Quinta-feira, 30 de Setembro de 2021

Esse teu rosto (2014-08-29)

 

 

Esse teu rosto sem idade,

sulcado pelos agrestes ventos da vida,

lavrado em profundos canteiros de rosas

pelo vento que o açoitou.

Esse teu rosto marcado,

pelos sonhos que nunca realizaste,

pela dureza que a vida te impôs

no caminhar que o tempo já esqueceu.

Esse teu rosto ímpar,

no contar de estórias inenarráveis

que os anos tornaram irreais à luz que hoje brilha,

que são o testemunho vivo da história que vivemos.

Esses teu rosto risonho,

que tudo viu passar,

que perdoou os males a que não pode fugir,

que sorri, apesar de tudo.

Esse teu rosto vivido,

que traz sulcado a traços profundos,

o mapa do mundo por onde andaste,

os caminhos que calcorreaste.

Esse teu rosto bondoso,

que assistiu a um mundo e acaba noutro,

que merece respeito e recebe despeito,

que tudo faria para saciar os insaciáveis.

Esse teu rosto que eu respeito,

e ainda que os ventos da modernidade,

imberbes e ignorantes,

propalem o contrário, agradeço,

pelo futuro que teu sacrifício me deu.


publicado por canetadapoesia às 23:33
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 29 de Setembro de 2021

Esta noite, uma prece (2014-09-08)

 

 

Deixo-te esta noite uma prece,

peço-te que nos olhes do alto do teu celeste trono,

e nos perdoes pelos males do mundo.

Não te admires de to pedir,

sou humano,

conheço-os há longo tempo,

sei do que são capazes.

Também te conheço,

sei que és Pai,

generoso e protector.

Rogo-te pois, que os releves,

perdoa-lhes os pensamentos impuros,

sobretudo pelos males com que se autoflagelam.


publicado por canetadapoesia às 22:47
link do post | comentar | favorito (1)
Terça-feira, 28 de Setembro de 2021

Encontro de titãs (2014-09-03)

 

 

Ali onde o dia se desfazia da noite,

naquele preciso ponto,

no momento em que se fazia a luz,

nas trevas que a noite criava.

Num instante de sublime elevação,

numa concertada loucura do universo,

os extremos juntam-se para logo se separarem,

e deste encontro de titãs renasce a vida,

diariamente,

em todo o seu potencial esplendoroso,

para o bem e para o mal.


publicado por canetadapoesia às 22:47
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 27 de Setembro de 2021

Poema de quatro linhas (político) (26/09/2021)


 



 



quando, entre tricas, a esquerda se entretém



 



e, por força dos umbigos, se mantém desunida



 



a direita, que espreita, não se contém



 



e, sem peias, avança decidida.


 


 


publicado por canetadapoesia às 17:26
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Sexta-feira, 24 de Setembro de 2021

Suspensa no ar (2014-09-23)

 

 

De onde estava sentado,

apreciava o laborioso trabalho,

e via-a suspensa no ar,

em acrobacias inacreditáveis.

Subia e descia,

umas vezes lentamente,

outras mais apressada,

ia e vinha,

tecendo um misterioso mundo só seu.

Aí nasciam hexágonos,

que a partir de um ponto se multiplicavam,

e a teia de seda desenvolveu-se para cumprir o seu fim.


publicado por canetadapoesia às 23:25
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Quinta-feira, 23 de Setembro de 2021

Inexplicável (2014-09-25)

 

 

É uma sensação estranha,

não consigo defini-la,

um misto de alegria e apreensão.

Uma alegria por ter nascido tão naturalmente,

uma apreensão pelo desconhecido de quem o vai ler,

se gostam, se não gostam,

se é bom, se é mau,

não sei, dirá quem o ler.

Para mim foi bom, foi excepcional,

mesmo sabendo que,

a partir do momento em que veja a luz do dia,

deixará de ser meu,

será do mundo que o rodeia,

das pessoas que por ele nutrirem algum carinho.

Mas é um livro de poesia,

um livro que não segue as regras,

que se centra nas palavras que a alma cria e o coração dita.

O meu livro de poesia.


publicado por canetadapoesia às 23:14
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 22 de Setembro de 2021

Queria e não queria (2014-08-20)

 

 

Queria ir e ao mesmo tempo não o queria fazer,

queria sentir o sabor da maçã,

mas ao mesmo tempo,

temia a experiência da serpente.

Mas o desejo,

a sensação da aventura,

o escorraçar das contingências sociais,

desafiá-las mesmo,

e sobretudo o desconhecido

que uma serpente pode proporcionar.

Queria ir e ao mesmo tempo não queria,

acabou por ir,

provar a maçã,

sentir a serpente enroscar-se em si,

desejar que este fosse o paraíso eterno.


publicado por canetadapoesia às 22:51
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 20 de Setembro de 2021

Náufraga (2014-08-16)

 

 

Encontrara-a por acaso,

num almoço,

deitei-lhe para cima a esquina do olhar.

Não parecia uma náufraga,

não a vislumbrava a afogar-se,

num qualquer lago profundo,

olhou-me,

e o seu olhar semicerrado não se propôs a coisa alguma,

mas expôs-se,

um ligeiro tremer de lábios nada dizia

se a minha atenção não estivesse desperta,

mas o cerrar de dentes sobre eles,

logo denunciaram o propósito.

Não era náufraga,

mas sem hesitar propôs o pecado da traição.

E daqui tirei a lição da emancipação.


publicado por canetadapoesia às 22:59
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 16 de Setembro de 2021

O desejo (2014-09-03)

 

 

Num instante de voluptuosa nostalgia

senti despertar em mim

sentimentos adormecidos por tão longa inércia

e cresceu o desejo tanto tempo contido,

como cresceu!

Dele se fizeram lembranças,

recordações de outros tempos,

satisfações mergulhadas na memória

apesar da lonjura da distância e do tempo,

cresceu e avolumou-se.


publicado por canetadapoesia às 22:48
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 15 de Setembro de 2021

Dias de doidice (2014-09-17)

 

 

Senti-me doido,

nervoso,

sei lá como me senti.

Mas sei que nestas alturas,

a caneta corre-me sobre o papel como nunca,

e escrevo,

escrevo poesia como se a estivesse a viver no momento.

Nem sequer me detenho a avaliar,

despejo o que me vai na alma,

com a mesma violência com que me aparece.

Questiono-me por vezes,

será que vale a pena?

Será que tem alguma qualidade?

Será que alguém a percebe?

Será que me percebem?

Que percebem esta mente deslocada no tempo,

quase a roçar o ensandecimento?

Dias de doidice, nada mais.


publicado por canetadapoesia às 23:23
link do post | comentar | favorito

Mais sobre mim


Ver perfil

Seguir perfil

. 27 seguidores

Pesquisar

 

Outubro 2021

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
12
13
14
16

17
20
23

26
27
28
29
30

31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Posts recentes

Varinha de condão (2014-0...

Frondosa sombra (2014-08-...

País único (2014-08-19)

Arruaças (2014-08-30)

O poeta fingidor (2014-09...

Aparecimento da magia (20...

O primeiro olhar (2010)

No meu bairro (2014-08-14...

De onde venho (2014-09-06...

Esse teu rosto (2014-08-2...

Arquivos

Outubro 2021

Setembro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Links

SAPO Blogs

subscrever feeds

Em destaque no SAPO Blogs
pub