Domingo, 31 de Outubro de 2021

O meu amigo Tagus (2021-10-31)

 

 

Eras mais que isso,

não só amigo como companheiro.

Sempre pronto a um passeio na rua,

de que fazíamos amiúde e aumentámos ultimamente,

porque a tua idade, em referência à humana, a isso obrigava,

seriam para aí uns provectos 91 anos.

Mas agora, esta noite, a partir de hoje,

já não vou acordar com o ouvido atento

a todos os teus movimentos no andar de baixo.

As queixas que os teus fracos osso te faziam emitir,

silenciaram-se e deixaram de ser motivo para preocupação.

Estarás agora reconhecendo os verdes campos da serenidade,

cheirando, sentindo odores e, de quando em vez,

elevando as narinas ao vento que te trazia novidades.

Deixaste um vazio que preencheste durante quinze anos,

cheios de carinho e amizade, de ambos os lados,

nunca o esquecerei, nunca deixarei de sentir a tua falta.

As três meninas que criaste, vão sentir a tua falta,

Nem sei como justificar essa ausência,

de quem foi cama e colchão,

desde a tenra idade de rastejar direitas a ti.

Ali ficavas, impávido e sereno,

receando até mexer-te, não fosses assustá-las,

e de vez em quando uma lambidela para que ficassem,

pela vida fora,

inoculadas com os antivírus naturais de que hoje gozam.

Foste cão, amigo, companheiro inseparável,

agora faltas-nos, porque,

foste acima de tudo… família!

Obrigado, Tagus,

pelos maravilhosos anos de companhia.


publicado por canetadapoesia às 20:33
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Sábado, 30 de Outubro de 2021

Caminho de leite (2014-08-19)

 

 

Durante dias esperava ansioso

pela hora em que me deleitaria,

com este olhar guloso sobre teu corpo.

Via-te de longe, mas mesmo assim,

com a distância a separar-nos,

não deixava de me sentir enamorado e,

do teu corpo curvilíneo,

arredondado por luminosas estrelas,

inocentemente me apaixonei e assim,

diariamente desejei que o momento chegasse

a tempo do desejo de ti.

Na negrura da noite, daqui de onde te olho,

ressalta o ensejo de te ter por perto,

e do brilho das cinco estrelas que se compõem,

nessas tuas curvas de volúpia pura,

brilham em estrela na tua forma de “w”,

ilumina-se a noite do prazer que me dás,

e da via láctea que se sobrepõe,

és mais uma luz no caminho,

que nos leva a Santiago.


publicado por canetadapoesia às 22:42
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 29 de Outubro de 2021

À descoberta (2014-08-24)

 

 

Assim partes pelos caminhos da descoberta,

não andas nem caminhas por ti,

antes, descobres o mundo por outros,

e no caminhar de teus dedos

sobre as extensas folhas da história,

logo vais desbravando a estrada

que à luz te conduz.

No conhecimento que extrais

de tão alvas páginas que escrevem

as outrora escuras passagens da vida,

retiras o sumo da existência e,

com a surpresa do agora olhar,

verificas que afinal,

do actual correcto percebido,

não és mais do que o contrário,

que a história consagrou

em séculos de evolução.


publicado por canetadapoesia às 23:07
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 28 de Outubro de 2021

Acolhes-me (2014-08-24)

 

 

Estás velha e cansada,

e, no entanto, acolhes-me

debaixo do tecto que formas

com os teus descaídos ramos.

Na passagem do tempo,

que em ti deixa marcas,

nem o peso dos frutos que te vergam

são suficientes para te quebrar,

e nessa vontade férrea,

renovas-te ano após ano e,

acolhes-me sob os teus ramos.

Mesmo que nenhum rasgo me ocorra

com a queda de um dos teus frutos,

continuas a dobrar-te ao peso dos mesmos,

que vingam de teus braços cansados,

e eu acolho-me à tua sombra protectora

de macieira secular que se verga,

mas cujo peso não a quebra.


publicado por canetadapoesia às 22:50
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 27 de Outubro de 2021

Insubstituíveis (2014-08-25)

 

 

Porque um amigo é algo de insubstituível,

a amizade não olha a credos,

não liga a políticas,

não se importa com opções,

não lhe interessa as regiões,

muito menos as nacionalidades,

a palavra amizade,

diz tudo de per si,

por isso somos amigos,

daqui e de todo o mundo,

por isso nada no universo nos afasta

desta amizade que nos acompanhará,

do primeiro ao último dia

das nossas vidas de amigos.


publicado por canetadapoesia às 22:38
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 26 de Outubro de 2021

Do prazer (2014-08-26)

 

 

Em antecipação do prazer,

corre o fecho éclair,

descobre a abertura onde,

com deleite e talvez um pouco da luxúria

que o corpo lhe solicita,

introduz os dedos, corre-os de um a outro lado,

sente a maciez dos finos folículos

que nos dedos se lhe enrolam.

Escancara a abertura e introduz o nariz,

o órgão em que mais sente o afrodisíaco odor,

extasiado,

aproxima o instrumento e introdu-lo na abertura,

com os dedos enche-o e calca-o com a ternura da experiência

que os rápidos e ágeis dedos possuem,

leva-o à boca e mordisca-o por momentos,

acende o fósforo,

aspira o fogo que no interior da fornalha

acende uma chama lenta, mas poderosa.

Numa suave baforada expele o fumo

que o prazer de tanta excitação lhe causou.

Estava, finalmente, a fumar do seu melhor cachimbo,

que volúpia, que prazer,

um autêntico orgasmo entre fumos e chupões.


publicado por canetadapoesia às 22:52
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 25 de Outubro de 2021

Varinha de condão (2014-08-31)

 

 

Manchado do sangue

que não devia ser vertido,

em farrapos de ânimo,

com a alma estropiada

e a farda já rasgada

de tanta violência incontida,

ainda assim, se considerava um Deus.

Tinha nas mãos o instrumento,

a varinha de condão,

que possibilitava a vida ou a morte,

à sua frente o resultado macabro,

da sua irracional utilização.


publicado por canetadapoesia às 22:56
link do post | comentar | favorito
Domingo, 24 de Outubro de 2021

Frondosa sombra (2014-08-18)

 

 

Sentindo no rosto o calor,

de um astro rei em chamas,

procuro a frondosa sombra,

que me arrefeça os humores.

Debaixo desta sombra,

frondosa e verdejante árvore,

me acoito e relaxo,

dos insanos dias de cólera.


publicado por canetadapoesia às 22:42
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 22 de Outubro de 2021

País único (2014-08-19)

 

 

É único, não existe outro assim,

é um país que dentro de si tem todo um mundo.

Há por aqui uma rua que tem um nome,

chama-se rua da angolana,

até aqui tudo certo, um nome como qualquer outro.

Mas acontece que esta rua é especial,

não por ser da angolana, mas por ser por si só um universo.

Nesta rua há especialidades chinesas e mais todas as orientais,

especialidades africanas e mais as sul americanas,

europeias são as que se queiram,

pode até comer-se um célebre cozido à portuguesa,

isto depois de uma boa moambada.

E ainda há quem ache que Portugal é pequenino!


publicado por canetadapoesia às 21:45
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 21 de Outubro de 2021

Arruaças (2014-08-30)

 

 

No começo eram só intimidações,

arruaceiros e provocadores,

destabilizando a ordem civilizada,

aterrorizando os seus concidadãos,

destruindo vidas,

delapidando bens.

No passo seguinte passaram à agressão,

o terror subiu de tom,

mas ninguém se lhes atravessava,

ninguém lhes punha cobro.

Finalmente prenderam aleatoriamente,

mataram indiscriminadamente,

o seu povo temeroso e alheio,

já nada podia fazer para os travar,

seguiram para a guerra.

Combateram, mataram, destruíram,

e morreram em nome de uns loucos,

que se acoitam nas leis de alguém supremo,

que nem conhecem, mas veneram e,

como maus seguidores,

distorcem a sua palavra a seu belo prazer.


publicado por canetadapoesia às 23:28
link do post | comentar | favorito

Mais sobre mim


Ver perfil

Seguir perfil

. 26 seguidores

Pesquisar

 

Dezembro 2021

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Posts recentes

Sós e acompanhados (2014-...

Duas caixas de cartão (20...

Minúsculo (2014-10-20)

Poder da oração (2014-10-...

Impulsos (2014-10-09)

Dei por mim (2014-10-09)

Debaixo de um sorriso (20...

Espalhados (2014-10-09)

Espera-se (2014-10-09)

Por entre edifícios (2014...

Arquivos

Dezembro 2021

Novembro 2021

Outubro 2021

Setembro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Links

SAPO Blogs

subscrever feeds

Em destaque no SAPO Blogs
pub