Segunda-feira, 30 de Novembro de 2020

Até onde a vista alcança (2013)

 

 

No céu recortava-se a borrasca

em forma de pesadas nuvens negras,

mais próximo, junto a terra,

debruavam-se o cimo dos montes

encabeçados pelo nevoeiro opaco,

aqui e ali coroados de branco.

Na terra que calcávamos,

molhada pela chuva constante,

alagada pelos imensos lençóis de água,

distinguíamos ao longe,

bem para lá do que a vista alcança,

muito além do esticar de um braço,

a monumental catedral de Tuy

encimando as casinhas circundantes,

minúsculas quando daqui as olhamos,

e para lá chegar em corpo o rio Minho e a secular ponte

de ferro forjada e cinzento pintada,

e por cima, até ainda passa, o comboio.


publicado por canetadapoesia às 21:31
link do post | comentar | favorito
Domingo, 29 de Novembro de 2020

Retórica (2013)

 

 

Quando pretendes dizer-me exactamente o contrário,

de tudo o que aos olhos me saltam,

isso é retórica,

quando tentas fazer valer a tua verdade,

contra toda a evidência,

isso é retórica,

quando me queres convencer,

que tens a razão em tudo o que dizes,

isso é retórica,

e eu nada vejo com o que tu argumentas,

e bem tento entender as tuas razões,

mas está a tornar-se muito difícil,

é que a tua retórica não passa disso,

retórica.


publicado por canetadapoesia às 22:27
link do post | comentar | favorito
Sábado, 28 de Novembro de 2020

Opiniões diferentes (2013)

 

 

Diz-me porquê?

Se tens uma opinião que eu defendo como um direito,

porque não hás-de aceitar que tenha uma também?

Diferente, eu sei, mas é esta riqueza

que nos transforma em seres pensantes,

com olhares diversos sobre o mesmo objecto,

com experiências distintas,

com vidas divergentes

mas com o direito a exprimir cada um o seu.

Porque no dia em que acontecer

que uma opinião se sobreponha a outra,

que tenha mais valor uma que outra,

ou que tenhamos todos a mesma,

então sim, temos a certeza que esse dia,

marcará inexoravelmente o retrocesso

de mais de quarenta anos de que queremos fugir,

pelo menos os que ainda têm memória

ou que dela façam uso para reescrever o futuro.


publicado por canetadapoesia às 22:20
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 27 de Novembro de 2020

Angústias (2013)

 

 

Partilho das angústias

de tantos que as sentem na pele

de outros tantos que as receiam,

e vejo o mundo que à minha volta

se transforma numa coisa inexplicável.

E o homem que deveria ser um ser racional

movido pela paixão das causas que engrandecem o mundo,

recolhe-se ao rincão da nulidade traição,

e procura em cada momento sobrepor-se

a todos os que o rodeiam sem a malícia do mal

que se desenvolve em mentes retorcidas,

gabadas de universidades cursadas,

mas esquecida das correntes que à vida dão vida.


publicado por canetadapoesia às 23:07
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 26 de Novembro de 2020

Partir (2013)

 

 

Parto, parto hoje e deixo aqui,

bem expresso que o faço sem querer,

sem intenção, mas com obrigação,

outros momentos me aguardam,

outras sensações me esperam,

nesta distância que agora começa,

haverá momentos de desespero,

de saudades mesmo,

mas também e certamente,

momentos de pura loucura,

em que só o amor pode reinar.


publicado por canetadapoesia às 23:50
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 25 de Novembro de 2020

Pelo olhar (2013)

 

 

Não sei se estou aqui olhando o que não quero,

sei que procuro um olhar,

e se nessa procura o encontrar,

sei que não foi em vão o meu,

porque nesse momento em que as pálpebras

ofuscadas se fecharem e abrirem,

foi encontrado o propósito da vida,

e nesse momento o amor fala mais alto.


publicado por canetadapoesia às 21:36
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 24 de Novembro de 2020

Vogando sobre as nuvens (2013)

 

 

Sinto que viajo no tempo,

vogando sobre nuvens,

ora escuras e carregadas,

ora claras e calmas,

sou isso mesmo que me sinto,

um viajante de um tempo que não controlo,

um viajante sem passaporte,

que circula nesta atmosfera

onde há tanto tráfego,

e eu já não pertenço a este sururu,

que me quebra a alma de penas por cumprir,

que me devasta o coração sem rumo.


publicado por canetadapoesia às 23:03
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 23 de Novembro de 2020

Pequeno pavio (2013)

 

 

Senti o ruído da cabeça do fósforo,

raspou ao de leve na superfície áspera da caixa,

acendeu-se à velocidade da luz e dela fez iluminação,

aproximei-o com cautela da vela, virgem ainda,

que o aguardava na serena pacatez da cera que a compunha,

ao seu pequeno pavio encostei a minha chama intensa,

acendi-o, iluminou-se, contorceu-se um pouco,

mas a vibrante chama com que me mimoseou,

iluminou minha noite e estonteou-me a memória,

já não me lembrava como as velas acendiam,

como se contorciam os seus pavios,

mal o fogo intenso se lhes chegasse e as iluminasse,

mesmo que isso significasse queimar-lhes o pequeno pavio.


publicado por canetadapoesia às 22:07
link do post | comentar | favorito
Domingo, 22 de Novembro de 2020

Ironia do destino

 

 

O cristal que deveria ser transparente e brilhante,

serviu de mote ao que seria uma noite de horror,

e nela se inscreveram, nas páginas da história,

o início da perseguição oficial aos judeus alemães,

nela se escreveu que aqui começava algo inexplicável,

que homem nenhum de bom senso desejaria ver,

o holocausto,

o extermínio de outros homens,

em sentido lato,

que no restrito, eram crianças e mulheres também.

Por ironia do destino se chamou a esta

a noite dos cristais quebrados,

a noite da violência extrema,

a noite em que o horror saiu à rua vestido de civilização

e em que foram espancados, presos e deportados,

encerrados em campos de concentração,

milhares de homens, mulheres e crianças.

O seu único crime, serem judeus.

O homem não tem limites

no horror e sofrimento que causa a outros,

mas por favor,

não esqueçamos esta barbaridade,

que jamais poderemos permitir que se repita,

como um buraco escuro na história da humanidade.


publicado por canetadapoesia às 22:02
link do post | comentar | favorito
Sábado, 21 de Novembro de 2020

27 de Janeiro de 1945

 

 

Não, não é uma data qualquer,

é a data em que foi descoberto ao mundo

o maior dos horrores de que o homem é capaz,

matar, mutilar, exterminar mesmo o seu semelhante.

Qualquer descrição será sempre benéfica

face ao horror de quem suportou estas selvajarias,

e o homem fê-lo,

em nome de qualquer coisa,

em nome de uma pureza de raça que,

se o fosse, nunca tal coisa consentiria,

mas o homem fê-lo.

E eu, homem, pergunto-me, porquê?

Se tens à frente o teu semelhante,

um homem como tu,

que diferenças encontras para te transformar,

no animal que nem os animais querem por perto?

Afinal que homem és tu que matas outros homens,

que ser humano és que não conheces a humanidade,

tu, homem que caminhas nas trevas de uma vida de ódio,

de vingança e violência com os que te são mais fracos, pára!

Olha para o alto e segue o exemplo que a história nos traz,

trata o homem como homem,

como ser humano que tu és também.


publicado por canetadapoesia às 20:55
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Mais sobre mim


Ver perfil

Seguir perfil

. 27 seguidores

Pesquisar

 

Outubro 2021

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
12
13
14
16

17
20
23

26
27
28
29
30

31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Posts recentes

Varinha de condão (2014-0...

Frondosa sombra (2014-08-...

País único (2014-08-19)

Arruaças (2014-08-30)

O poeta fingidor (2014-09...

Aparecimento da magia (20...

O primeiro olhar (2010)

No meu bairro (2014-08-14...

De onde venho (2014-09-06...

Esse teu rosto (2014-08-2...

Arquivos

Outubro 2021

Setembro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Links

SAPO Blogs

subscrever feeds

Em destaque no SAPO Blogs
pub