Segunda-feira, 30 de Maio de 2016

Cortés (2013)

 

 

Do ínfimo da minha figura olho para o alto.

Empoleirado no seu imponente cavalo,

de arreios de couro e de ferro coberto,

o mitológico cavaleiro dispara o olhar,

atinge o horizonte que no seu tempo,

atravessava oceanos.

 

Nos seus olhos brilhavam pepitas,

de ouro e diamantes do tamanho de um continente.

Na sua ambição correram rios do sangue de inocentes,

povos que da sua violência retiraram a escravidão.

 

E o herói que hoje estaria num qualquer tribunal internacional,

enviou a glória da conquista,

o ouro do saque e a escravidão da resistência vencida.

 

O império Asteca de Montezuma, desapareceu,

na sofreguidão da conquista,

no engrandecimento das origens, dizimando destinos.


publicado por canetadapoesia às 15:08
link do post | comentar | favorito
Domingo, 29 de Maio de 2016

A mulher de verde (2016-05-29)

 

 

Porque era verde e ressaltava,

era excitante ver que um simples tecido

cobria e manietava um corpo

que ansiava pela liberdade,

que um botão teimava em aprisionar.

Aparecias como bálsamo,

anunciavas as novas e até algumas velhas notícias,

mas com o teu ar matreiro

de quem sabe que está a ser observada,

apreciada e até elogiada,

servias-nos a horas certas o saber do mundo,

e o prazer do olhar.

Uma mulher de verde vestida,

coberta pela nuvem que nos chega pelos canais do etéreo

e nos agarra o olhar no constante do balbuciar

de notícias que já não nos interessam,

porque o importante,

é a imagem do verde que cobre a mulher.


publicado por canetadapoesia às 15:03
link do post | comentar | favorito

Pior que Cuba (2013)

 

 

Como me sinto? Mal, muito mal.

Ando por aí, percorro a cidade, atravesso as ruas semi-desertas,

de gentes, de lojas e pontos de referência,

um vazio de alma, um vazio na alma Lusitana.

Já nem tabaco, para os velhos amigos, acompanhantes

de anos de vivência, por esse mundo fora, tabaco para cachimbo!!!!

Que saudades dos tempos em que desejar era ter,

desde que se pudesse pagar, mas pelo menos ali estava,

se não enchia a fornalha do cachimbo, enchia a da alma,

que se comprazia com a fartura à sua volta,

ainda que mal lhe chegasse, mas havia o prazer do olhar,

enchia o olho e a seguir a alma.

Agora é o deserto que se apossou da cidade,

e nesta cidade linda, não há, já não há, faz tempo que não há!!!!

Bolas!!! ( queria dizer outra coisa)

Ainda somos Portugal! Ainda somos Lisboa!

Esse entreposto do mundo. E não há?

Então estamos pior do que em Cuba, só que em Cuba,

ainda há tabaco e felicidade a rodos.

O resto? O resto são flores.


publicado por canetadapoesia às 00:20
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 26 de Maio de 2016

Flagrante de chocolate (2016-05-19)

 

 

Pois é minhas meninas!

Apanhadas em flagrante,

a deitar a mão às sombrinhas de chocolate.

Mal entram em casa desalvoram

em direcção ao armário dos prazeres

e depois inclinam a cabeça com ar angélico,

olham-me nos olhos e fazem um sorriso envergonhado,

mostram-me as mãozinhas onde agora moram as sombrinhas

e dançam à minha frente de contentamento.

Sou inflexível e digo não,

só depois do jantar e quando os papás derem autorização,

dói-me o coração, mas não posso ceder.

Lá obedecem a contragosto,

acalmam-se um pouco e o jantar

é devorado à velocidade da luz e sempre,

mas sempre, com o olhar preso ao armário dos prazeres,

das sombrinhas de chocolate,

que o que é doce, nunca amargou.


publicado por canetadapoesia às 23:27
link do post | comentar | favorito

Corpo cheio e arredondado (2016-05-23)

 

 

Assim que levantei os olhos,

para esse corpo cheio e arredondado,

num primeiro momento,

espantei-me com a sua beleza.

Depois, mais consciente,

entusiasmei-me com ele,

e já sentia o seu calor

se as mãos trémulas e ansiosas

o pudessem acariciar.

Sentia-me o ser mais afortunado,

porque estavas ali,

ao alcance da minha vista

e quase, quase ao alcance das minhas mãos

o que faria de mim um felizardo,

por puder sentir entre elas

um corpo tão excepcional como o teu,

redondo e cheio, pleno de malícia,

minha lua encantada.


publicado por canetadapoesia às 00:13
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 25 de Maio de 2016

Sentido da vida (2015-02-16)

 

 

Faz sentido a vida?

Em minhas lucubrações,

creio firmemente que sim.

Ainda que ao atravessarmos,

o portal que nos traz à luz,

encontremos pelo caminho

escolhos diversos, desilusões sem fim e,

por vezes, intransponíveis muros,

vale a pena, faz sentido.

Por ela se cresce no conhecimento,

com ela vivemos momentos agradáveis,

prazeres inauditos,

pelo caminhar na sua estrada,

quantas emoções apreciadas.

Basta-nos elevar o olhar

para mais além que o umbigo.

Ver uma criança nascer, crescer e multiplicar-se,

é a vida em todo o seu esplendor.

Faz sentido a vida quando,

olhando para outros,

nos vemos reflectidos.

Faz sentido, vale a pena.


publicado por canetadapoesia às 01:01
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 23 de Maio de 2016

Crianças (2012)

 

 

O que a maré ao retirar-se cansada por ali deixou,

numa praia enorme e um areal imenso,

não foi só a lagoa que agora ressaltava à nossa vista,

uma grande possa de água salgada,

que o sol inclemente aquecia mais facilmente,

e que um pequeno rego ligava ainda ao mar.

O que ali ficou foi vida.

À sua volta, dentro dela, aos saltos e nela deitados,

as crianças chilreavam a cada pulo dentro dela,

chapinhavam, brincavam com os minúsculos peixinhos,

e os seus risos estendiam-se a toda a praia,

enchiam-nos os ouvidos no sussurro da distância,

e sentíamos que ali, naquela possa,

recriava-se e continuava a vida,

pela água, pelas crianças.


publicado por canetadapoesia às 22:47
link do post | comentar | favorito
Domingo, 22 de Maio de 2016

Avizinham-se (2012)

 

 

Desciam a rua em algazarra,

saídos de todos os portões,

enxameavam a alameda espaçosa,

as universidades de Lisboa.

Alegres e satisfeitos porque,

ainda a vida lhes sorria,

mesmo com o difícil presente,

nada fazia prever que um futuro,

incerto, tenebroso e imperscrutável,

lhes toldasse a juventude.

As nuvens vinham-se aglomerando,

em inexpugnáveis castelos escuros,

pairavam sombrias no terror que infligiam,

no futuro de cada um deles.


publicado por canetadapoesia às 22:37
link do post | comentar | favorito

Brincar a sério (2014)

 

 

Dizes tu com um ar de quem dúvida,

estás a brincar, avô,

não estou não, é mesmo a sério,

ah! Então estás a brincar a sério, avô.


publicado por canetadapoesia às 00:54
link do post | comentar | favorito
Sábado, 21 de Maio de 2016

Cheia (2012)

 

 

Sobre o ainda azul do céu,

cheia e luminosamente branca,

em perfeita concorrência com o sol cansado,

projectado nos cumes montanhosos,

atrás dos quais se irá deitar.

Absorves os males do mundo,

e nessa incumbência te vais inchando,

transformando em promessas,

que as formigas humanas,

almejam alcançar nas tuas graças.

És a lua cheia de um Agosto quente, inferno de chamas,

e que contigo se aquieta.


publicado por canetadapoesia às 01:03
link do post | comentar | favorito

Mais sobre mim


Ver perfil

Seguir perfil

. 15 seguidores

Pesquisar

 

Novembro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
13
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Posts recentes

Prazeres da carne (2011)

Hoje (2011)

Ausência (2011)

O infinito olhar (2011)

Guardador de sonhos (2011...

Aparências (2011)

A esquina mais próxima (2...

Havia árvores (2011)

A concha (2011)

Voracidade (2011)

Arquivos

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Links

SAPO Blogs

subscrever feeds