Sexta-feira, 31 de Janeiro de 2020

A saudade antecipada (2011)

 

 

Desceu à doca,

percorreu o finger,

aproximou-se do sonho,

deu umas passadas à sua volta,

apreciou-o como nunca o tinha feito.

De repente bateu-lhe uma saudade,

daquele objecto de prazer ainda presente,

mas a quem estava prestes a dar asas.

Levantar ferro, na linguagem adequada,

para outras paragens,

para outros corações,

para outros sonhos.

Que lindo ele estava ali

ao sol dourado do início de dia,

brilhava como nunca e mantinha-se irrequieto,

como sempre, ao sabor das pequenas ondas,

não fora os cabos que o prendiam em amarração,

estava certo partiria desenfreado por aquelas águas,

galgando ondas, fazendo bordos,

e a 45º de inclinação, atingiria o sumo do prazer,

na velocidade estonteante que o vento lhe permitia.

Correu-lhe as mãos sobre o casco,

afagou-o tanto como pode,

despedia-me antecipadamente e,

se não fosse a chuva caída na véspera,

diria que também ele deitou uma lágrima.


publicado por canetadapoesia às 22:58
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 30 de Janeiro de 2020

Falando de prazeres (2011)

 

 

Podem simples ou complexos,

fáceis ou rebuscados,

os prazeres dependem de quem os sente,

mas também de quem os desperta.

O que nos dá realmente prazer,

pode ser simplesmente,

tão simples e prazenteiro,

como um almoço numa esplanada,

uma taça de vinho branco, gelada,

e um peixinho grelhado no prato,

mesmo que a mulher na mesa ao lado,

seja a personificação da miss qualquer coisa.

O prazer tem horas, tem momentos,

e nessa altura, a alma sente

o prazer que o corpo deseja.


publicado por canetadapoesia às 20:56
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 29 de Janeiro de 2020

Ardente (2011)

 

 

O sol entrava a rodos,

tinha acabado de cair aquela chuvinha,

miudinha, “molha tolos”, dizem,

e de repente, sem que se esperasse,

perante tão negro quadro,

abrem-se as portas do céu,

e do azul celeste intenso,

aparece o sol ardente,

procura-me com seus raios,

atinge-me com a força do seu calor.

Cerro os olhos a tanta claridade,

encho o peito ao prazer que sinto,

sorrio interiormente,

com a alma cheia e agradada.


publicado por canetadapoesia às 23:10
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 28 de Janeiro de 2020

Amores (2011)

 

 

Do recanto que ocupo,

a vista alarga-se abrangente,

e ao longe, bem para a frente, distingo,

por estes pingos de chuva que teimam em cair,

a estrutura imensa que o homem sonhou,

a agora eleva-se impante sobre as águas,

sobre o rio que lhe serve de leito.

Ao longe é uma pérola,

brilhante sobre estas águas,

ao perto, um prodígio da engenharia,

e à noite, que maravilha,

quando se acendem as suas centenas de luzinhas,

tremelicando sob as estrelas, concorrendo com elas,

sob o plácido olhar do Cristo Rei,

desperta em nós os efeitos

dos prazeres e dos amores.


publicado por canetadapoesia às 22:26
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Segunda-feira, 27 de Janeiro de 2020

Reparos (2011)

 

 

No que primeiro reparei,

quase como num filme,

coisas de homem certamente,

dirão entre dentes para serem simpáticos,

já que as mulheres reparam em outras coisas,

a imponência dos seios, arregalados direi,

numa descrição "sui generis",

mas a que me ocorreu no momento.

Vinham cheios e levantados, arredondados,

muito mais que o tamanho,

que nos meus delírios considero adequados,

mesmo assim, empolados ou não,

assentavam como uma luva,

em corpo tão bem proporcionado.


publicado por canetadapoesia às 20:09
link do post | comentar | favorito
Domingo, 26 de Janeiro de 2020

Levantar de olhos (2011)

 

 

Escrevia as patetices do costume,

dedilhava o teclado ao sabor do que me vinha à cabeça,

textos, poesia, coisas diversas,

pelo rabinho do olho sinto uma sombra,

levanto a cabeça e deixo-a viajar até à janela,

e pelo vidro duplo de que é construída,

assisto ao espectáculo da natureza,

como se tivesse sido preparado só para meu deleite,

cai uma folha seca da árvore em frente,

cai outra e mais outra e,

neste corrupio de quedas, pasmo,

talvez uma rajadita de vento,

ou quem sabe o cansaço da espera de vez,

caem como flocos de neve,

seguidas e em quantidade espantosa.

O espectáculo da natureza em todo o seu esplendor.


publicado por canetadapoesia às 22:09
link do post | comentar | favorito
Sábado, 25 de Janeiro de 2020

Entre o sol e a lua (2011)

 

 

No entanto, o sol nasce,

e, no entanto, a lua adormece-o,

entre ambos nos deslocamos,

e por eles trocamos humores,

também amores se manifestam,

os temores, no entanto, se espalham,

por entre a luz dos dias que nos consomem.

Na noite das luas cheias,

olhamos o céu e sonhamos,

que os dias não passam por nós,

pensamos até em outros sóis,

inexoravelmente, inevitavelmente,

segue-se o dia, sendo que,

mergulhamos no mesmo abismo.


publicado por canetadapoesia às 22:05
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 23 de Janeiro de 2020

Tocas-me (2020-01-15)

 

 

Tocas-me fundo na alma quando me lisonjeias,

com uma das primeiras palavras que o teu léxico,

recém criado,

debita em sonora dicção,

Avô!

Tão simples, tão pequenina e

tão vibrantemente expressa que me atordoa os ouvidos,

Avô!

Quase em simultâneo com as palavras essenciais

da vida que será tua,

Pai e Mãe!

Mas ouvir o som que emites a plenos pulmões e sem reservas,

Avô!

E sorris ao mesmo tempo, sem mais que dizer ou proferir,

Avô!

Que palavra mágica, saída da boca de um anjo.


publicado por canetadapoesia às 20:17
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 22 de Janeiro de 2020

Com tristeza (2011)

 

 

Passam por mim assim,

olhos baixos, cavados,

a tristeza expressa no rosto,

e aquelas faces que outrora,

foram coradas, saudáveis,

são agora uma máscara,

de um passado que não está longe,

mas que se teima em projectar,

num futuro assustador.


publicado por canetadapoesia às 22:16
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 21 de Janeiro de 2020

Esperanças (2011)

 

 

Para a frente o poente,

que o que ficou atrás,

lá muito longe na caminhada,

foi um nascente de esperanças.


publicado por canetadapoesia às 23:15
link do post | comentar | favorito

Mais sobre mim


Ver perfil

Seguir perfil

. 21 seguidores

Pesquisar

 

Setembro 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9


25
26

27
28
29
30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Posts recentes

Vampiragem (2013)

Inquieto (2013)

Na corte (2013)

Conversas cruzadas (2013)

Para uma sandes (2013)

De saia (2013)

O que o corpo pede (2013)

“Luuanda” (2013)

Mar encapelado (2013)

Noite dentro (2013)

Arquivos

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Links

SAPO Blogs

subscrever feeds