Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Caneta Da Poesia

Caneta Da Poesia

08
Fev21

A magia da lua (2013)


canetadapoesia

 

 

Está mágica a noite, um pouco fria é certo,

mas mágica no sentido em que

nos deixa os sentidos de tal forma engrandecidos

que não conseguimos pregar palavra.

Olhamos o alto e vemos o seu sorriso largo,

a sua luz que nos enche a alma de uma esperança já esquecida

deixa-nos boquiabertos por tanta magnitude.

É linda, é surreal e é mágica,

deixa-nos bem, deixa-nos com a alma renovada.

07
Fev21

Apesar de tudo (2013)


canetadapoesia

 

 

Sorrias sob os escombros em que se transformava esta vida,

onde tudo se esvaía pelos esgotos que

a humana capacidade de estragar alavancava.

Apesar de tudo, sobre estes escombros,

de teus lábios surgiam sorrisos,

tristes na sua grande maioria,

porque os alegres teimavam em se esconder.

E um sorriso teu no meio desta tempestade

fazia surgir o sol que, radioso, brilhava ainda mais,

e refazia as tristezas que insistiam em nos escurecer a alma.

Porque o teu sorriso, alegrava o mundo,

ainda que por dentro,

todo o teu corpo chorasse e sentisse a acidez da vida,

mas sorrias, e irradiavas uma felicidade que

animava tudo ao teu redor,

ainda que não sentisses.

Sorrias para o mundo que te caustica.

06
Fev21

Espumando de raiva


canetadapoesia

 

 

Assim te sinto, assim te vejo, espumando de raiva, incontida,

atiras-te à areia da praia, esbates-te nas rochas duras,

procuras todos os caminhos para alcançar a humana loucura

que te comprime em estreitas margens e

por força da tua raiva tens de ultrapassar.

E eu vejo a alvura da tua ira,

quando na areia deixas a espuma branca

que do teu grito de estertor se solta da profunda garganta,

que estás inquieto, que já nada te tranquiliza.

Passas para além do que é previsível, como se isto fosse certo,

galgas muros, abates dunas, minas os alicerces,

que a divina loucura humana criou nos teus reinos,

derrubas a vaidade dos que te afrontam e se choram

pela raiva que te consome e despejas nas praias desertas,

e mesmo assim, és consciente porque esperas

que as gentes inconscientes se afastem e depois,

sim, depois, atiras toda a tua raiva sobre a terra que te rodeia

e avisas, não se aproximem mais, não se cheguem mais perto,

que eu, no direito à indignação que me assiste,

vou destruir todas as vossas arrogâncias.

Ruges assustadoramente e as gentes encolhem-se.

05
Fev21

De lágrima fácil (2013)


canetadapoesia

 

 

Sou de lágrima fácil,

com alguma dificuldade as contenho

quando diante dos olhos me passam as injustiças.

Sou de lágrima fácil,

quando o sentimento fala mais alto

e a ternura dos momentos me abre os diques.

Sou de lágrima fácil,

mesmo quando as contenho

e no rosto ficam as marcas por onde,

nos sulcos que a vida abriu,

correriam soltas e sem embargos.

Sou de lágrima fácil,

mas só para os momentos em que a alma

se desprende das grilhetas e se mostra no meu rosto,

velho e cansado, mas humano e solidário.

Sou mesmo de lágrima fácil.

04
Fev21

Vazio (2013)


canetadapoesia

 

 

O que sinto?

Um vazio, um buraco,

onde nada entra e de onde nada sai.

Uma sensação de vazio.

Mas no vazio tudo é possível,

encher, encher com contenção,

ou transbordar em rios incontroláveis,

avessos à servidão de que a ganância se alimenta.

E a mansidão, aquela onda serena que nem bate na praia,

num repente de descontrolo se transforma,

na vaga que há de tragar a terra que a rodeia.

03
Fev21

Imagens (2013)


canetadapoesia

 

 

Uma a uma as fui desfiando,

corri-as todas e ainda havia mais,

já não podia continuar, estava cansado.

Ver tantas fotografias, antigas,

imagens de um tempo em que ainda nem imaginava

que um dia viria a sonhar, e se sonhei.

Mas como tudo na vida, foram sonhos,

cada um com a sua estória, com o seu desenlace,

mas sonhos sim e ali estava muito dele.

Repetiam-se de pequenino, a maiorzinho,

os bisavós, os avós, os pais, o irmão,

tiradas aqui e ali, por esse mundo fora,

de São Tomé ao interior de Angola,

pela terra vermelha até à cidade.

Uma infância cheia de riquezas imateriais,

plena de vida,

vivida nas melhores e piores circunstâncias.

Uma infância, uma vida de recordações.

02
Fev21

Frases (2013)


canetadapoesia


 



“Logo que surja a oportunidade”,

frase de esperança e desesperança,

quantas vezes ouvida por quantos a odeiam,

é um chavão que empata, que destrói e,

corrói as esperanças de quem procura.

Como uma sentença,

quem a ouve reduz o seu amor próprio,

queda-se no mutismo da indiferença de quem a profere,

e sem sentimentos que nos humanos

deveriam ser inerentes,

derruba as esperanças de futuros

sonhados e entusiastas.

02
Fev21

Ecoa-me (2013)


canetadapoesia

 

 

Um som próximo, escolhido no momento,

ecoa-me nos ouvidos, anima-me a noite,

soa-me quase silencioso e sentido,

Rachmaninoff Prelude in g minor op. 23  x,

Sobe e desce o tom das teclas do piano,

recosto-me na cadeira,

cruzo os braços por trás da cabeça,

relaxo, e ouço a maravilha que me enche a cabeça,

e pelos ouvidos por onde entra,

invade todo o meu ser de uma imensa serenidade.

Pág. 3/3

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

Caneta da Escrita

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub