Domingo, 30 de Outubro de 2016

Democracia (2013)

 

 

Talvez a melhor maneira de decidir,

sobre as escolhas, sobre o País,

mas será mesmo assim?

É que por vezes vêm-me à memória coisas estranhas,

dessas que me deixam dúvidas sobre a sageza de um povo,

especialmente quando faz escolhas ditas democráticas.

E escuto o que a história conta,

e ouço a ancestralidade,

e chego a conclusões perversas.

Lembro Pôncio Pilatos,

naquilo que foi, talvez, a primeira demonstração de democracia,

quando deixou nas mãos do povo a escolha,

permitindo que decidissem por eles próprios perguntou:

“Quem quereis que vos solte, Cristo ou Barrabás?”.

E o povo, na sua suprema liberdade,

pujado de justiça e conhecimento escolheu,

foi libertado o ladrão e Cristo condenado à cruz.


publicado por canetadapoesia às 23:13
link do post | comentar | favorito

Caminhos (2013)

 

 

Nas tuas areias quentes,

nas tuas águas cálidas,

deixei os mornos sonhos da infância.

Pisando o vermelho sangue de tuas acácias,

calcorreei os passeios de fantasias,

que minha alma foi criando.

Pelos caminhos que a vida traçou,

percorrendo as auto-estradas do desespero,

atolei-me nas picadas de uma terra,

que de vermelha nada tinha.

Não cheirava à chuva acabada de cair,

era só terra, nada mais que terra,

lama que nos entrava os movimentos,

poeira que o vento há-de soprar.


publicado por canetadapoesia às 01:27
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 28 de Outubro de 2016

Uma sopa por favor (2013)

 

 

De tudo se recordava,

tudo lhe passava à frente dos olhos como se fora hoje,

remexendo a colher na malga da sopa,

que mãos solidárias lhe haviam dado para o jantar.

Como se saboreasse o melhor manjar do mundo,

sabendo que assim não era, era o possível.

Ainda assim, naquele momento,

ao matar a fome que o acompanhara o dia todo,

como nos dias que o antecederam,

era mesmo um manjar e estava quente a sopa.


publicado por canetadapoesia às 22:55
link do post | comentar | favorito

Ouriços verdes (2012)

 

 

Os castanheiros estão doidos de verdura,

e pelos seus ramos espraiados,

surgem os ouriços esverdeados.

Pequeninos, jovens ainda,

espigões despertos para o mundo,

e no seu interior a vida que se renova a cada ano,

castanhas, a nascer a cada dia.

Castanhas assadas ou cozidas,

sós ou acompanhadas,

mas que vivem enquanto encherem a alma dos que as amam.


publicado por canetadapoesia às 12:56
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 27 de Outubro de 2016

Sentir a poesia (2012)

 

 

Porque a poesia se sente,

entranha-se das formas mais inesperadas,

e vem da alma e do sentir,

não da razão que a racionalidade impõe.

E se a escrevo porque a sinto nos momentos mais improváveis,

é porque a sinto também vinda desta alma que se atormenta,

quer nos momentos críticos ou no estertor económico,

mas também naqueles em que o sentimento aplaude.

E eu escrevo o que me vai na alma,

por puro prazer de escrever, gostem ou não,

e sinto o que à minha volta vejo,

e choro com as lágrimas interiores,

que nenhum estranho visiona mas que o meu peito,

inchado de sofrer, resguarda da curiosidade alheia,

enchendo o coração que um dia pode vir a transbordar.


publicado por canetadapoesia às 00:14
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 26 de Outubro de 2016

Insistir/desistir (2016-09-30)

 

 

Assim me descubro nesta escuridão esclarecida,

mesmo assim,

onde o racional não atinge,

sofre o espírito que sem fulgor,

não se atreve nem aventura

a tentar entender os porquês desta vida.

Tento sem dúvida e sem sucesso,

vou tentando consecutivamente,

para finalmente se impor a desilusão

e desisto da insistência,

que esta própria vida,

insiste em não entender.


publicado por canetadapoesia às 19:50
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 24 de Outubro de 2016

Era um tempo… (2016-09-11)

 

 

Era um tempo de angústia,

um tempo em que o tempo marcava o ritmo

da vida de cada mancebo.

Era um tempo em que as mães choravam em silêncio,

que se faziam fortes na presença dos filhos

mas soçobravam logo que eles partiam.

Era um tempo em que tudo era negado a quem

não tinha do tempo o tempo certo para ser livre e,

nessa liberdade limitada pelo tempo se encerrava

em masmorras de que a alma se ressentia.

Era um tempo em que o sonho lhes era negado

e vida parava no tempo,

até que o tempo certo os recolhesse

entre muros e casamatas recheadas,

da nata da juventude parada no tempo.

Era um tempo em que a vida tinha um único objectivo

que o próprio tempo se encarregava de marcar

e permitir viver ou morrer com o tempo

que marcava os intervalos de cada explosão.

Era um tempo em que as mães rezavam

pelos filhos perdidos num tempo madrasto onde,

procuravam sobreviver ao tempo que os aprisionava.

Era um tempo que o tempo não apagou da memória

de todos os que viveram o tempo carcereiro,

acabrunhados por esse tempo,

vagueiam pelas ruas de uma amargura sem cura,

vergam-se ao peso que lhes tolhe os movimentos,

com o pensamento no tempo que lhes tolheu a vida.

Era um tempo em que as mães choravam baixinho

e os filhos sangravam da alma.


publicado por canetadapoesia às 23:45
link do post | comentar | favorito
Domingo, 23 de Outubro de 2016

A lucidez dos inocentes (2016-05-24)

 

 

No olhar a chama acesa

da esperança,

pelo corpo as marcas

do cansaço,

nos pés trambolhões

as bolhas da fé.

Caminham de coração aberto,

correm mundos e atravessam oceanos,

percorrem estradas e caminhos,

com a lucidez dos inocentes.

Cabeça levantada aos céus

de onde esperam o milagre,

nas bocas orações,

nas mãos crespadas

o terço que as envolve

e bem fundo na alma,

a promessa a cumprir,

com a lucidez dos inocentes.


publicado por canetadapoesia às 23:59
link do post | comentar | favorito

Correndo por aí (2016-05-25)

 

 

Sem partida nem destino,

debaixo destas nuvens por onde o sol penetra

nos intervalos do esquecimento,

correndo por aí!

Fugindo das sombras da vida,

buscando momentos onde soe a felicidade,

por onde ecoe a liberdade.

Que é nossa, já sabemos,

que queremos seja dos outros,

que não nos importa se o que querem é o que querem,

mas já nos importa que queiram,

ainda que ao contrário,

mas que seja o seu querer.

Correndo por aí!

Em busca da tolerância,

da capacidade de entender,

da força que nos faz amar o outro ainda que não seja igual.

Correndo por aí!


publicado por canetadapoesia às 17:57
link do post | comentar | favorito
Sábado, 22 de Outubro de 2016

Porque soam as trombetas (2016-10-02)

 

 

Ao longe já se sentem,

ainda quase silenciosas.

Sombras que ainda não ensombram,

mas que avisam os mais avisados.

Aproximam-se lentas mas decididas,

bandeiras desfraldadas ao vento

e trombetas que soam estridentes,

já todos as podem ver e ouvir,

mas teimam em manter,

ouvidos fechados e olhos cerrados.

Inexoravelmente se aproxima,

ninguém pode dizer que as não vê ou ouve,

porque com elas vem a morte,

o desespero e a violência da guerra,

são as trombetas do novo apocalipse.


publicado por canetadapoesia às 23:06
link do post | comentar | favorito

Mais sobre mim


Ver perfil

Seguir perfil

. 15 seguidores

Pesquisar

 

Novembro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
13
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Posts recentes

Prazeres da carne (2011)

Hoje (2011)

Ausência (2011)

O infinito olhar (2011)

Guardador de sonhos (2011...

Aparências (2011)

A esquina mais próxima (2...

Havia árvores (2011)

A concha (2011)

Voracidade (2011)

Arquivos

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Links

SAPO Blogs

subscrever feeds