Domingo, 31 de Maio de 2020

Vestido negro

 

 

Nesse teu vestido negro,

cintado a um corpo que se esforça por sair dessa prisão,

alimentas o sonho de quantos em ti depositam o olhar.

E são curvas, lombas, altos e baixos,

libidinosas na sua escultura erótica,

ambiciosas na procura

de algo que sempre afastarás.


publicado por canetadapoesia às 23:08
link do post | comentar | favorito
Sábado, 30 de Maio de 2020

Em cada gota (2012)

 

 

Em cada gota do teu choro,

nova vida se propicia.

Porque em cada uma delas,

propões a renovação,

a criação da vida que nos rodeia.

Em cada gota do teu choro,

sinto o renovar da esperança,

porque vêm repletas da mágoa que sentes,

por cada olhar que deitas sobre a terra.

Chora céu,

Derrama sobre nós as gotas de teu choro,

enche-nos da tua esperança,

cria em nós o acreditar que

haverá futuros promissores.


publicado por canetadapoesia às 23:11
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 29 de Maio de 2020

Fome (2012)

 

 

Privilegiado é como me sinto!

Ainda não passo fome,

mesmo que ao longe distinga os seus contornos,

vou flutuando sobre este mar tempestuoso

onde as ondas me levam ao descaminho

de futuros imprevisíveis.

Não, ainda não passo fome!

Mas vou rareando as ajudas a quem o passa,

não porque não queira ajudar,

mas pelo simples facto de ir atrasando a minha fome.

E, portanto, sou um privilegiado.

Ainda não passo fome!


publicado por canetadapoesia às 21:11
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 28 de Maio de 2020

Os heróis

 

 

Dantes havia heróis,

alguns transformaram-se em justiceiros,

e dessa justiça nada ficou para a história que a injustiça.

Os heróis de outrora escondem-se agora

em recheados sofás de espuma do tempo,

gordos e inchados pelos agraciares da turba.

Calados e silenciosos,

aconchegam-se às novelas televisivas,

fecham os olhos aos males que a sua justiça criou

e que outros têm vindo a aumentar,

e de injustiça em injustiça,

caem os heróis de outrora

que agora calam o novo sofrimento.


publicado por canetadapoesia às 22:04
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 27 de Maio de 2020

Paralelos (2012)

 

 

Traços contínuos ou alternados,

mas infinitamente paralelos,

quererei dizer que nunca se encontram?

Se fossem linhas rectas assim seria,

na escrita as linhas não são muito rectas,

por vezes encurvam-se de forma convexa,

outras vezes de forma côncava,

e seguem apondo letras atrás umas das outras.

E se escrevo de forma autónoma,

sem me apoiar em linhas rectas e paralelas,

contínuo independente,

escrevendo para mim e quem queira ler,

aceitando que me emendem nos meus erros,

que são muitos, mas meus e assumo-os,

escrevendo paralelamente,

e talvez um dia, com coincidência de encontros.


publicado por canetadapoesia às 21:43
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 26 de Maio de 2020

Venda (2012)

 

 

Na venda que me colocam,

não entra claridade,

nada vejo além do que me querem mostrar.

E esta venda,

que deixei me colocassem,

fecha-me os olhos,

mas tapa-me o coração e

tolda-me a razão.


publicado por canetadapoesia às 22:08
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 25 de Maio de 2020

Palavreando (2012)

 

 

De palavras se faz o mundo,

palavreando,

com elas nos entendemos,

com elas nos desentendemos.

Nestas palavras que se soltam,

calmas e doces,

rápidas e amargas,

vamos palavreando

por este mundo que não nos dá palavra.


publicado por canetadapoesia às 21:33
link do post | comentar | favorito
Domingo, 24 de Maio de 2020

Pelo coração (2012)

 

 

Vagueiam sensações dispersas,

neste coração cansado,

a vida que se depara

num relance de olhar,

a saudade dos momentos

que nos viram sorrir,

o desejo do encontro

que não acontece.

O coração, esse, bate e pula

na esperança de que o tempo,

que tudo cura,

nos traga novas do tempo.


publicado por canetadapoesia às 21:51
link do post | comentar | favorito
Sábado, 23 de Maio de 2020

Na cabeça (2012)

 

 

Um vazio se impõe

a esta cabeça adormecida,

vejo o tempo passar,

devagar, devagarinho,

olhando à minha volta

numa sensação de nada.


publicado por canetadapoesia às 21:44
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Sexta-feira, 22 de Maio de 2020

Sem que eu desse por isso (2012)

 

 

Seco, sem assunto,

nada aparece que valha a pena,

escrever é coisa que neste momento se esgota

num vazio escuro,

não sai nada e não é por não olhar a lua,

tentar descortinar o céu azul,

ou até imaginar o mar esmeralda das Caraíbas.

Sem que eu desse por isso,

esvaziei o interior da cabeça,

penso e nada consigo fazer para alterar esta situação.

É assim, acontece aos melhores,

e eu até nem estou entre eles,

resta-me a noite conselheira

que certamente me iluminará,

por entre a escuridão que me rodeia.


publicado por canetadapoesia às 22:26
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

Mais sobre mim


Ver perfil

Seguir perfil

. 19 seguidores

Pesquisar

 

Julho 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9

13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Posts recentes

O futuro e o passado (201...

Pedalando (2013)

Pelos caminhos (2013)

Apostador de futuros (201...

Arestas (2013)

O verde (2013)

Dentro de mim (2013)

Porquê? (2013)

Todos os dias (2013)

Gosto de ti (2013)

Arquivos

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Links

SAPO Blogs

subscrever feeds