Domingo, 31 de Julho de 2016

Folha em branco (2016-07-28)

 

 

Parecia só uma folha de papel em branco,

 como tantas outras folhas,

mas olhando de mais perto via-se nela algo invulgar

e nos veios que a compunham, corria a seiva da enormidade.

Tinha tanto para nos dizer, continha em si tanta coisa,

inúmeras estórias de encantar, inúmeros contos de embalar,

naquelas mais sérias, tanta notícia para nos trazer

ao mundo real em que vivemos.

Parecia só uma folha de papel em branco!

No seu ventre germinavam estórias de vidas passadas e presentes,

estórias de futuros que só uma folha de papel contém.

Tinha de tudo o que possamos imaginar, sonhos e realidades

que a alma contempla e assimila guardando-os com respeito.

Parecia só uma folha de papel em branco,

mas havia de ser preenchida, riscada, escrita ou desenhada,

e no seu corpo branco coberto de significados,

repousa afinal o mundo. E afinal,

parecia só uma folha de papel em branco.


publicado por canetadapoesia às 11:08
link do post | comentar | favorito
Sábado, 30 de Julho de 2016

O mundo do umbigo (2016-07-29)

 

 

É neste mundo complexo,

cheio de contrariedades,

que repousam indignados

os guerreiros do umbigo!

Aqueles que só levantam a cabeça,

do dito cujo aqui apresentado,

quando se acham senhores

de toda a verdade do universo.

E são justiceiros, juízes e carrascos,

quando não vêm para além do seu umbigo,

donos de todas as certezas,

inflexíveis à inteligência

de quem pode ter outras certezas.

Guardiães dos bons costumes,

quando não colidam com o seu umbigo,

ferozes e acicatados pela ira,

se uma outra justificação aparece,

porque para além do seu umbigo,

já não há mundo e nada existe.

Quantos umbigos mal arranjados

encontramos por esta vida fora

e todos eles têm uma certeza,

nada mais existe que o seu belo umbigo.

No entanto o mundo é vasto

há umbigos para todos os gostos,

como tal, todos são válidos,

todos têm a sua certeza,

ainda que diferente dos que lhe estão ao lado.

Há, pois, que levantar a cabeça,

olhar para os umbigos dos outros

e aceitá-los como tão válidos

como queremos que o nosso seja.


publicado por canetadapoesia às 00:55
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 29 de Julho de 2016

O verde (2013)

 

 

Não olho o verde pelo simples facto de ser verde,

não olho o verde por ser atraente na natureza,

Olho-o por uma questão de sobrevivência.


publicado por canetadapoesia às 00:56
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 27 de Julho de 2016

Tempos (2013)

 

 

Olho para o meu tempo,

que de passado faço presente,

olho para esse tempo,

que já pouco futuro fará.


publicado por canetadapoesia às 23:26
link do post | comentar | favorito

No bolso (2016-07-19)

 

 

Assim o meu bolso fosse largo o suficiente

e tão fundo quanto possível para que,

nas suas profundezas guardasse o que me aprouvesse.

Guardaria a lua cheia da sua luz brilhante,

guardaria um punhado de estrelas

e entre elas escolheria as mais brilhantes,

talvez mesmo algumas constelações,

daquelas que, ao juntar as estrelas,

formam figuras que à vista se descobrem,

ou que simplesmente se imaginam,

na fertilidade das mentes limpas e almas quase puras.

Um bolso onde coubesse o sonho e onde,

o espanto se ajustasse ao tamanho do deslumbramento,

quando olhamos o universo que nos rodeia.

No fundo, o que eu queria mesmo,

é que no meu bolso coubesse o mundo,

o que existe e ainda melhor que isso,

o mundo que no meu sonho crio de coração limpo.


publicado por canetadapoesia às 00:49
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 26 de Julho de 2016

Da memória (2016-07-21)

 

 

De todas as coisas guardamos uma memória,

se de algumas é agradável de outras,

certamente gostaríamos

que a prodigiosa memória se esquecesse.

Mas a memória que não julga e

antes armazena e empilha,

vai juntando as peças todas,

pedaço a pedaço cria um mundo escondido,

recatado e não visível,

até que a explosão do desespero

traga à luz clara do dia

o que o escuro da mente guarda.


publicado por canetadapoesia às 00:09
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 25 de Julho de 2016

Destruição (2013)

 

 

Na imaculada folha de papel,

de árvores abatidas construído,

verto a tinta da caneta invasora,

que em minhas mãos,

transformo num instrumento de criação

provinda da minha imaginação.

Nestas mãos que concertei também,

os instintos destruidores,

desta floresta que me dá prazer.


publicado por canetadapoesia às 00:34
link do post | comentar | favorito
Domingo, 24 de Julho de 2016

Lições da história (2016-07-01)

 

 

Isso era o que eu queria,

sentir que o mundo

caminhava na direcção certa.

Olho-o com o olhar de sempre

com a esperança que melhore,

com o desejo que para os vindouros

seja este um mundo afável,

em que sintam seguros e realizados

como seres humanos,

que neste minúsculo planeta

de uma imensa galáxia,

não tenham de sofrer os flagelos

que outras gerações suportaram,

a fome, o medo, a guerra.

Começo a ter receios e a sentir

que este não é o caminho que aí nos leve,

tenho comigo que estes ciclos

de gerações que se sucedem,

tenham esquecido a história deste mundo

e as lições que ela nos tem deixado.


publicado por canetadapoesia às 00:19
link do post | comentar | favorito
Sábado, 23 de Julho de 2016

Entre sóis, a felicidade (2016-07-22)

 

 

Sem que fosse forçado, de vez em quando,

vinham-lhe à memória episódios passados

quase esquecidos e remetidos para o escuro de um sótão.

Sentia ainda os primeiros raios solares,

do alto do seu 12º andar,

espraiando o olhar sobre a cidade,

apreciando o movimento do início do dia.

À noitinha era deleitar-se com o sol,

deitando-se guloso sobre aquele corpo que,

ora calmo ora alterado por prazeres mil,

se revolvia debaixo do seu peso

recebendo-o no seu seio para uma noite de descanso

e de cada encontro, entre amarelos e avermelhados,

o céu recebia espantado as cores vivas desse embate de titãs.

Eram os dois momentos mágicos do dia,

o amanhecer e o anoitecer,

donos de uma experiência única,

só possível a quem tinha África no coração.

Com os tempos em acelerada mutação,

ainda que as janelas e paredes fossem violadas

por inúmeros orifícios de tracejantes balas

e a vozearia ofensiva aumentasse,

continuava a sonhar na sua varanda e via

o nascimento e o ocaso diário do astro rei e,

o radioso nascer de uma Nação virada ao mundo.

Um dia deixou de ir à varanda,

não mais se preocupou com o nascer ou deitar

de um sol que já não lhe dava o prazer de outrora,

sentia que tudo se tinha tornado cinzento,

a luz da cidade que amava foi-se esbatendo

e desse intenso nevoeiro caído sabe-se lá de onde,

que nem friorento dia de “cacimbo”,

surgiu o ódio, a soberba, a vingança, o irracional.

Nesse dia tão negro como tantos que o seguiram

por anos que os dedos já não serviam de ábaco,

morreu-lhe a esperança de vez,

abandonou a varanda e os elementos que a adornavam,

meteu apressadamente na mala o que lhe restava,

três camisas, dois pares de calças e os documentos identificativos,

rumou ao mundo, a outro mundo que não o seu,

perdeu-se de esquecimentos pela terra que o viu ser homem.

Numa noite iluminada pelo ecoar da metralha,

subiu as escadas de um avião sem olhar para trás,

sentou-se onde o determinaram e fechou os olhos,

abriu-os horas depois, num outro universo que não conhecia,

aquele que nunca quis conhecer, mas que agora ali estava,

frio, chuvoso e ameaçador para quem vivia com o sol.

Antes mesmo de poisar um pé sobre essa terra desconhecida,

que ora o recebia no seu abraço traiçoeiro,

por entre os pongos da chuva que o encharcavam,

deixou cair duas lágrimas que inundaram a cidade,

esgotou o coração e da alma retirou a felicidade.


publicado por canetadapoesia às 00:49
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 22 de Julho de 2016

Balindo sons (2016-07-03)

 

 

Mesmo ao meu lado,

sentado ao colo de alguém que a quer,

que a ama como ser frágil,

uma nova vida no mundo.

Pela tenra idade,

vais balindo sons que,

pela tua tenra natureza,

alegram o ar soturno que nos envolve na espera.

Interiormente exprimo um pensamento,

que não exponho aos olhos que nos vêm,

uma criança, igual a tantas outras,

um novo ser humano que,

como todas as crianças é frágil,

mas apelativa aos amores da alma.

Ainda que sejas votada a um outro Deus,

mesmo que a tua pele seja diferente da minha,

apenas uma criança,

que espera alegrar e deixar-se alegrar pelo mundo.


publicado por canetadapoesia às 16:51
link do post | comentar | favorito

Mais sobre mim


Ver perfil

Seguir perfil

. 14 seguidores

Pesquisar

 

Agosto 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9

17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Posts recentes

O que assusta (2010)

Poesia sem dono (2010)

Pequenas coisas (2010)

Sucesso (2010)

Menino (2010)

Imagem (2010)

Pingos (2010)

Prazo de estadia (2010)

Pardais de Lisboa (2010)

De frente (2010)

Arquivos

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Links

SAPO Blogs

subscrever feeds