Quarta-feira, 30 de Junho de 2021

Mar misterioso (2014-09-02)

 

 

Quando aqui me sento e sinto o vento que me açoita as faces,

olho-te para o fundo do rebelde ondular e nada distingo,

pois apesar da aparente calma da superfície,

muito te vai ardendo no interior misterioso.

 

E penso nas alturas em que homens temerosos de ti,

se atreveram a desafiar a tua fúria e sem pensar duas vezes,

se lançaram na aventura de te atravessar,

sem saberem sequer onde terminarias.


publicado por canetadapoesia às 21:05
link do post | comentar | favorito (1)
Terça-feira, 29 de Junho de 2021

Madrugada fria (2014-08-31)

 

 

Vi-te no etéreo sonho de uma madrugada fria,

senti-te mesmo ao pé de mim.

Voltei-me para o outro lado e lá estavas,

ali continuavas impávida e serena,

atordoando o meu dormir.

 

Não quis saber.

Fechei as cortinas do meu sonho,

Enrosquei-me no edredão,

mudei de canal e deixei de sonhar.


publicado por canetadapoesia às 20:54
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Segunda-feira, 28 de Junho de 2021

A pressa (2014-09-01)

 

 

Quem tem pressa?

E para quê tanta pressa?

Afinal já está decidido o horário e o tempo de permanência,

com muito tempo de antecedência até.

 

Então para quê a pressa?

 

Eu não tenho,

eu quero ter ainda muito tempo,

quero continuar a cheirar a primavera,

a ouvir o chilrear da passarada,

quero sentir as gotas de chuva sobre a cabeça,

quero ver o mundo e as pessoas,

quero saborear as coisas boas da vida,

quero tudo, é certo,

no entanto, contento-me com o que puder ter,

mas sem pressa.


publicado por canetadapoesia às 20:52
link do post | comentar | favorito
Domingo, 27 de Junho de 2021

O cheiro (2014-08-31)

 

 

Cheiro é uma coisa delicada,

pode atraiçoar-nos,

 porque atrás dele, vamos até ao infinito.

Se cheira mal, desviamos o olfacto,

afastamo-nos do local,

mas se é agradável, nem resistimos.

 

Este danado nariz não nos deixa por meias medidas,

por vezes até nos cheira a esturro,

e sabemos que não é um cheiro do nariz,

este vem mais dos sentidos.

 

Mas se o cheiro é de uma boa travessa tradicional,

Ah! Aí todos os sentidos se apuram para ver de onde vem,

e num ápice,

passamos do olfacto ao gosto,

num pulinho estamos no pecado da gula.


publicado por canetadapoesia às 23:07
link do post | comentar | favorito
Sábado, 26 de Junho de 2021

A amizade (2014-09-22)

 

 

Não tem preço nem se compra,

não tem cor e nem sequer tem clube,

existe por isso mesmo, por amizade.

Amigos escolhem-se, quantas vezes por empatia,

não se impõem nem se afirmam,

são simplesmente amigos

porque algo de comum existe entre eles,

um passado, um presente, um terceiro, ou até coisa nenhuma.

Mas quando se perde um amigo,

por vontade própria ou porque ele escolheu deixar de o ser,

é uma tristeza e fica um vazio no estômago.

Questionamos atitudes, acções e coisas mais,

e se não encontramos razoabilidade na postura,

então estávamos enganados,

não era um amigo,

era qualquer coisa que não se sabe,

mas amigo não era,

porque amigo não procede assim.


publicado por canetadapoesia às 23:01
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 25 de Junho de 2021

Um simples humano (2014-08-08)

 

 

Não te curves perante mim,

afinal quem sou eu?

Um simples humano,

Que te olha e se admira com tamanha beleza.

Eu dobro-me para ti,

ajoelho-me se for preciso,

admiro-te do mais baixo que me possa vergar,

mas admiro-te,

pela beleza que não espelha as angústias,

mas pela beleza serena que irradias.


publicado por canetadapoesia às 21:24
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 24 de Junho de 2021

Metades (2014-08-30)

 

 

Porque sou feito de metades,

não me encolho à chuva,

que molha uma delas

mas a outra logo a seca.

 

Porque sou feito de metades,

molho-me, mas seco-me.

 

Porque sou feito de metades,

tenho uma parte triste,

mas a outra é esplendorosa

e brilha e aquece o coração,

porque essa é feita de sol.


publicado por canetadapoesia às 22:17
link do post | comentar | favorito

Menino ainda (2014-08-31)

 

Sem a preocupação da vida

corria os campos do terreiro,

descobria as sombras da mata,

ouvia os passarinhos no alto do cafeeiro.

Com o arco e a gancheta

corria o mundo que só eu descortinava,

juntos e em grupo, vagueávamos pela paleta,

corríamos pelos autódromos do verde que nos encantava.

E ao fim do dia

estacionávamos os bólides,

prontos para o dia que despontaria,

e para as renovadas vontades.

Encostados às paredes de casa,

sem alarmes nem segurança,

ganchetas ao lado,

recolhíamos sem pressa

e retemperávamos forças no sabor da janta.


publicado por canetadapoesia às 00:06
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 22 de Junho de 2021

Pétalas (2014-08-31)

 

 

Vi a flor desabrochar,

preguiçosamente abriu as pétalas ao sol do dia que nascia,

logo uma abelha se acercou,

entrou-lhe entre elas e cheirou, pesquisou,

sugou-lhe todo o pólen que transformaria em mel,

no fim do dia,

cansada de ser extirpada do seu suco,

recolhe as pétalas, dobra-as elegante e pudica,

no seu dar-se ao dia, às abelhas e ao mundo.

 

Amanhã, recuperada da noite retemperadora,

esquecerá o cansaço do dia anterior,

de novo se abrirá em resplandecente estirar de pétalas,

de novo voarão à sua volta e de novo será sugada,

e o mel que daí virá, será tão doce,

como o são as suas pétalas abertas.


publicado por canetadapoesia às 20:53
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 21 de Junho de 2021

O embondeiro (2014-08-07)

 

 

Éramos muitos,

para aí uns dez ou mesmo mais,

íamos agora tirar a prova dos nove,

seria que era tão grande como parecia?

Demos as mãos,

começámos a rodeá-lo,

braços esticados,

mais esticados ainda,

não chegávamos,

precisávamos de mais um ou dois,

e sempre em esforço, bem esticados,

conseguimos rodeá-lo.

Era enorme na verdade,

chegámos aos dez e só assim o rodeámos.

Afinal a fama do embondeiro era verdadeira,

eram precisos muitos homens,

encostadinhos a ele, bem esticados,

para lhe sentirem o coração.


publicado por canetadapoesia às 23:47
link do post | comentar | favorito

Mais sobre mim


Ver perfil

Seguir perfil

. 27 seguidores

Pesquisar

 

Outubro 2021

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
12
13
14
16

17
20
23

26
27
28
29
30

31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Posts recentes

Varinha de condão (2014-0...

Frondosa sombra (2014-08-...

País único (2014-08-19)

Arruaças (2014-08-30)

O poeta fingidor (2014-09...

Aparecimento da magia (20...

O primeiro olhar (2010)

No meu bairro (2014-08-14...

De onde venho (2014-09-06...

Esse teu rosto (2014-08-2...

Arquivos

Outubro 2021

Setembro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Links

SAPO Blogs

subscrever feeds

Em destaque no SAPO Blogs
pub