raspão,

mansa e fugidia,

sem que minhas mãos a pudessem agarrar.

Desta distancia a que agora a olho,

sabendo que a deixei fugir-me da mão,

ainda assim o não lamento,

porque a vida me brindou, apesar de tudo,

com o mais belo dos presentes

que eu adoro e reclamo como a maior vitória

de um alheamento que o não foi.

Apenas queria ver a vida,

só queria compreendê-la, senti-la,

nos mais recônditos momentos,

nas alegrias e tristezas,

somente a vida,

em todo o esplendor que podia conceder-me.


publicado por canetadapoesia às 23:30
link do post | comentar | favorito

Empedrados em vida (2012)

 

 

À minha frente uma torre,

alta mas já não altaneira,

forte nas suas paredes de pedra,

larga e compacta.

Talvez equivalente a quatro ou cinco andares actuais,

no seu tempo uma terrível defesa de território.

Era menos gente, mas por certo,

bem pouco exigente também,

para se amortalhar por trás destes pedregulhos,

com um tão pequeno espaço e limitada acção.

Que vida teriam estes senhores?

Esta família Andrade, mais precisamente os condes de Vilalba.

Bem a norte de Espanha.

Viviam sem dúvida em terras medievais,

que grassaram por toda esta Europa.

Horizontes limitados, gente atrofiada do medo desconhecido,

empedrados em vida.


publicado por canetadapoesia às 21:04
link do post | comentar | favorito
Domingo, 28 de Fevereiro de 2016

Traição (2012)

 

 

A traição dói!

Maior é a dor quando vem,

sem que se espere,

de quem não o devia fazer.

Na amizade traída,

ferida no seu íntimo,

perdoas e retrais-te,

mas nunca mais a esquecerás.


publicado por canetadapoesia às 22:44
link do post | comentar | favorito

Chuva (2016-02-19)

 

 

Uma gota, duas gotas,

uma enxurrada,

não para e cai,

impiedosa,

molha-me e encharca-me,

sinto-a penetrar-me,

pela pele, pelos poros,

ágil e rápida,

até aos ossos,

para além deles.

Incomoda,

agrava-me o humor,

inunda e arrasa,

mas sem ela correr,

para a vida,

não haverá sobrevivência.


publicado por canetadapoesia às 01:40
link do post | comentar | favorito
Sábado, 27 de Fevereiro de 2016

Esquecimento (2012)

 

 

Na memória mora o esquecimento,

de tudo o que me desagradou.

Relembro os bons momentos,

esqueço os maus e perdoo

aos que mal me fizeram.

Estranham que assim seja,

eu sei que não estão habituados,

preferem uma vida de vinganças,

uma vida de ressentimentos.

Mas eu sou assim,

de tudo o que acabo e esqueço,

faço um novo começo e acredito,

que em cada um,

haverá sempre uma atitude diferente.

Crio e creio num mundo em que acabará por existir,

sem mágoas e sem ódios,

uma humanidade diferente,

uma humanidade com o coração presente.


publicado por canetadapoesia às 00:28
link do post | comentar | favorito

Uma diferença indiferente (2012)

 

 

Porque a diferença de idade não era importante,

e dez anos não significavam nada,

nesta diferença que nos completava.

Uma diferença que me dava a capacidade,

de navegar em teu corpo,

como sempre sonhaste que o deviam fazer,

uma diferença que me empurrava para a paciência,

de te conhecer sem nunca te ter conhecido,

uma diferença que fazia a diferença.

Senti-te feliz,

conheceste a diferença da diferença,

e eu conheci-te como mulher.


publicado por canetadapoesia às 00:15
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 26 de Fevereiro de 2016

Cabeças baixas (2012) 

 

 

Saiam aos pares, sozinhos,

todos tinham uma característica comum,

vinham de cabeça baixa.

Pensando, talvez, em como uma papelinho,

coisa aí para uma medida de 15x10,

cheio de garatujas, siglas diversas,

poderia vir a mudar a sua vida,

ou talvez não!

Cumpriram a sua obrigação, exerceram o seu dever.

E com isso não se sentiam felizes,

de ter conferido à ocasião,

a solenidade e alegria de outros tempos.

Vinham tristes, rostos fechados,

sabendo, bem no fundo do coração,

que nada mudaria, que tudo seria igual,

e afinal o papelinho pomposo,

não era mais que uma nova forma,

rebuscada e engalanada,

de os enganar de trair os seus sonhos.


publicado por canetadapoesia às 00:00
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 25 de Fevereiro de 2016

Por ser assim (2016-02-02)

 

 

Não se muda nem se altera,

por ser assim…

Tudo se permanece imutável e,

por ser assim…

Tudo será diferente,

porque então,

por ser assim…

nada se alterou e,

mesmo assim e,

por ser assim…

Num repente,

tudo mudou e tudo se alterou e,

por ser assim…

tudo se modificou,

de repente, contra a corrente, e só,

por ser assim…

Tão imutável,

tudo se mudou.


publicado por canetadapoesia às 21:58
link do post | comentar | favorito

Voo rasante (2012)

 

 

Passou alto o suficiente para se sentir em segurança,

e na cauda deixou um intransponível muro,

que se elevou da terra quente e verde,

um inferno como representação não lhe ficava mal,

nas copas das árvores da mata verde e cerrada,

surgiram as labaredas em contínuo elevar,

a céus que não as protegiam,

e desta vez, uma das várias em que aconteceu,

não se sentiu no ar puro de selva,

o característico cheiro a carne queimada.

Afinal, era só uma desmatação.


publicado por canetadapoesia às 00:03
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 24 de Fevereiro de 2016

Almoço (2012)

 

 

Afinal como se conta o tempo?

E que tempo é necessário?

Para tudo o que precisa de tempo?

Eu tinha tempo e já nem sei se ainda o tenho!

É que nos muitos anos ao serviço de uma empresa,

das grandes, daquelas que têm muita gente mesmo,

como se conseguem conhecer todos os colegas?

Não sei, na verdade não o consegui,

nunca os conheci e provavelmente nunca os conhecerei todos.

E neste almoço em que tive o privilégio de estar presente,

muitos foram os que não conhecia,

outros de quem me lembrava das caras,

muito poucos os que conhecia realmente.

Afinal quanto tempo é preciso?

Quanto dele é necessário para nos conhecer-mos todos?

E porque não o forçamos para que isso aconteça?


publicado por canetadapoesia às 21:31
link do post | comentar | favorito

Mais sobre mim


Ver perfil

Seguir perfil

. 14 seguidores

Pesquisar

 

Setembro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
13

18
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Posts recentes

Nada sei de poesia (2011)

Espuma (2011)

Estradas (2019-08-01)

Paisagem Irlandesa (2019-...

Sim, eu sei… (2019-09-16)

Quando olho para trás (20...

A casa (2019-07-20)

Por estes amores (2019-07...

Se não te respondo… (2019...

Coisa boa, esta Lisboa (2...

Arquivos

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Links

SAPO Blogs

subscrever feeds