Sábado, 29 de Fevereiro de 2020

Mãos que abarcam a vida (2012)

 

 

Sentado à volta do verde,

das plantas que me cultivam,

divirjo o olhar para um vazo,

acabaram de rebentar mais duas,

plantas exóticas, talvez,

nasceram da paixão

que nelas depositaram minhas mãos,

uns simples caroços, sementes.

Crescem desbragadas,

viçosas, mais duas mangueiras,

e para quê? Pergunto,

se não tenho espaço para as criar?

Não sei responder,

é um impulso,

fazê-las crescer, vê-las desenvolverem-se,

são estas mãos que abarcam a vida,

são estes olhos que não se cansam de as ver desabrochar.


publicado por canetadapoesia às 21:32
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 28 de Fevereiro de 2020

Bater de coração (2012)

 

 

Deita a cabeça e descansa,

no recôndito do meu ombro,

aqui,

mesmo ao lado do coração,

sente-o bater pausadamente,

sente-o disparar em tropel desgarrado,

sente-o,

quando ele, por perto, te sente também.


publicado por canetadapoesia às 21:46
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 27 de Fevereiro de 2020

Beijo de passagem (2012)

 

 

Não importa que seja rápido,

não importa que não haja tempo,

o que importa é que exista,

o que importa é o momento,

o que interessa é que no preciso segundo,

em que teus lábios encontrem os meus,

o tempo se conte em séculos de paixão.


publicado por canetadapoesia às 23:23
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 26 de Fevereiro de 2020

O pardal (2012)

 

 

De entre tantos que por ali esvoaçavam,

aquele era especial,

era um pardal só,

não andava com o bando,

sabe-se lá porquê,

preferia o voo solitário,

sempre mais silencioso.

 

Mas também era especial,

porque me escolheu a mim,

era o alvo da sua pesquisa,

quem sabe como mecenas da sua refeição.

Era um pardal especial,

teve uma refeição a condizer.


publicado por canetadapoesia às 19:26
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 25 de Fevereiro de 2020

E ferve silenciosamente (2012)

 

 

Vermelho,

quando o vejo.

Quente,

quando o sinto entre os dedos.

E ferve,

quando impossibilitado de gritar

o interior da minha alma,

o sinto em ebulição extrema,

rasgando veias,

abrindo caminhos,

sangrando sem se ver,

porque a injustiça,

também pode ser invisível ao olhar,

mas o coração sente-a,

e sangra silenciosamente.


publicado por canetadapoesia às 22:10
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 24 de Fevereiro de 2020

O meu nariz (2012)

 

 

É o que é,

e sente os cheiros e os odores,

mas não me engana,

não engana não senhor,

tem todo o ar de ser aquilo que desconfio que seja.

Perdeu-se no tempo a origem,

não se perdeu outra descendência,

que vem de um País,

que vem de onde se concentraram,

que vem das terras Beirãs.

Mas a sua verdadeira origem,

é muito mais profunda,

vem do mundo,

vem de outros mundos,

remonta à antiguidade,

e por muito que olhe vejo-o sempre como acho que é.

Devia estar em terras do oriente.


publicado por canetadapoesia às 22:02
link do post | comentar | favorito
Domingo, 23 de Fevereiro de 2020

No seu mundo (2012)

 

 

Dentro do seu mundo interior em ebulição,

controlava todos os seus anseios, as suas desilusões,

não chorava, mas fervia.

Nada transparecia do que lhe ia no íntimo,

mas mantinha o lume aceso,

e esperava,

que por um acaso da vida

a oportunidade lhe surgisse,

vinda sabe-se lá de onde,

mas uma oportunidade,

uma só,

bastaria para que a explosão se desse,

e desse vulcão se soltasse

a tão ansiada libertação.


publicado por canetadapoesia às 23:12
link do post | comentar | favorito
Sábado, 22 de Fevereiro de 2020

Camões (2012)

 

 

Que ias dando cabo de mim,

não tenho dúvidas,

suava as estopinhas para separar os teus cantos,

quase chorava para ler a tua poesia,

no entanto eras Portugal.

Cantaste a gesta deste povo,

encantaste os que deste rincão se fizerem maiores,

e que mesmo assim,

não te valorizaram como merecias.

Camões, o poeta zarolho,

és o poeta de Portugal.


publicado por canetadapoesia às 20:04
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 21 de Fevereiro de 2020

Uivo do lobo (2012)

 

 

Na noite fria da serra,

por entre neblinas e escuridão,

entre o verde da floresta escura,

o uivo do lobo faz-se ouvir ao luar,

e o arrepio que causa senti-lo por perto,

destitui o humano que em nós existe.


publicado por canetadapoesia às 23:29
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 20 de Fevereiro de 2020

As paredes (2012)

 

 

Fora destas paredes nada é como parece,

fora destas paredes reina a desilusão,

a noite da ignorância, da intolerância,

a noite da profunda escuridão.

 

Espalha-se como um orvalho viscoso,

nas paredes exteriores e nas pessoas,

descobrem-se no discurso cauteloso,

confirmamos nas consciências adormecidas.


publicado por canetadapoesia às 22:23
link do post | comentar | favorito

Mais sobre mim


Ver perfil

Seguir perfil

. 19 seguidores

Pesquisar

 

Julho 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9

13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Posts recentes

O futuro e o passado (201...

Pedalando (2013)

Pelos caminhos (2013)

Apostador de futuros (201...

Arestas (2013)

O verde (2013)

Dentro de mim (2013)

Porquê? (2013)

Todos os dias (2013)

Gosto de ti (2013)

Arquivos

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Links

SAPO Blogs

subscrever feeds