Domingo, 30 de Junho de 2019

Tão só (2015-02-21)

 

 

É que às vezes, demasiadas acho eu,

sinto-me mesmo só, ainda que no meio da multidão,

mesmo com o ruído insano e elevado

que me envolve e eu ignoro estoicamente

por necessidade do isolamento que a mente,

castigadora e severa me impõe.

Nessas alturas, tantas que são,

ouço a alma que me segreda

coisas de espantar e conselhos,

tantos são que não consigo segui-los,

mas a alma, essa gestora de mim,

dos meus momentos, dos meus silêncios,

obriga-me à castidade mental,

e eu sinto-me, muitas vezes,

tão só, neste mundo repleto de gente.


publicado por canetadapoesia às 23:16
link do post | comentar | favorito
Sábado, 29 de Junho de 2019

Ambiências (2015-01-16)

 

 

À volta o ruído impróprio,

quando se quer silêncio,

quando se procura inspiração,

quando se quer escrever,

quando a alma intenta poetizar.

São chávenas e copos, são pratos e talheres,

tudo bate, tudo cai ou,

é atirado sem parcimónia,

para recipientes de lavagem,

ou mesmo de reciclagem.

Mas ao fundo da sala,

da mesa mais distante e recatada,

sai um ruído diferente,

e o que foi incomodativo se transforma,

em surpresa pelo agradável que era,

tão somente ligeiro e humano,

um choro de criança.

Que agradável momento.


publicado por canetadapoesia às 23:42
link do post | comentar | favorito

Passas despercebido (2015-02-16)

 

 

Esquivas-te pelas esquinas da vida,

nas ruas que percorremos

procuras os vãos que te acoitam

e passas despercebido

aos olhos que não querem encontrar-te.

No deambular pela cidade

quase não dão por ti,

mas estás lá,

em cada esquina da vida,

em cada esquina da cidade,

em todas as esquinas

que a vida madrasta te oferece.

Não vêm, porque não querem,

assusta-os poisar o olhar em ti,

horroriza-os saber que são cada vez mais,

que podem vir a ser um deles

e desviam o olhar pensando que

assim se afastam do flagelo.


publicado por canetadapoesia às 12:23
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 28 de Junho de 2019

Deusa da bicicleta (2014-10-21)

 

 

De manhã sai de casa,

de bicicleta se aventura

e pela cidade vai pedalando,

em Lisboa,

a deusa da bicicleta,

pela manhã,

que à tardinha,

quase a juntar-se à noite,

a deusa do pedal

qual Cinderela se transforma

na deusa do desejo

que na noite que se avizinha,

atormenta a libido,

desperta a imaginação e

acompanha os sonhos

que iluminam esta escuridão

e alimentam a solidão.


publicado por canetadapoesia às 21:17
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 27 de Junho de 2019

Que escuro se faz (2015-01-15)

 

 

A noite cai com uma abundância do silêncio

que procuramos incessantemente,

e de repente,

sentimos que nos agride,

que afinal,

tanto silêncio

nos deixa sós.

E fechamos os olhos

na tentativa de o afastar,

mas já não é possível.

Chegou,

instalou-se e não nos larga.


publicado por canetadapoesia às 22:21
link do post | comentar | favorito

Meia noite e uma mulher (2014-08-31)

 

 

Dormia já parte da cidade,

ao balcão pedias uma sopa com que confortarias o estômago,

para a noite que não permitiria o sono do descanso,

pediste um café e tinhas assim composto a refeição.

Uma sopa e um café.

Pagos já com alguma da receita da noite,

e ainda havia tanta pela frente,

Na tua idade?

Quando devias estar no remanso de uma quente cama,

ainda labutavas pela noite fora,

servindo quem de ti se servia sem saber que,

pela noite fora tinhas por companhia uma simples sopa,

e um café para te manter acordada,

para atender tantos clientes que,

apesar da tua avançada idade ainda te procuravam.

Mundo cão, país infecto que permite tais aleivosias,

que vira a cara de nojo para não te encarar,

e na próxima esquina te procura para de ti se utilizar.


publicado por canetadapoesia às 11:24
link do post | comentar | favorito

Quando a noite… (2015-01-01)

 

 

Quando a noite cai,

com o peso da escuridão,

duas lágrimas de orvalho,

frias, solitárias e brilhantes,

resvalam da folha pendente,

de que o dia guardou o verde.

E a noite, calma e serena,

escuta a sua queda,

num silencioso ribombar.

Duas gotas de orvalho,

vergaram a folha,

que se agarra à árvore da vida,

mas não segurou o orvalho.


publicado por canetadapoesia às 00:17
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 25 de Junho de 2019

Foi primavera (2015-05-04)

 

 

Floriram e espalharam-se por toda a cidade,

foi Abril e floriu,

abriram-se as portas que se fechavam,

na masmorra da memória,

soltaram-se os cravos, vermelhos,

e eram raivas, sonhos em mutação,

caminhando por ruas e ruelas,

levando a nova a outros recantos,

trazendo em troca,

alegrias e tristezas, envolvimentos e abandonos,

mesmo que outros jardins murchassem,

era Abril e a primavera floria.


publicado por canetadapoesia às 22:44
link do post | comentar | favorito

A minha noite (2014-12-24)

 

 

Hoje vou deitar-me num colchão de nuvens,

alvas, na escuridão da noite,

porque está fria,

hei-de cobrir-me de um manto de estrelas,

tão brilhantes e luminosas,

que me embalarão o sono.

 

Porque a noite é serena,

e amena, mesmo com frio,

consigo traz o silêncio que induz à reflexão,

deixarei voar o pensamento,

e por entre sonhos e aspirações,

encararei o novo dia, como novo.


publicado por canetadapoesia às 00:01
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 24 de Junho de 2019

Bom dia

 

 

Nem bom nem mau, diferente,

porque é primavera,

porque chove a cântaros e não devia,

já era tempo de o tempo estar ameno,

apetecível para calcorrear as ruas da cidade,

quente para aquecer os corpos,

o nosso e os outros a que gostamos de deitar o olhar.

Já era tempo que este tempo invernoso,

agitado e molhado, se aquietasse e,

por uns dias que fosse nos desse uma primavera,

daquelas de que ainda nos lembramos, a sério,

cheia de passarinhos a chilrear, flores a desabrochar,

e o sol, esse sol que tanta falta faz,

a fazer-nos tremer do prazer de sentir o seu calor.

Que maravilha de sensação sentir o corpo a aquecer.


publicado por canetadapoesia às 21:33
link do post | comentar | favorito

Mais sobre mim


Ver perfil

Seguir perfil

. 15 seguidores

Pesquisar

 

Novembro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
13
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Posts recentes

Prazeres da carne (2011)

Hoje (2011)

Ausência (2011)

O infinito olhar (2011)

Guardador de sonhos (2011...

Aparências (2011)

A esquina mais próxima (2...

Havia árvores (2011)

A concha (2011)

Voracidade (2011)

Arquivos

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Links

SAPO Blogs

subscrever feeds