Quarta-feira, 22 de Dezembro de 2021

A minha árvore deste Natal (2014-12-21)

 

 

Olhei para ela e ali estava, de pé, a árvore de Natal,

pequenina como sempre,

mas tão cheia de carinho e amor,

só tinha, agora, que lhe acrescentar os enfeites.

 

Conforme os ia acrescentando,

bolas brilhantes, luzinhas cintilantes,

e outros artefactos de embelezamento,

fui criando mentalmente

a minha árvore deste Natal,

invisível aos olhos humanos,

pois na alma me residia e,

estrela após estrela fui acrescentando-a,

à medida de tudo o que desejava.

 

Por cada amigo, mais uma estrela na alma,

e de cada brilho um novo desejo,

um voto de harmonia, de serenidade,

para que nesta Santa Noite,

todos comunguem em uníssono,

da paz, carinho e amor que lhes desejo.

 

Por isso, para todos,

quando digo todos, são mesmo todos,

os que me fizeram bem, os que me ignoraram ou,

mesmo aqueles que me fizeram mal,

quero manter a minha postura e desejar-lhes tudo de bom,

perdoar todos os males e ainda,

garantir-lhes uma das minhas estrelas mais cintilantes,

e que no ano que aí vem tenham tudo de bom,

tudo o que de melhor a vida lhes possa dar.

 

Para mim, um desejo mais simples,

manter-me humano e sensível

a tudo o que quero da vida,

para mim, para os meus, para os amigos e inimigos,

uma noite de Paz, Amor, Amizade e,

um ano pleno de felicidade.


publicado por canetadapoesia às 23:16
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 21 de Dezembro de 2021

Apressados (2014-10-28)

 

 

Entram a correr, apressados,

encostam-se ao balcão,

pedem um café,

sôfregos,

engolem-no de um trago.

Sentem a adrenalina a subir,

trepa-lhes o corpo,

atinge-os no cérebro,

desencadeia reacções e,

sentem-se, enfim,

preparados para um novo dia,

prontos a enfrentar o stress que esta vida,

mais que qualquer outra coisa,

lhes proporciona em quantidade.


publicado por canetadapoesia às 21:31
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 20 de Dezembro de 2021

Por trás da espera (2014-10-28)

 

 

Por trás do arbusto,

a espera faz-se até que,

incauta, a caça apareça.

Por trás da vida,

assim se processa a espera,

não pela incauta caça,

mas pela esperançosa vivência,

que se vai desfazendo

em estranhas sensações,

nubladas pelo receio

que esta espera representa.

A espera, que desespera e,

no entretanto,

nada mais que a espera,

que atormenta o espírito,

desta alma atormentada.


publicado por canetadapoesia às 23:14
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 13 de Dezembro de 2021

Descrição (2014-10-28)

 

 

Não inventes mais estórias,

esse é um assunto que

só se entende se bem descrito,

portanto atreve-te, descreve,

mas descreve tudo,

até ao mais ínfimo pormenor.

Não omitas nada,

ainda que te pareça insignificante,

pois todos os detalhes

que fores desfiando

são importantes para que,

depois de tudo bem descrito,

se consiga então

identificar o objecto

das intermináveis estórias contadas

e dessa descrição tão intensa.


publicado por canetadapoesia às 21:51
link do post | comentar | favorito (1)
Domingo, 12 de Dezembro de 2021

Sabes lá tu (2014-10-29)

 

 

Dizes-me com a certeza dos conhecedores,

e repetes com ênfase que sim,

que estamos em pleno mês,

aquele em que o Outono se reconhece,

eu olho-te sem te desmentir,

e do meu rosto solta-se um sorriso,

singelo, feliz, gratificante.

Desse sorriso desprendem-se alegres,

os vários trinados de pássaros distintos e,

entre eles, algumas flores,

que aromatizam e coloram de arco-íris,

esta minha primavera.

Por mais que me demonstres,

que o teu conhecimento é grande e,

que até sabes quantas são,

quando começam e terminam,

as tuas estações do ano,

garanto-te que não as sigo,

as minhas são diferentes.

Sinto que hoje,

no teu consagrado Outono,

nasceu mais uma primavera,

a minha primavera e,

nem perguntes como,

não saberia explicar-te,

a não ser afiançar-te que,

no ar que hoje respiro,

há aromas primaveris,

daqueles que trazem promessas de verão,

há chilreio de aves que acredito,

serem de um paraíso que é meu,

por isso te digo que,

a primavera é quando um homem a sentir,

é quando quiser que ela seja,

é quando a merecer por querê-la.

Esta é a minha primavera,

mesmo que seja em pleno Outono.


publicado por canetadapoesia às 20:44
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 9 de Dezembro de 2021

Silhueta (2014-10-22)

 

 

Pela silhueta se percebia o conteúdo,

rico em cor e textura, estonteante em odor e,

terrivelmente erótico pelos sabores que proporcionava.

Sem dúvida um despertador da alma,

essa insaciável caçadora

de prazeres mundanos e deliciosos.

Meteu-lhe o nariz pelo largo e apropriado orifício,

aspirou-lhe o aroma, um autêntico bouquet florido,

pelas bordas cirandou, deixando que a língua,

ávida de satisfazer o desejo,

por ali penetrasse sem que, inicialmente,

aprovasse tal delícia de esquisito sabor

pelas bordas espalhada,

penetrando então, fundo, orifício dentro,

até ao âmago onde, de um trago,

satisfez o prazer do vinho.


publicado por canetadapoesia às 22:37
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 8 de Dezembro de 2021

Insaciável (2014-10-22)

 

 

Chupava e voltava à carga,

arremetia violentamente e,

voltava a chupar, sofregamente,

como se o néctar da vida,

que ela lhe tinha proporcionado,

pelas belíssimas fábricas maternas,

os volumosos e repletos seios,

se esgotasse abruptamente.

Repleto de lauta refeição,

gozando do prazer do estômago cheio,

sorria e gracejava em chilreios,

para o mundo que o observava,

sentia-se que pelo menos,

este não passava fome,

porque mãe que se preza,

alimenta o filho,

mesmo com parte de si.


publicado por canetadapoesia às 23:45
link do post | comentar | favorito
Domingo, 5 de Dezembro de 2021

Banco de jardim (2014-10-21)

 

 

Numa pausa, para almoço,

que se quer rápido e leve,

para aproveitar a sombra

que da árvore nos cai e,

sobre o banco do jardim se derrama.

Cruzam-se sons,

conversas indistintas e,

soam tão distantes que não damos conta

do seu teor à nossa volta.

Sons distantes,

que nos chegam difusos,

que ignoramos,

apesar de estarem mesmo ao lado,

de ouvidos que não se interessam

pelas conversas do banco ao lado,

pelos sons do mundo que nos inundam.


publicado por canetadapoesia às 22:22
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 3 de Dezembro de 2021

Sós e acompanhados (2014-10-21)

 

 

Falas e gesticulas,

aprecio a tua fluidez,

a rapidez dos gestos,

porque as mãos,

também têm uma linguagem,

mas estás só.

Circulas no passeio e falas,

para um aparelho que te liga

a alguém, ao mundo,

mas no fundo estás só, e falas,

para ele, o aparelho,

como se estivesses acompanhado

e ao teu lado um interlocutor,

qualquer que fosse,

te respondesse à solidão.


publicado por canetadapoesia às 23:19
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 2 de Dezembro de 2021

Duas caixas de cartão (2014-10-20)

 

 

Vi-o num canto de paredes,

num vão de prédio,

protegido da chuva,

que dos ventos se protegia

com uma caixa de cartão,

espalmada,

a fazer de antepara.

No outro caixote se encolhia,

do vento e dessa fome,

terrível flagelo que o acossava e

lhe formigava o vazio estômago,

há muito esquecido

dos aconchegos da vida,

e agora,

votado ao abandono,

por uma sociedade que esqueceu,

os princípios da decência e solidariedade.


publicado por canetadapoesia às 22:26
link do post | comentar | favorito

Mais sobre mim


Ver perfil

Seguir perfil

. 25 seguidores

Pesquisar

 

Maio 2022

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Posts recentes

Alice (2022-05-20)

Dia da minha mãe (2013)

Ofendidos (2022-03-21)

A minha árvore deste Nata...

Apressados (2014-10-28)

Por trás da espera (2014-...

Descrição (2014-10-28)

Sabes lá tu (2014-10-29)

Silhueta (2014-10-22)

Insaciável (2014-10-22)

Arquivos

Maio 2022

Março 2022

Dezembro 2021

Novembro 2021

Outubro 2021

Setembro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Links

SAPO Blogs

subscrever feeds

Em destaque no SAPO Blogs
pub