Sábado, 30 de Novembro de 2019

Olhos cansados (2011)

 

 

Porque olho o horizonte

e dificilmente distingo para lá das sombras

que ao longe se opõem ao meu olhar

dispersando os sonhos que antes ali bailavam,

já não perco o meu olhar deslumbrado

a juntá-los peça a peça.

Olho o horizonte,

só por olhar,

não espero que me traga novidades

que sejam diferentes das que me tem trazido.


publicado por canetadapoesia às 23:02
link do post | comentar | favorito

Houve um tempo de pecado (2011)

 

 

Houve um tempo em que não tivemos noites,

não podíamos,

éramos pecadores e nem nos confessávamos,

porque o segredo, o nosso segredo,

consistia no anonimato.

Mas houve tardes,

e tantas que se tornaram poucas

para extrair todo o pecado que em nós morava.

E pecámos.

Sucessiva e consequentemente,

em tardes inteiras que acabavam ao anoitecer,

em dias que fazia chuva e frio,

em dias em que o sol abundava,

mas no recanto do nosso pecado o frio era uma constante

e só assim se compreende que nos abraçássemos,

tão arrebatadoramente nos agarrássemos

e que assim consumássemos nosso pecado.


publicado por canetadapoesia às 01:15
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 28 de Novembro de 2019

Frio, calor (2011)

 

 

Faz frio e já fez calor em abundância,

mas este corpo sente agora,

as temperaturas que o conservam.

 

Um corpo, nada mais,

que parece um termóstato,

ora incha de calor,

incomodado com a cozedura,

para logo se encolher quase à posição fetal,

de tanto arrepio temperado.

 

Faz frio ou faz calor,

Estica ou encolhe,

mas o corpo é o mesmo,

é ele que sente esta mudança,

como todas as mudanças a que está sujeito.


publicado por canetadapoesia às 23:35
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 27 de Novembro de 2019

Na noite (2011)

 

 

Na noite crescem os temores,

da escuridão da solidão,

do vendaval dos pensamentos,

que arrastam anseios e desejos.

 

Na noite surgem os fantasmas,

da vida já vivida,

da vida do futuro,

que transporta a incerteza.

 

Na noite esquecem-se,

os azedumes do dia,

as promessas incumpridas,

que amarguram o presente.

 

Na noite escondem-se,

as proibições da luz,

aquecem-se os amantes,

desabrocham os amores.


publicado por canetadapoesia às 23:31
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 26 de Novembro de 2019

Do teu mel (2011)

 

 

Como zangão esvoaço,

sobre a colmeia de teu corpo dourado,

e na ponta de teus seios,

bebo as gotas do mel que o cobre,

percorro-o e provo

o favo mais doce da tua colmeia.


publicado por canetadapoesia às 00:11
link do post | comentar | favorito
Domingo, 24 de Novembro de 2019

Nas curvas do rio (2011)

 

 

No luar do teu olhar,

naufrago nas noites frias.

Com as gotas do teu suor me inebrio.

E nas curvas do rio que és,

anseio pelo turbilhão da catarata,

em que me hei de afogar.


publicado por canetadapoesia às 20:47
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 22 de Novembro de 2019

Botões de rosa (2011)

 

 

Tua pele não era seda,

mas ao tacto, aveludada,

de um tom rosa pálido,

ainda não tocado pelo sol.

 

No peito,

dois botões de rosa,

pequeninos,

eriçados,

vibrantes de emoção.

 

No coração,

a grandeza de ser mulher,

com o turbilhão de emoções,

que tudo alberga,

e a todos protege.


publicado por canetadapoesia às 19:16
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 21 de Novembro de 2019

O embondeiro (2011)

 

 

Éramos muitos,

para aí uns dez ou mesmo mais,

íamos agora tirar a prova dos nove,

seria que era tão grande como parecia?

Demos as mãos,

começámos a rodeá-lo,

braços esticados,

mais esticados ainda,

não chegávamos,

precisávamos de mais um ou dois,

e sempre em esforço, bem esticados,

conseguimos rodeá-lo.

Era enorme na verdade,

chegámos aos dez e só assim o rodeámos.

Afinal a fama do embondeiro era verdadeira,

eram precisos muitos homens,

encostadinhos a ele, bem esticados,

para lhe sentirem o coração.


publicado por canetadapoesia às 20:43
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 20 de Novembro de 2019

Olho-te porque sim (2011)

 

 

Não te olho por cobiça,

sei que és uma estátua cinzelada por excelente escultor,

mas não é isso que eu vejo quando para ti olho.

Procuro ler-te nesses olhos inconclusivos,

quero ter uma sensação de te abrir o coração,

aprisionar os teus pensamentos,

adivinhar o que procuras.

Ao teu corpo, esbelto,

desejo outras volúpias,

aquelas que nem as mãos conseguem esculpir,

mas que os olhos não deixam escapar.


publicado por canetadapoesia às 18:00
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 19 de Novembro de 2019

Fina e elegante (2011)

 

 

Num céu escuro

de onde sobressaem as estrelas,

luminosas, brilhantes de piscadelas,

apareces, lua,

não sei se em quarto,

mas em fatia.

Muito fina e delgada,

elegante na aparência,

espalhas o teu brilho,

ofuscas as outras estrelas

e brilhas,

brilhas como só tu o sabes fazer.


publicado por canetadapoesia às 22:57
link do post | comentar | favorito

Mais sobre mim


Ver perfil

Seguir perfil

. 15 seguidores

Pesquisar

 

Dezembro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Posts recentes

O vento (2011)

Encontro de titãs (2011)

Queria e não queria (2011...

Náufraga (2011)

Dias de doidice (2011)

A alvura de uma folha de ...

Corre-me nas veias (2011)

Olhos cansados (2011)

Houve um tempo de pecado ...

Frio, calor (2011)

Arquivos

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Links

SAPO Blogs

subscrever feeds