Quarta-feira, 29 de Junho de 2016

De madrugada (2016-06-10)

 

 

Escureceu a noite, como breu,

a luminosidade das estrelas desapareceu

e no céu, uma massa cinzenta baça e opaca

toma o lugar do que era a visão estonteante

da formosa via láctea,

caminho que nos leva a Santiago.

Lentamente, consistentemente,

se desenvolve uma miríade de gotículas,

quase invisíveis, praticamente intocáveis.

Cai um orvalho persistente que noutras terras,

bem longe daqui, chamaríamos “cacimbo”, já sem saudades,

enche a pele de da humidade que,

com o calor do dia ainda presente,

cria um torpor de frescura que agrada ao corpo.

Cobre a terra e sacia as plantas,

enriquece-as da essência da vida e a nós,

humanos que somos,

engrandece-nos pelo amor à natureza.


publicado por canetadapoesia às 23:54
link do post | comentar | favorito

Se acaso escutares (2016-06-25)

 

 

Se por um sortilégio daquelas manobras,

mais ou menos ao acaso,

com que somos brindados pelo destino

de repente acontecer e,

nas longínquas antípodas em que te encontras

escutares um grito,

não estranhes nem te assustes.

Posso estar só a sonhar quando emito sons ininteligentes,

longínquos no seu soar,

sonoros e lancinantes,

porque o sonho nos faz gritar

e a plenos pulmões o emitimos.

É só mais um grito,

talvez mesmo só mais um choro que soa,

um grito de desespero,

ou talvez só um som da solidão que,

no silêncio que me rodeia se torna lancinante e audível

para lá da distância da separação.


publicado por canetadapoesia às 23:04
link do post | comentar | favorito

De saia (2013)

 

 

Invulgar nos dias que correm,

passas de saia vestida, preta e cingida ao corpo,

colada às curvas que Deus te deu,

elegante como qualquer mulher,

que de saia vestida, empolga a vista de apreciador,

distraído, mas atento, a uma cintura vincada,

pelo porte de mulher, que sabe que o é,

que sabe sê-lo e não receia mostrá-lo.

De saia é diferente.


publicado por canetadapoesia às 00:21
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 27 de Junho de 2016

Deixei-te um abraço (2016-06-23)

 

 

Senti-te o corpo rígido,

senti-te os movimentos presos,

senti-te a capacidade de expressão diminuída,

senti-te a memória desvanecida

e no abraço do encontro

senti-te.

Senti-te emocionado,

senti-te os olhos húmidos,

senti-te no esforço que fazias,

senti-te no desespero de não conseguires,

senti-te.

Senti-te em mim,

senti-te na comunhão de vontades,

senti-te naquilo que nos une,

senti-te no abraço dado,

senti-te no aperto de mãos,

senti-te.

Deixei-te no abraço que sempre nos unirá,

com os olhos molhados dos sentimentos

e emoções que por mim passaram.

Deixei-te com um abraço de imensa saudade

e em teus ombros inertes,

ficou uma lágrima solitária,

na esperança do regresso,

que seja tão breve quanto possível,

que seja tão forte como sempre,

que seja um regresso para nós

que ansiosamente te queremos de volta.


publicado por canetadapoesia às 22:50
link do post | comentar | favorito

Regras (2013)

 

 

Porque me impões regras,

para que cumpra o que pretendes,

se eu não te imponho nenhumas?

Se me tiras a liberdade de ser eu,

que mais posso ser senão o guardião,

das liberdades que a ti reconheço.


publicado por canetadapoesia às 01:36
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 21 de Junho de 2016

Abri-te a janela (2016-06-20)

 

 

Porque o sonho pode estar numa bola,

redonda como todas as bolas,

mas luminosa, brilhante, esplendorosa.

Hoje estavas assim,

no alto, mas tão perto

que quase se podia dizer que,

estavas a uma mão de recolha

e tanto que te queria tocar,

acariciar toda a tua nudez,

sentir os teus contornos na minha mão,

e sonhar como só tu me fazes sentir.

Abri-te a janela e deixei que

entrasses e me enchesses a cama,

me envolvesses e me enchesses de sonhos,

não te fizeste rogada,

penetraste-me no quarto e iluminaste-me,

acariciaste-me e acolheste-me no teu bojo.

E eu sonhei, contigo e com o mundo.


publicado por canetadapoesia às 23:13
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 20 de Junho de 2016

Noites enluaradas (2013)

 

 

Nas noites enluaradas,

quando as estrelas a visitavam,

punha-se a mirá-las.

Apreciava os seus contornos,

a luz que emitiam,

o brilho que davam ao céu.

Punha-se a sonhar,

imaginava vezes sem conta,

que aventuras teria,

se as conseguisse alcançar,

ainda que por breves momentos.

Tê-las à mão,

acariciá-las,

aconchegar-se-lhes,

na medida dos seus sonhos.


publicado por canetadapoesia às 23:32
link do post | comentar | favorito
Domingo, 19 de Junho de 2016

Brilho próprio (2013)

 

 

Vejam como luz!

Tem brilho próprio e nem sequer é ouro.

Há mais coisas que brilham para além do metal.

O carácter, os princípios, a ética e a educação.

Têm brilho próprio também,

e se não luzem como o ouro,

iluminam a alma de quem os aprecia,

encadeando os que com eles contactam.


publicado por canetadapoesia às 14:48
link do post | comentar | favorito

Bafo de verão (2913)

 

 

Chamo o vento e peço-lhe,

que sopre de mansinho,

e te encontre entre a multidão deste mundo.

Que te solte os cabelos,

e te envolva no bafo quente do verão,

que lentamente te empurre,

para aqui,

onde me encontro e te espero,

para com os meus braços te envolver.


publicado por canetadapoesia às 14:45
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 17 de Junho de 2016

Escorrendo sol (2016-06-11)

 

 

Por entre as nuvens,

cinzentas e fechadas à cidade,

escorre o sol.

Em raios rectilíneos,

abrindo em leque,

sobre a imensidade de leituras

que expostas e à escolha,

deliciam os seus amantes.

Surgem brilhantes debaixo dele,

resplandecem nas diversas e,

multicolores capas e títulos milhentos.

Entre as folhas abertas pela curiosidade,

surgem leituras fugazes,

sorrisos alguns e esgares disfarçados.

Entre tudo e todos, o prazer de estar ali,

sentar e assistir a uma apresentação

de um livro de referência, já se vê,

sentir o calor do rei dos astros

e sorrir no desfolhar de um livro.

O prazer das pequenas grandes coisas da vida,

Deambular entre livros e debicar aqui ou além,

uma passagem, uma frase, uma estória,

no fundo, uma vida em papel.


publicado por canetadapoesia às 22:21
link do post | comentar | favorito

Mais sobre mim


Ver perfil

Seguir perfil

. 15 seguidores

Pesquisar

 

Novembro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
13
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Posts recentes

Prazeres da carne (2011)

Hoje (2011)

Ausência (2011)

O infinito olhar (2011)

Guardador de sonhos (2011...

Aparências (2011)

A esquina mais próxima (2...

Havia árvores (2011)

A concha (2011)

Voracidade (2011)

Arquivos

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Links

SAPO Blogs

subscrever feeds