Terça-feira, 28 de Novembro de 2017

Tenho silêncios… (2017-11-04)

 

 

Tenho silêncios que não quebro,

por respeito à poesia.


publicado por canetadapoesia às 00:11
link do post | comentar | favorito
Sábado, 25 de Novembro de 2017

Silêncio de ouro (2010)

 

 

Fiquei em silêncio,

olhando sem ver,

ouvindo sem ouvir,

falando sem falar,

só o silêncio respondia.

Pode não ser de ouro,

como dizem,

mas era o meu silêncio,

e para mim era mais que ouro,

nele tudo se expressava.

Era o meu silêncio.


publicado por canetadapoesia às 00:24
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 24 de Novembro de 2017

Madrugada (2014-12-06)

 

 

Atravesso a madrugada,

em silenciosas pontas de pés,

o ruído ausente na noite

exacerba-me os sentidos,

e um ouvido quase nulo no dia,

transforma-se numa máquina de captação de sons.

O cão sobe as escadas, dá três voltas e,

encolhe-se no catre estrategicamente colocado,

na noite, agora,

só o barulho ensurdecedor do virar das páginas

de um livro denso e que já vai longo,

da parede oposta saem sons nocturnos,

de uma esgazeada noite não terminada ainda,

rangem as camas, gemem as pessoas,

não me afectam, oiço e sorrio, a noite dos sonhos.

E de repente o silêncio absoluto cai no mais profundo dos oceanos,

nesta noite escura, quente ainda,

que para mim começa agora.


publicado por canetadapoesia às 00:17
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 23 de Novembro de 2017

Pedras da calçada (2015-05-02)

 

 

As pedras calcadas,

gastas até à exaustão,

reflectindo a cultura,

demonstrando a exactidão

de quem laboriosamente as coloca,

criando desenhos,

pintando sonhos,

alindando Lisboa.


publicado por canetadapoesia às 00:50
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 22 de Novembro de 2017

Tantos anos passados… (2017-11-20)

 

 

Se passaram! Anos sobre anos!

Foram tantos que os podemos contabilizar,

em mais de quarenta.

De tanta promessa feita, de tanta demagogia distribuída,

nada se viu até agora que nos permita afirmar que,

o paraíso na terra das promessas não foi alcançado uma só vez!

Em troca do mel e especiarias prometido,

foi entregue em caixas herméticas,

o chumbo da morte, a perseguição e o saque generalizado

que em má hora lhes foi permitido.

De tantos anos de uma guerra que,

apesar disso, desenvolvia e criava,

se substituiu por outra, mais mortífera e destruidora,

ujo prolongamento se perdeu no tempo

pelo triplicar dos anos que durou!

Das promessas…

Restou a miséria com que milhões de seres sobrevivem,

Para bem da meia dúzia que os encheu de promessas

de futuros risonhos, cheios do pote do mel a que nunca chegaram.

São as abelhas humanas que ao contrário das reais,

não produzem o mel, mas sugam as flores,

distribuindo a morte e a miséria para seu próprio proveito!


publicado por canetadapoesia às 01:04
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 20 de Novembro de 2017

Por norma e em regra (2015-05-13)

 

 

Quase sempre é assim,

e sempre que se retraem,

quando se recusam a questionar,

a tirar qualquer dúvida,

a esclarecer um assunto necessário,

recolhem-se humildemente ao silêncio.

Quando, por fim, podem expor,

tudo o que lhes vai na alma,

no anonimato de uma folha apócrifa,

despejam o fel e o vinagre,

sobre quem os quis sempre apoiar.

A natureza humana no seu melhor,

no escuro profundo dos seus silêncios,

na coragem e bravura do anonimato.


publicado por canetadapoesia às 23:38
link do post | comentar | favorito
Domingo, 19 de Novembro de 2017

As pombas e Lisboa (2014-10-21)

 

 

Soltas e espalhadas

pelos calores que do sol

as agarram ao verde da relva,

as pombas de Lisboa,

espraiam-se pelos jardins

desta cidade que,

até podia ser maravilhosa.

Nas suas cores outonais,

com vislumbres do calor

de um verão mal terminado,

Lisboa dos amores

e dos eternos calores,

sempre maravilhosa,

apesar de poder não o ser.


publicado por canetadapoesia às 23:41
link do post | comentar | favorito
Sábado, 18 de Novembro de 2017

Ao cair da tarde (2014-11-16)

 

 

Ao cair da tarde,

depois de lauto almoço,

africano no gosto e na poesia

dos encontros esquecidos,

de um tempo inesquecível,

solta-se o som de uma música

que não é indiferente,

crescemos com ela, vibrámos com ela,

e com ela nos reencontramos

ao cair da tarde de Lisboa,

como se fosse diferente do cair de tarde do Prenda,

ou de qualquer outro dos bairros da meninice,

em que o som dos batuques

anunciavam a noite quente de África.

Ao cair da tarde,

o som da saudade, a poesia de uma vida,

rica em diferenças poéticas.


publicado por canetadapoesia às 22:49
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 17 de Novembro de 2017

Abstracção (2015-05-01)

 

 

Na abstracção total,

entrecortado o silêncio

pelo longínquo ruído das vozes

que na tarde não se apagavam.

Fez-se luz.

Olhou à volta e viu o mundo

das diferentes gentes que por ali deambulavam.

Um mundo de diferenças,

um mundo de semelhanças,

um mundo por acertar.


publicado por canetadapoesia às 22:50
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 16 de Novembro de 2017

Tenho saudades… (2017-11-06)

 

 

Tenho saudades que não demonstro,

por pudor e recato.


publicado por canetadapoesia às 22:45
link do post | comentar | favorito

Mais sobre mim


Ver perfil

Seguir perfil

. 15 seguidores

Pesquisar

 

Dezembro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Posts recentes

O vento (2011)

Encontro de titãs (2011)

Queria e não queria (2011...

Náufraga (2011)

Dias de doidice (2011)

A alvura de uma folha de ...

Corre-me nas veias (2011)

Olhos cansados (2011)

Houve um tempo de pecado ...

Frio, calor (2011)

Arquivos

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Links

SAPO Blogs

subscrever feeds