Segunda-feira, 31 de Julho de 2017

O olhar sobre a vida (2017-07-22)

 

 

Passam anónimos à minha frente

E o que vejo não são mais que imagens,

Nítidas algumas, outras difusas,

Mesmo em dia de intenso brilho solar!

Olho o mundo num pequeno e tão vasto rincão.

Passam adultos e crianças, jovens e velhos, mulheres e homens.

São brancos, pretos, amarelos e até avermelhados…

São gentes!

De várias origens, continentes distintos,

De paragens infindas e crenças das mais diversas,

Tão diferentes e tão iguais.

Deito-lhes o olhar de quem sem distinguir ou imaginar

Diferenças que a diferença esbate só vê gentes

de tanta proveniência, mas tão iguais na sua essência

Que não percebo o que as separa.

Só gentes de todo o mundo,

Concentradas num rectângulo tão pequeno como o País

E a que convencionámos chamar Rossio!


publicado por canetadapoesia às 00:06
link do post | comentar | favorito
Sábado, 29 de Julho de 2017

Vamos sonhar (2017-06-09)

 

 

Olho o céu e no seu azul,

entrecortado de brancas nuvens,

se recortam silhuetas escuras,

que esvoaçam e, no seu bater de asas,

se afastam da minha local imaginação.

Levam-me para mais longe,

outras paragens talvez,

onde ela faça falta e possa livremente, imaginar!

Quando a imaginação é fértil

Facilmente nos pomos a sonhar e,

“sempre que o homem sonha, o mundo pula e avança”.

Entretanto, o azul celeste é rasgado por brancos traços,

mais ou menos alinhados, mais ou menos desordenados!

São nuvens de uma alva brancura e aviões

que por lá se cruzam e nós,

cá em baixo, olhando para o alto,

vamos sonhando, com imaginação.


publicado por canetadapoesia às 00:52
link do post | comentar | favorito (1)
Sexta-feira, 28 de Julho de 2017

Turistas acidentais (2017-05-11)

 

 

Depois de perguntar ao casal de brasileiros,

sentado mesmo atrás da minha mesa e

apesar da esplanada,

se o fumo do meu cachimbo incomodaria, rematei,

“este é um dos prazeres da vida,

comer ao ar livre, saborear um bom vinho

e fumar uma cachimbada ao mesmo tempo que

o café fumega ao lado e a caneta

corre livremente sobre o caderninho da escrita”!

Exteriorizo o momento pela simpatia das pessoas,

pelo prazer da troca de palavras.

No fundo, pelo prazer da vida.

Sejam bem-vindos a esta terra de amores e prazeres.


publicado por canetadapoesia às 00:50
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 26 de Julho de 2017

Para além da pequenez (2017-04-12)

 

 

E se um dia ainda acreditares

poder muito bem evoluir,

porque o futuro

está naqueles que acreditam,

está naqueles que inventam,

que se desinibem

e que olham para além da sua pequenez.


publicado por canetadapoesia às 00:11
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 25 de Julho de 2017

Um porto na Europa (2017-06-15)

 

 

Em terra e tão afastado que a surpresa não podia ser maior.

soou estrondoso, grave,

surgiu mesmo como aberrante

nesta paisagem de verde bucólico

que aqui nos envolve.

Mas emergiu do silêncio

com a característica rouquidão

das trombetas que do mar fazem os sons mais graves,

porque o final era um porto!

Um porto de mar,

onde grandes cruzadores do oceano se encontram

para breves momentos de descanso,

que o mar, esse inesperado gigante,

não lhes dava nenhum momento de tranquilidade

enquanto nele se envolviam.

Um porto, é o que é!

Um porto tão fustigado e destruído,

quando os homens decidiram que para ele nada podia entrar,

nesta devastada Europa de guerras infernais

e de infindáveis desavenças.

A mesma que ora queremos preservar

em união que se prolongue pela eternidade

como símbolo da paz e prosperidade, cultura e civilização!


publicado por canetadapoesia às 00:23
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 21 de Julho de 2017

De cada momento (2017-07-21)

 

 

Década momento

De cada bocadinho de momento

De cada olhar ou escutar

De cada segundo desta eternidade,

Ficará sempre no coração a sensação de que pode ser o último.

Pode não haver mais com a intensidade do silêncio

Que no interior da alma e em aberto sorriso

O coração receba a bênção do amar o que sempre foi amado!

Á minha frente o rosto da minha vida!

E o almoço decorre com uma das únicas coisas importantes

desta passagem rápida e terrena,

a filha que Deus me deu.


publicado por canetadapoesia às 19:59
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 20 de Julho de 2017

Exames (2017-07-20)

 

 

O silêncio da sala esgotado no sulco do papel

pelos instrumentos que servem a escrita.

Pensa-se em silêncio e nele se escreve

o que à lembrança vem,

nem sempre o que mais interessa.

Neste silêncio se enchem páginas

de sonhos no papel vertidos,

de incontidos desesperos por à memória,

não chegarem as necessárias informações,

que ao longo do tempo foram sendo acumuladas.

Rabisca-se o branco imaculado

com carinho ou mesmo raiva,

sempre no silêncio da sala!


publicado por canetadapoesia às 23:23
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 17 de Julho de 2017

Sonolentos (2017-03-20)

 

 

Procuram desesperadamente um lugar sentado

onde possam descansar o cansaço de um sono mal dormido.

São as preocupações dos dias que aí vêm

e mais daqueles que já passaram.

São as preocupações do fim do mês que se aproxima

e também do outro que vai começar.

O sono sobressaltado, a vida em correria

e as preocupações em crescendo!

É a vida!

A vida de quem procura o sustento diário

correndo, correndo sem um destino escolhido,

correndo para o destino que não procurou,

correndo para a vida que lhes dá o pão

e nessa desenfreada correria que lhes retira a vida

procuram sonolentos um lugar sentado,

nas carruagens de um comboio que os transporta

do berço à cova que os há de cobrir.


publicado por canetadapoesia às 00:31
link do post | comentar | favorito
Sábado, 15 de Julho de 2017

Willys, cansou-se e não andou mais


Em homenagem ao meu pai que tá precocemente nos deixou.



 



Porque faz hoje cinquenta e um anos!



Porque apesar da passagem do tempo a saudade se mantém imensa e inalterada!



Porque sinto e sempre senti a tua falta meu pai!



 



Willys, cansou-se e não andou mais



 



“Era uma criatura excepcional, Willys, assim se chamava, jeep para os menos próximos, nome completo Jeep Willys, uma criatura levada da breca. Quase só chassis, motor e pneus, mas, como se diria hoje, sempre a abrir. Nascida propositadamente para equipar o exército dos USA na segunda grande guerra e ali, nos confins das matas de África, corria picadas, desbravava caminhos e respirava o ar puro de tanta vegetação.



 



Criatura danada que tanto nos deu sem pedir mais que o líquido que lhe matava a sede e lhe dava força para a caminhada, e se bebia.



 



Obrigado Willys, nunca te esqueci.



 



Ainda hei-de contar aquela noite que não quiseste andar no meio da mata cheia dos perigos da noite africana, fiquei zangado, era pequenino e tinha muito medo, mas sabias que o meu pai nunca deixaria que nada de mal me acontecesse.



 



Eras uma sábia criatura, vias longe e não tinhas pressa. Eras a minha criatura preferida e sabias que assim era.”



 



Assim acabei a estória do Willys em texto anterior e com estas últimas palavras quero deixar o testemunho do dia em que ele nos deixou apeados.



Portou-se mal o sr. Willys, não se faz, sabendo que era a nossa única oportunidade de viajar por aqueles caminhos, deixar-nos assim sem transporte foi mesmo muito mau.



Por uns breves momentos senti a raiva a subir por mim a cima, por causa dele, senti que não estava a ser nada generoso ao abandonar-nos à nossa sorte tão longe de casa. Depois de começar a caminhar a coisa foi-se compondo ao mesmo ritmo que subia o medo que me assolava, fui desculpando-o numa perspectiva de excesso de trabalho e cansaço acumulado, o que hoje se chamaria stress, que o levou a soçobrar em plena picada.



Ah! Sr. Willys, se soubesses o “cagaço” que me pregaste, estou certo que farias mais um esforcinho para conseguires chegar a casa ou, pelo menos, mais perto de local seguro. Mas não conseguiste, foste-te abaixo das canetas, estás perdoado.



Tínhamos saído de Bolongongo, onde tinha acompanhado o meu pai que ali se tinha deslocado em serviço, aqueles serviços que se prestam a vizinhos de roça do mato, empresta aí que logo te empresto eu, era uma verdadeira entreajuda. Perto do fim da tarde pusemo-nos a caminho de Quikulungo, a caminho da roça Quito. Um bom par de quilómetros que se fariam rapidamente se aquilo fosse uma scut, mas não era, era uma picada reconhecida, apenas, porque mostrava os rodados das máquinas no calcar do capim da mata.



À partida tudo estava normal e o willys não denunciava qualquer alteração ao seu estado de saúde, ligada a ignição, roncou como um leão da selva, tremeu durante uns minutos, era o aquecimento, diziam os expert na matéria.



Acalmou-se e ficou-se pelo ronronar baixinho até ao momento da primeira aceleração e do lento arranque, que o meu pai era cuidadoso e sabia que levava ali, mesmo ao lado, sem cinto de segurança e sem porta, só agarrado a um dispositivo metálico em arco que se distinguia no tablier do Willys, o seu rebento.



Estrada fora a uma vertiginosa velocidade de quase cinquenta quilómetros, lá fomos andando até que, a determinada altura e ainda em terreno plano, o Willys dá um imperceptível sinal a que não se deu atenção nenhuma, tal a confiança naquela máquina. Se o tivéssemos atendido estaríamos mais perto da partida, em terreno mais favorável e mais seguros, mas não, ele tinha era de chegar ao destino, esforçou-se, mas não conseguiu.



Engasga-se, uma vez duas vezes, leva uma aceleradela maior, parece que desentupiu e lá foi mais um bocado, aproximava-se o morro, subiu sem dificuldades e a respirar toda a sua pujança, alcançámos o cimo do morro, daqui para a frente uns bons quilómetros a descer, sem problemas.



Mas o Willys esgotou-se com o esforço da subida do morro, engasgou-se de novo, outra vez, com mais força, as aceleradelas já não resultavam e o Willys quedou-se mudo enquanto efectuávamos a descida do morro.



Mais tentativas para o reanimar, deixá-lo seguir em roda livre e de repente atirar-lhe com uma segunda arranhada, nada, mais um bocado a descer, pode ser que com mais velocidade lá vá.



Não foi. Andou, em roda livre, enquanto houve morro para descer, assim que apanhámos o planalto a que se seguiria outra subida, bem mais pequena que a anterior, parou. Nem para a frente, nem para trás, simplesmente esgotado. Não adiantaram as várias tentativas de o reanimar, parecia que queria acabar os seus dias naquele local, aprazível por sinal.



Repentinamente, a noite, como sempre em África, despertou, abruptamente e ajudada pela densa cobertura da floresta cerrada, em que as árvores cobriam por completo a picada, deixando um espacinho minúsculo, quase um túnel de pequenas dimensões para a passagem do Willys, a escuridão tornou-se ameaçadora.



Nada mais a fazer, as “imbambas” ficaram no sítio onde estavam, que ali não havia ladrões, no dia seguinte se recuperaria a viatura e a carga. Toca a andar, caminhar noite fora, numa zona pejada de feras e sobretudo onde o rei da selva ainda mandava a seu belo prazer, um susto.



Como nos defenderíamos do ataque de um qualquer animal na sua hora predilecta de caça? Com nada, excepto uma pequena pistolita de seis milímetros que, por artes mágicas, o meu pai retira do bolso. Grande arma, apropriada para eliminar leões, sim senhor.



Bem, naquela altura com cerca de sete ou oito anos, aquilo pareceu-me um canhão, senti-me mais aconchegado, embora o maior seguro fosse sentir a mão de meu pai a segurar a minha, para que eu não me perdesse ou ficasse afastado dele na caminhada que teríamos de fazer.



Não sei nem me lembro quanto tempo caminhámos, a sua mão esquerda na minha direita e na sua direita o tal canhão, foi muito, horas largas, penso eu, quase sempre debaixo daquele matagal que não deixava ver nada nem para os lados nem para cima.



De quando em vez uma clareira, surgida sabe-se lá de onde, permitia-nos vislumbrar um esplêndido céu estrelado, daqueles que só é possível ver em lugares sem poluição e este era um deles, pareciam pintadas no céu, tantas e tão brilhantes estrelas. Pirilampos eram aos milhares, os sentidos sempre alerta detectavam os ruídos, ainda que menores, como sendo ameaçadores e, como tal, aterradores.



Conseguimos chegar sãos, salvos e derreados à roça já a madrugada ia alta e as gentes se encontravam esperando em sobressalto e prontas para sair à nossa procura, sem que tenhamos sido molestados por qualquer animal, se calhar não passámos pelas suas áreas de caça, foi uma sorte ou outra coisa.



AH! Se houvesse telemóveis naquela altura, que maravilha seria.



No dia seguinte, voltei a acompanhar o meu pai, agora numa missão mais importante, resgatar o sr. Willys e as “imbambas” que carregava. Lá estava no local onde o deixáramos na noite anterior, impávido e sereno como se tivesse tido uma noite descansada.



Não trabalhou, foi rebocado, reparado e voltou a sulcar os trilhos da aventura de uma vida.



Apesar do susto, obrigado Willys, nunca te esquecerei.


publicado por canetadapoesia às 22:49
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 7 de Julho de 2017

Porque é urgente (2017-03-18)

 

 

Que nos encontremos numa esquina qualquer,

talvez numa esplanada desta cidade,

daquelas banhadas por este sol que é só nosso.

É urgente que nos olhemos nos olhos,

sem que o que possamos ver um no outro

seja impeditivo de nos continuarmos a encontrar.

Esta urgência impõe-se pela necessidade de falarmos do futuro!

Desse futuro que é já agora e é nosso também, sobretudo,

é o futuro dos que nos seguirão e nesta pressa que temos

estamos a descurar na nossa vergonha.

Portanto, é mesmo urgente que discutamos o assunto,

porque se faz tarde e o futuro é já ali, é agora!

É urgente que não desperdicemos a oportunidade

e este é o momento exacto,

porque o futuro já está entre nós!


publicado por canetadapoesia às 21:45
link do post | comentar | favorito

Mais sobre mim


Ver perfil

Seguir perfil

. 14 seguidores

Pesquisar

 

Setembro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
13

18
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Posts recentes

Nada sei de poesia (2011)

Espuma (2011)

Estradas (2019-08-01)

Paisagem Irlandesa (2019-...

Sim, eu sei… (2019-09-16)

Quando olho para trás (20...

A casa (2019-07-20)

Por estes amores (2019-07...

Se não te respondo… (2019...

Coisa boa, esta Lisboa (2...

Arquivos

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Links

SAPO Blogs

subscrever feeds