Sábado, 30 de Janeiro de 2021

Pelos céus (2013)

 

 

Um dia vogarei pelos céus,

por entre as alvas nuvens que nos separam,

deitarei um olho cá para baixo,

vou procurar-vos com a vista,

estejam onde estiverem hei de encontrá-las.

Porque mudarei de dimensão

mas não mudarei de amor por vós,

serão sempre princesas a meus olhos,

por eles sempre assim as verei,

mesmo que os feche de vez,

nesta retina cansada ficarão gravadas

para memória futura, como se diz,

mas na minha memória de certeza.


publicado por canetadapoesia às 22:49
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 29 de Janeiro de 2021

Passerelle (2013)

 

 

É um desfile a que se assiste,

glamour e vaidades mundanas,

cercam os oásis da miséria galopante

que longe dos palcos perfumados

se recolhe em caixas de cartão.

Espalhados pela noite,

semi-abrigados por telhados sonhados,

por baixo dos farrapos de cobertores recusados,

olham as estrelas,

espreitam a lua.

Na passerelle não os sonham,

mas sonham também

com outras estrelas,

e sem verem a lua

ignoram a terra que os cerca.


publicado por canetadapoesia às 22:27
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 28 de Janeiro de 2021

O tempo que passa (2013)

 

 

Quando hoje te olhei

senti o tempo que passa por mim,

passou para ti também, mas ainda és bonita,

e como no primeiro dia que em ti depositei meus olhos,

senti aquele arrepio que nos percorre a espinha,

tinhas na face o tempo marcado

em traços e sulcos que a vida foi esculpindo,

mas estavas linda mesmo assim.

Não deixei de apreciar o teu rosto,

as expressões que fazes quando falas,

os teus lábios menos carnudos,

o cantinho da boca num ritual de sedução,

mas o teu sorriso que me encantava

estava igual ao que sempre conheci.

Estavas linda,

apesar do tempo, apesar da vida.


publicado por canetadapoesia às 23:17
link do post | comentar | favorito (1)
Quarta-feira, 27 de Janeiro de 2021

Cosmos (2013)

 

 

Aventurei-me, fui por aí fora,

para além da atmosfera, ultrapassei-a,

e onde outros têm de ir em naves especiais,

vestidos com fatos apropriados,

eu fui, só com a minha roupinha habitual,

nada de fatos pressurizados nem naves espaciais.

Bastou-me levantar os braços,

assim como o super-homem.

Elevei-me nos ares,

ganhei velocidade e num repente,

volteava sobre oceanos e continentes a uma altura,

tão distante, que tudo me parecia feito a uma escala menor.

Era ver-me alucinado,

olhos esbugalhados e abertos ao mundo,

abertos ao mundo na verdadeira acepção da palavra,

porque o mundo estava ali a meus pés,

debaixo do meu olhar.

Dava voltas no ar, fazia o pino e,

até me deitava-me de costas com as mãos sob a cabeça,

incrível o que a ausência de gravidade permitia,

era um autêntico super qualquer coisa.

Foi quando acordei do meu sonho,

mas não deixei de nele pensar.

Reflecti no que o sonho me mostrou e vi,

vi outras coisas,

descobri que podia descortinar os países,

cujo desenvolvimento fosse maior que outros e vi,

com tristeza minha que muitos se mantinham no escuro da noite,

enquanto outros,

luminosos e brilhantes a acendiam, ainda assim,

inexoravelmente caminham para uma nova escuridão,

a humana,

aquela em que o valor das pessoas,

nada significa face ao valor do dinheiro,

uma abjecta civilização que mais tarde ou mais cedo,

criará das maiores escuridões da história,

que já conhecemos e por que passámos,                

mesmo assim, o homem moderno, o sem memória,

não aprende com os erros passados e neles cairá de novo.


publicado por canetadapoesia às 23:29
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 26 de Janeiro de 2021

Nesta chuva miudinha (2013)

 

 

Passeio entre as ervas altas

regadas pela bênção de uma chuva

que de tão mansinha,

as enche de vida,

e piso-as para logo se erguerem de novo,

a força da natureza,

penso com meus botões.

Enquanto o cão rodopia saltitante por entre elas,

satisfeito e feliz,

com os cheiros que da terra exalam

o chamariz da vida e lhe atraem o olfacto.

Passeio o olhar em volta,

verde sarapintado de amarelos, roxos e outras

cores criadas por um Deus que da vida

fez ciência para o homem aprimorar,

não para destruir a vida que da terra sai.


publicado por canetadapoesia às 23:49
link do post | comentar | favorito (1)
Segunda-feira, 25 de Janeiro de 2021

Se fosse hoje (2013)

 

 

Se fosse hoje,

não sei, não sei se seria diferente,

mas de que adianta agora

sonhar que poderia ser diferente

se fosse hoje?

Provavelmente nada mudaria,

ainda que eu pense que sim,

se fosse hoje.

É que a vida tem os seus ritmos,

ciclos que se completam,

e mesmo depois

de tanto sabermos e vivermos,

nada nos diz que seria diferente,

se fosse hoje.


publicado por canetadapoesia às 22:41
link do post | comentar | favorito

Paraíso terreno (2013)

 

 

Quando chego ao meu limite

e te digo que não posso mais,

estou cansado,

tu segredas-me baixinho

ao ouvido,

e dizes-me com incentivo,

podes sim,

vem que eu levo-te comigo.

Caminho na tua vereda

mais do que os limites me garantem,

até ao encontro final,

até ao paraíso terreno.


publicado por canetadapoesia às 00:59
link do post | comentar | favorito
Sábado, 23 de Janeiro de 2021

Engano

 

 

Se descobrimos que apesar do tempo passado

tudo não passa de um engano,

e se, mesmo assim, persistimos no que

comprovadamente se mostra errado,

então não é só engano, deixa de ser um erro,

passa a ser obstinação nossa.

Não, não podemos assim ser,

para obstar a tal dificuldade,

para derrubar muros e barreiras,

que existem no nosso subconsciente,

há que abrir o bloqueio,

despertar os sentidos e ouvir.

Ouvir o que o coração tem a dizer,

sobre a espinhosa existência que

nos leva ao erro, ao engano à infelicidade.


publicado por canetadapoesia às 22:56
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 22 de Janeiro de 2021

O refrão (2013)

 

 

Ouço o som que sai do rádio à minha frente

e repete-se o refrão,

continuamente,

“Não, não sou o único, não sou o único a olhar o céu”.

Instintivamente olho o céu e nem sei porquê,

mas a música e o refrão atraem-me,

perco-me na imensidão de um céu azul

salpicado por nuvens e repleto de luminosidade

que me mostra a eternidade escrita no seu azul,

repleta de significados que tardamos em alcançar.

A eternidade que nos espera,

após a breve passagem terrena.


publicado por canetadapoesia às 22:37
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 21 de Janeiro de 2021

Por sulcos desejados (2013)

 

 

Cai-te a água sobre o corpo,

pingas soltas contra as paredes,

escorrega-te em sulcos,

por onde meus olhos caminham

debaixo de visões libidinosas e

de desejos incontidos.

Não desvio e ainda me atrevo a aumentar a apreciação,

e nesse corpo que amo

deixo sem receios ou reservas

os meus sonhos e anseios.

Procuro-te no prazer de cada encontro,

procuro-te no prazer que só em ti e contigo encontro,

procuro-te,

porque te quero e não te troco,

nem te deixo trocares-me,

porque sou egoísta e por isso,

por muito mais que isso te digo,

que adoro os teus sulcos repletos do líquido,

que formará os rios do prazer,

por onde corremos livremente

sobre a água solta que te cobre.


publicado por canetadapoesia às 23:07
link do post | comentar | favorito (1)

Mais sobre mim


Ver perfil

Seguir perfil

. 25 seguidores

Pesquisar

 

Maio 2021

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Posts recentes

Da língua

Sonhos “insonhados” (2014...

Sempre fiel (2014)

Tarde dormente (2014)

Se dúvidas houvesse (2014...

Caminhos de fé (2014)

Acordei-me a pensar em ti...

Águas límpidas (2014)

Se o tempo voltasse atrás...

De mão dada (2013)

Arquivos

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Links

SAPO Blogs

subscrever feeds

Em destaque no SAPO Blogs
pub