Terça-feira, 30 de Novembro de 2021

Poder da oração (2014-10-12)

 

 

A oração faz-me sentir calmo,

pacifica-me o espírito,

expande-me a alma.

Quando falo com Ele,

falo também para mim,

sinto o fervilhar do meu ser

em cada momento de recolhimento,

e em cada um deles,

muito tenho de pedir,

hoje mais do que nunca,

e tanto que tenho de agradecer.


publicado por canetadapoesia às 22:11
link do post | comentar | favorito
Sábado, 27 de Novembro de 2021

Impulsos (2014-10-09)

 

 

São tentações imediatas,

solicitações a que não posso

nem consigo dizer não,

necessidades, talvez,

de que o verbo que corre

livremente pela mente,

se transforme em palavra,

escrita e entendível,

de preferência perceptível.

 É a mente, a imaginação,

que cria o verbo

que se faz palavra e que,

em simples frases soltas,

se transforma em alma

na vida de cada um,

nela, com o coração preso ao verbo,

nasce o poema que encanta.


publicado por canetadapoesia às 22:39
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 26 de Novembro de 2021

Dei por mim (2014-10-09)

 

 

Acordo do torpor mental,

dou por mim absorto,

numa coisa de nada,

em algo a que não se dá, vulgarmente,

qualquer importância.

No entanto, a observação,

conduz-nos por outros caminhos,

e leva-nos nas asas do pensamento,

para questões mais filosóficas,

e verificamos da importância da “coisa de nada”.

Era só o pé de uma cadeira,

mas sem ele a suportá-la,

certamente não se susteria,

liberta e segura para,

suportar o abstracto pensador.


publicado por canetadapoesia às 22:16
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 25 de Novembro de 2021

Debaixo de um sorriso (2014-11-05)

 

 

E, no entanto, entraste sorridente,

o rosto iluminado, mas,

o semblante carregado,

ainda que por baixo do sorriso,

com que brindavas o dia,

e saudavas as gentes.

Estava latente uma mágoa e mais que isso,

o que escondiam os óculos escuros,

não se podia negar.

Eras mais uma das que dão vida,

sustentam-na e depois,

são simplesmente levadas ao extremo,

de uma violência que marca, que deixa sinais,

num corpo que devia ser sagrado,

que devia ser para amar e,

venerar no ventre que dá a vida.

Debaixo do sorriso, a mágoa da brutalidade.


publicado por canetadapoesia às 20:32
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 24 de Novembro de 2021

Espalhados (2014-10-09)

 

 

Pela sala dispersos,

aguardam a chamada,

que de um impessoal canto,

do tecto esburacado,

como enfeite, é claro,

se solte a voz que, em bom som,

alto e abrangedor,

há-de pronunciar o seu nome.

Até lá, ocupa-se o tempo,

não lendo, jornais ou livros,

mas manuseando o “gadget”.

Telefones de todos os tamanhos,

feitios e cores diferentes,

servem de consolo a quem,

na sala de espera,

espera que o chamem,

e eu,

escrevo umas coisinhas.


publicado por canetadapoesia às 23:02
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 22 de Novembro de 2021

Espera-se (2014-10-09)

 

 

Na sala de espera, pois,

espera-se!

Por alguma coisa,

por pessoas ou notícias.

Espera-se,

que o correr do tempo

nos traga novas,

que nos aquietem e informem,

que afinal são novas e,

boas novas que aí vêm.

Espera-se,

vincando o desespero da espera,

enaltecendo a virtude

que nos dá força e energia,

espera-se com fé e esperança,

que as novas sejam novas.


publicado por canetadapoesia às 22:30
link do post | comentar | favorito
Domingo, 21 de Novembro de 2021

Por entre edifícios (2014-10-08)

 

 

Corria fresco entre os edifícios,

desperto para o corredor

que à sua frente se abria,

quando nos afagava o rosto,

calmo e fresco se fazia sentir.

Trazia consigo os cheiros da terra,

vinham de longe,

e por entre a folhagem das árvores,

carregava-se do perfume silvestre

com que nos inebriava.

Um vento de travesso,

que já se fazia sentir entre as orelhas,

trazendo consigo os odores dos campos outonais,

forçando a sua entrada nas ávidas narinas,

onde depositava os perfumes da vida que,

com as águas recentes, se fazia anunciar,

nascendo vibrante,

em cada nova rabanada e gota de água caída.


publicado por canetadapoesia às 21:58
link do post | comentar | favorito
Sábado, 20 de Novembro de 2021

Piropo (2014-10-07)

 

 

A carne é fraca e nem sempre o desejo é célere,

mas o piropo que se afina,

com a facilidade com que os olhos fazem a descoberta,

não se engasga e solta-se,

vibra aos ouvidos e percorre o etéreo,

num segundo atinge os sentidos de quem dele precisa,

para se sentir a rainha do dia,

e quando chega, mesmo inesperado,

um sorriso tímido aflora aos lábios,

do alvo de tal manifestação.

“Vem comigo, vamos visitar o paraíso”.


publicado por canetadapoesia às 22:07
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 18 de Novembro de 2021

Defronte dos olhos (2014-10-07)

 

 

Desfilam perante meu olhar,

tento abstrair-me,

não quero ligar-me à sua existência,

mas eles teimam em desfilar,

bem debaixo do meu nariz.

Não resisto,

com a rapidez que um raio,

não conseguiria acompanhar,

abocanho um, trinco-o,

de mansinho para sentir o gosto,

deixo-o espalhar-se pelo palato,

remexo os olhos com o prazer

que da boca me acompanha a alma,

o sacrifício é feito,

mais umas gramas no corpo,

mas um imenso prazer na alma.


publicado por canetadapoesia às 21:23
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 16 de Novembro de 2021

Perdido no horizonte (2014-10-06)

 

 

Olhando para cima do que se vê,

e nada consta de registo,

um olhar que se perde por aí,

longe do estender de um braço,

fora do alcance de uma mão,

sobretudo, para além da visão

que a vista alcança, mas não vê.

Embacia-te o olhar,

que a vastidão do horizonte

desencanta de futuros e

olhos sem ver que, para além,

para mais longe que esse horizonte,

nada mais vês que desilusão,

então deixas de processar

as imagens que te magoam,

que te retiram os sonhos,

que te embaciam o futuro,

perdes-te no horizonte desse olhar perdido.


publicado por canetadapoesia às 21:19
link do post | comentar | favorito

Mais sobre mim


Ver perfil

Seguir perfil

. 25 seguidores

Pesquisar

 

Dezembro 2021

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

14
15
16
17
18

19
23
24
25

26
27
28
29
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Posts recentes

A minha árvore deste Nata...

Apressados (2014-10-28)

Por trás da espera (2014-...

Descrição (2014-10-28)

Sabes lá tu (2014-10-29)

Silhueta (2014-10-22)

Insaciável (2014-10-22)

Banco de jardim (2014-10-...

Sós e acompanhados (2014-...

Duas caixas de cartão (20...

Arquivos

Dezembro 2021

Novembro 2021

Outubro 2021

Setembro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Links

SAPO Blogs

subscrever feeds

Em destaque no SAPO Blogs
pub